Profissionais da Secretaria de Estado da Saúde participam de capacitação sobre reanimação neonatal

Com foco na assistência em saúde dos recém-nascidos, foi iniciado o Treinamento de Reanimação Neonatal direcionado para médicos, enfermeiros, fisioterapeutas da rede estadual de saúde e parteiras das comunidades maranhenses. 

Com foco na assistência em saúde dos recém-nascidos, foi iniciado, nesta terça-feira (16), o Treinamento de Reanimação Neonatal, na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (SUDS) – Mórmons, direcionado para médicos, enfermeiros, fisioterapeutas da rede estadual de saúde e parteiras das comunidades maranhenses.

Mais de cem participantes, vindos de unidades de saúde dos municípios de Coroatá, Alto Alegre, Morros, Santa Inês, Timbiras, São José de Ribamar, Pinheiro e Barra do Corda participam do treinamento. A capacitação  tem o objetivo de apoiar o fortalecimento da rede de assistência no estado.

Promovido pela Sociedade de Puericultura e Pediatria do Maranhão, por meio do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES), prefeituras e a Igreja Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, o treinamento conta com a participação de instrutores voluntários.

A secretária adjunta de Assistência à Saúde da SES, Carmen Belfort, avalia o treinamento como uma oportunidade de troca de conhecimento entre médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e parteiras.

“Sabemos que muitos partos ainda são feitos em casa, devido à distância de algumas comunidades das maternidades, e por isso, se faz necessário repassar o conhecimento correto a todos envolvidos no processo para evitar intercorrências e sequelas pós-parto”, disse Carmen Belfort.

Para a presidente da Sociedade de Puericultura e Pediatria do Maranhão, Marynéa do Vale, ter mais profissionais e parteiras mais capacitados impacta na melhoria da assistência.

“Não podemos deixar de disseminar conhecimentos para garantir nas comunidades mais distantes e até mesmo nas capitais dos estados partos seguros com bebês saudáveis e sem sequelas. A orientação correta é nossa ferramenta de combate à mortalidade”, informou. A coordenadora do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade de Pediatria, Patrícia Marques, destaca a importância do curso.

“O Brasil atingiu a quarta meta do milênio que foi a redução da mortalidade infantil, porém, o componente neonatal (0 a 28 dias) reduziu minimamente. Pouco mais de 60% dessa mortalidade infantil, o responsável é a mortalidade neonatal e deste último 23% é associado à asfixia ao nascer, ou seja, se esses bebês não tiverem uma assistência adequada, esses 23% morrem entre 0 a 7 dias de vida. Umas das formas de minimizar a mortalidade, é ter a equipe capacitada”, afirmou Patrícia.

O diretor geral do Hospital Regional da Baixada Maranhense Dr. Jackson Lago, Edilson Medeiros, pontuou que a oportunidade colabora para o enriquecimento da assistência materno-infantil prestada, sendo importante para todos os envolvidos.

“Existem algumas práticas que são revisadas durante o curso que nos fazem mais aptos, nos aprimoram e nos permitem dar uma assistência mais efetiva e isso é fundamental, não só para que o bebê sobreviva de imediato, mas, também, para o desenvolvimento neuropsicomotor”, ressaltou Edilson Medeiros.

Luciane Soares, parteira de São José de Ribamar, destacou os novos conhecimentos que assimilou no primeiro dia de treinamento. “Aqui pude tirar todas as dúvidas e aprender novas técnicas, que com certeza, serão de grande valia para os futuros partos que farei”, contou.

Capacitação

A carga horária do curso é de 8h, duração de dois dias, e tem como pré-requisito a aprovação no Curso de Reanimação Neonatal para bebês com idade maior ou igual a 34 semanas.

A programação conta com aulas práticas e teóricas que abordam reanimação do prematuro e os procedimentos em sala de parto. Ao final do treinamento, os participantes recebem kits de reanimação neonatal para auxiliar durante os partos.

Deixe uma resposta