Construção de escola gera 150 empregos

A construção do C.E João Teixeira de Sousa – anexo III originou 150 empregos diretos.

A construção do C.E João Teixeira de Sousa – anexo III originou 150 empregos diretos. Além dos empregos, todo o material mineral foi comprado na região. Com a inauguração da unidade escolar, Centro Novo do Maranhão passou a ter o primeiro prédio da rede estadual instalado no município.

Sala de aula de escola construída em Centro Novo do Maranhão. (Foto:Divulgação/Sinfra)

“Os empregos ajudam a melhorar a vida das pessoas e da comunidade. O dinheiro ajuda na economia do município e no final todos saem satisfeitos. É por isso tipo de transformação que o Maranhão está passando. As entregas das escolas demonstram que o governador Flávio Dino vem trabalhando incansavelmente para oferecer uma melhor qualidade de vida aos moradores, e em especial, às nossas crianças e jovens” destaca o secretário de Estado da Infraestrutura (Sinfra), Clayton Noleto.

Giuvan da Paz Barbosa, 25, é morador de Centro Novo do Maranhão e trabalhou durante a construção da escola. Para o ajudante de servente, a renda extra contribuiu na economia mensal de casa. “Estava fazendo ‘bico’, onde construí uma quadra e parei. Aí, quando começou a escola, comecei a trabalhar lá e foi bom porque deu para pagar as contas, né” descreve Giuvan.

O prédio conta com seis salas de aula, com capacidade para 35 alunos cada, secretaria, almoxarifado, diretoria, cantina, quatro banheiros, biblioteca, sala de informática, sala para professores e um amplo pátio central. No espaço funcionará o ensino médio, nos turnos matutino, vespertino e noturno. O que era terreno baldio, hoje é motivo de orgulho para a classe estudantil.

Os 500 matriculados no C.E João Teixeira de Sousa – anexo III dividiam um mesmo espaço com os alunos da Escola Municipal Denizard Almeida e Silva.

Tamires Andrade, 15, aluna do segundo ano matutino, destaca a qualidade da obra.“Ela é bem estruturada, tem vários lugares bonitos, as salas, enfim. A escola antiga era legal, mas tinha uma péssima estrutura, os alunos riscaram muito as paredes. Aqui vai ficar melhor para aprender” comenta Tamires.

Fonte: Governo do Estado

Deixe uma resposta