Governo realiza primeira ação de combate aos caramujos africanos

O Governo do Maranhão realizou, dia 26 de maio, a primeira ação de controle e combate à proliferação dos caramujos africanos, na Ponta D’Areia. Foi montada uma força tarefa, com vários órgãos: secretarias de Estado de Meio Ambiente (SEMA), juntamente com Saúde (SES), Turismo e Cultura (SECTUR), Corpo de Bombeiros e Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

Na ocasião, foram coletados milhares de caramujos e, em seguida, incinerados. “Recebemos várias denúncias e imediatamente tomamos uma iniciativa, com medidas preventivas e educativas. A estratégia de defesa, mas eficaz para conter a proliferação desses moluscos é a catação manual, então realizamos a catação e as ações continuam por São Luís e se estenderá pelo interior. O caramujo africano não só impacta o meio ambiente, mas é um problema de saúde pública”, explicou o Secretário Marcelo Coelho.

“Ao se locomover, o caramujo libera um muco contaminado que pode infectar humanos, caso seja ingerido. A recomendação, em caso de contato com o animal, é que seja feita higienização correta das mãos, lavar com bastante sabão e água. Além disso, as frutas, verduras e hortaliças, também, devem, ser higienizadas”, ressaltou doutora em Biodiversidade e Saúde, Selma Patrícia Diniz.

Ela, ainda, destacou que “é necessário cuidado, também, em relação à captura dos moluscos e garantir a segurança. Nunca ingerir os moluscos capturados e tampouco é permitido criá-lo em cativeiro.  Para capturá-los, é preciso ter uma série de cuidados, como sempre utilizar luvas ou sacos plásticos para proteger as mãos”.

Alguns exemplares foram recolhidos para análise em laboratório.

Esclarecimento

O caramujo Africano pode causar um tipo de meningite, mas a forma de infecção só acontece via oral. Ou seja, nunca leva a mão à boca, caso tenha contato com o molusco. Lave bem.

Outra coisa, é que o animal não é hospedeiro do verme schistosoma mansoni causador na esquistossomose (Barriga d’água), não há relação.

Capacitação

No dia 25 de maio, foi realizado capacitação com a equipe de limpeza e de educação ambiental. O objetivo foi explicar o que é o caramujo africano; como diferenciar do caramujo nativo; como capturá-lo; como combater e prevenir.

O caramujo africano

O caramujo africano  é uma espécie de molusco terrestre tropical, originário do leste e nordeste da África. Foi mundialmente disseminado pela ação humana ligado a gastronomia, sendo utilizado como opção para o escargot, tanto na região da Tailândia, China, Austrália, Japão e recentemente no continente americano. A espécie é considerada uma das cem piores espécies invasoras do mundo, causando sérios danos tanto para o meio ambiente quanto para a saúde pública.

Deixe uma resposta