Sem dinheiro, UFMA deve parar atividades em julho

A Universidade está juntado esforços com a bancada maranhense para tentar reverter o quadro

O pró-reitor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Prof. João de Deus Mendes da Silva, deu declaração, na tarde de ontem, sobre a situação da UFMA com o bloqueio de 30% das verbas destinadas às instituições federais de ensino superior. Segundo o pró-reitor, se o bloqueio, anunciado pelo Ministério da Educação, não for revertido as atividades da UFMA devem parar em julho deste ano.

“Nós recebemos essa informação do bloqueio dos recursos da Universidade Federal do Maranhão com bastante preocupação, visto que desde 2015 nós temos os recursos já bastante cortados.” declarou o Prof. João de Deus.

“Estamos envidando esforços junto com a bancada maranhense, e a gente acredita que o bom senso prevaleça e nós consigamos reverter isso. Em relação aos problemas, seriam diversos, porque os recursos que foram contingenciados são recursos do custeio da universidade, da manutenção. Então, segurança, limpeza, pode nos prejudicar muito se não conseguirmos reverter”, disse ainda, o pró-reitor.

Veja abaixo o vídeo com o pronunciamento do pró-reitor Prof. João de Deus Mendes da Silva.

A União Nacional dos Estudantes (UNE), Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG) e União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES) fizeram pedido de suspensão do bloqueio. Mas, na semana passada, o ministro do Superior Tribunal de Justiça, Sérgio Kukina, rejeitou a liminar de suspensão do contingenciamento de verbas.

Para o ministro, os argumentos apresentados pelas entidades, ‘assim parece, baseiam-se, sobretudo, em entrevistas concedidas’ pelo ministro da Educação, ‘restando enfraquecidos’. O magistrado disse, ainda, que não há ‘perigo de demora’ para avaliar a ação das entidades.

Deixe uma resposta