Projeto citado em delação foi assinado por Sarney Filho

Documento que daria segurança a investimentos da Odebrecht em Cuba foi desarquivado pelo atual ministro em 2011

Vem à tona uma nova revelação sobre a credibilidade da citação do governador Flávio Dino (PcdoB) na abertura dos inquéritos pelo Ministro Edson Fachin. Após o ex-juiz e ex-deputado federal mostrar documentos que comprovam que ele não foi beneficiado por projeto que garantiria investimentos da Odebrecht em Cuba, o deputado estadual Marco Aurélio (PCdoB) faz outra afirmação: Sarney Filho (PMDB), atualmente Ministro do Meio Ambiente, foi quem desarquivou e assinou o documento.

“Em 2007, à época em que era Deputado Federal, Dino foi designado relator matéria, mas ele não concordou com o texto nela presente. Inclusive foi de autoria de 27 deputados e entre os 27 não consta o nome dele”, disse. Ele ainda afirma fraqueza na acusação de ele ter sido beneficiado em 2010 com o projeto quando á época não deu nenhum parecer sobre. “Então como ele poderia ter dado parecer favorável?”, questiona o parlamentar.

Marco Aurélio revelou ainda que o projeto à época não foi aprovado nem votado e, por fim, foi arquivado. Mas, em 2011, quando Flávio Dino não era mais deputado federal, houve um desarquivamento do projeto a pedido do então deputado federal Sarney filho. “A conclusão que as coisas foram colocadas de forma maldosa, mas a verdade irá prevalecer”, concluiu.

A reportagem do Página 2, agora pouco publicou documentos nos quais Flávio Dino não consta como relator do processo ou ter manifestado algum parecer. A atual governador também afirma que sua participação no processo nunca aconteceu e que projeto de interesse da empreiteira nunca foi votado pela Câmara Federal.

One thought on “Projeto citado em delação foi assinado por Sarney Filho

  1. Vocês estão querendo desvirtuar os fatos, ou seja, lançar uma cortina de fumaça para colocar todos na mesma vala. É a velha tática e ultrapassada do Comunismo, mas a população está atenta e tem acesso as informações e não se deixarão levar por esse factoides.

Deixe uma resposta