Governo discute ações para amenizar efeitos da crise federal de combustíveis

O governador Flávio Dino recebeu, nesta sexta-feira (25), diretores e presidentes de órgãos públicos, sindicatos, empresas privadas e das Forças Armadas para discutir ações que amenizem, em âmbito estadual, os efeitos da crise federal de combustíveis, com a paralisação dos caminhoneiros nas estradas.

A intenção é garantir serviços essenciais para a população, como transporte público coletivo, segurança, serviços de saúde e coleta de lixo.

“A situação deriva de um problema nacional, mas demanda uma reflexão conjunta, para garantir o fluxo normal dos serviços públicos em todo o Maranhão”, disse o governador Flávio Dino.

Para o secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, a reunião denota a preocupação do Governo do Estado em atender às necessidades básicas do cidadão maranhense.

“A posição do Governo é de atender a população. Com essa reunião fizemos uma análise de todo o problema e definimos a atuação das partes, para serem praticadas de modo integrado. Isso será feito com diálogo e ações, de modo a permitir a tranquilidade que queremos para o nosso estado”, garantiu.

As estratégias discutidas na reunião visam expandir o acesso aos serviços públicos em todo o estado. Ted Lago, presidente da Empresa Maranhense de Administração Portuária (EMAP), que gerencia o Porto do Itaqui, afirma que o trabalho emergencial foi iniciado em São Luís, e deve se estender para o interior a partir deste sábado (26).

“Nós já iniciamos uma estratégia especial para garantir o transporte urbano, ferry-boat, além da coleta de lixo na capital. Vamos trabalhar para ampliar o que já estamos fazendo”, disse.

Representante da BR Distribuidora, Valmir Oliveira destaca que a reunião demonstra a preocupação do Governo em minimizar os impactos da crise federal.

“É muito importante essa convocação por parte do governador Flávio Dino. Mostra que todo o estado está preocupado em garantir os serviços públicos, em fazer as cidades rodarem normalmente. Esse é o caminho, todos envolvidos para o bem comum”, assegurou.

Também estiveram presentes na reunião o prefeito de São Luís, Edivaldo Holanda Júnior; o secretário-chefe da Casa Civil, Rodrigo Lago; o secretário de Indústria e Comércio, Expedito Júnior; o secretário de Comunicação e Articulação Política, Edinaldo Neves; o comandante da Polícia Militar do Maranhão, Coronel Luongo; o comandante do Corpo de Bombeiros, Coronel Célio Roberto; o presidente da Agência Estadual de Mobilidade, Lawrence Melo; e o procurador-geral do Estado, Rodrigo Maia.

Além destes, representantes das empresas privadas Raízen e Ipiranga e diretores do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão (SindCombustíveis) e Sindicado das Empresas de Transporte de São Luís (SET).

Postos voltam a receber combustível em São Luís

Os ludovicenses fazem fila nos postos de combustíveis da Grande Ilha, mas o abastecimento das bombas já está sendo feito novamente, desde a noite de sexta-feira (26).

O abastecimento de combustível ficou prejudicado em todo o país por conta da greve de caminhoneiros.

A situação das filas deve melhorar assim que as pessoas tenham conseguido abastecer seus veículos.

Entenda os 12 pontos do acordo entre governo e caminhoneiros

Os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Eduardo Guardia (Fazenda) e Carlos Marun (Secretaria de Governo) anunciaram há pouco, no Palácio do Planalto, que foi fechado acordo com entidades representantes dos caminhoneiros para suspensão dos protestos da categoria por 15 dias, quando as partes voltarão a se reunir.

Veja pontos do acordo:

–  Preço do diesel será reduzido em 10% nas refinarias e ficará fixo por 30 dias. Nesse período, o valor referência será de R$ 2,10 nas refinarias. Os custos da primeira quinzena com a redução, estimados em R$ 350 milhões, serão arcados pela Petrobras. As despesas dos 15 dias restantes ficarão com a União como compensação à petrolífera.

– A cada 30 dias, o preço do diesel na refinaria será ajustado conforme a política de preços da Petrobras e fixado por mais um mês.

– A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) vai contratar caminhoneiros autônomos para atender até 30% da demanda de frete. O governo editará uma medida provisória no prazo de 15 dias.

– Não haverá reoneração da folha de pagamento do setor de transporte rodoviário de cargas

– Tabela de frete será reeditada em 1º de junho e, a partir daí, ajustada a cada três meses pela ANTT

– Alíquota da Cide será zerada em 2018 sobre o diesel

– Isenção do pedágio para caminhões que circulam vazios (eixo suspenso)

– Ações judiciais contrárias ao movimento serão extintas

– Multas aplicadas aos caminhoneiros em decorrência da paralisação serão negociadas com órgãos de trânsito

– Entidades e governo terão reuniões periódicas a cada 15 dias

– Petrobras irá incentivar que empresas contratadas para transporte dêem oportunidade aos caminhoneiros autônomos, como terceirizados, nas operações de transporte de cargo

– Solicitar à Petrobras que seja observada resolução da ANTT 420, de 2004, sobre renovação da frota nas contratações de transporte rodoviário de carga

Nova adutora do Sistema Italuís começa a funcionar para reforçar abastecimento

A nova adutora do Sistema Italuís já está em operação. A conclusão da interligação foi feita com sucesso na madrugada do último sábado (19). Em um primeiro momento, o abastecimento para 600 mil pessoas em São Luís voltou a ser feito pela antiga adutora, como previsto. Depois, após os procedimentos necessários, a nova entrou em operação.

De acordo com a Companhia de Saneamento Ambiental (Caema), o ganho com a nova adutora será de 30% no abastecimento para os 159 bairros atendidos pelo Italuís.

Para fazer a interligação da nova adutora, foi preciso interromper o abastecimento entre os últimos dias 16 e 19. Agora, a previsão é que o morador passe a sentir melhoras no fornecimento de água.

A complexidade da obra envolveu a substituição de 20 quilômetros de tubulação na região do Campo de Perizes.

Com uma estrutura mais resistente, a nova adutora vai evitar os rompimentos frequentes que causam interrupções no abastecimento da cidade.

Ela foi construída com estrutura de aço de 1.400 milímetros – diferentemente da antiga, construída em ferro fundido de 1.200 milímetros e com boa parte da estrutura já degradada.

Como parte da obra, também foi feita a implantação de ponte de sustentação. A ponte tem 110 metros de comprimento, 16 metros de altura e pesa 350 toneladas.
Foi feita ainda a elevação da estrutura da adutora, evitando contato da tubulação com estuário de cunha salina (um ambiente aquático de transição entre um rio e o mar), comum na área.

A nova adutora conta também com novos mecanismos para manutenção, que permitem reparos na estrutura.

Caminho da água
Antes de chegar a São Luís, a água percorre um longo caminho. A água é captada no Rio Itapecuru, logo após a cidade de Bacabeira. Depois, ela é tratada em estação própria. Em seguida, percorre a adutora, que fica às margens da BR-135, até a câmara de transição situada no bairro do Tirirical.

Só depois de tudo isso a água é distribuída para os reservatórios nos bairros da capital.

O Novo Italuís em números

População beneficiada: 600 mil pessoas

Aumento de vazão para São Luís: 35% a mais em relação à antiga adutora

Distribuição: 500 litros a mais por segundo

Extensão da obra: 20 km de instalação de nova tubulação de aço em substituição à antiga, de aço

Vida útil da nova tubulação: pelo menos 40 anos

Trabalhos no sistema Italuís seguem dentro do previsto; caminhões-pipa fazem abastecimento prioritário

Os trabalhos de interligação da nova adutora do sistema Italuís começaram nesta quarta-feira (16) e se mantêm dentro do cronograma previsto. As obras vão até o início da tarde deste sábado (19). A partir daí, o abastecimento vai começar a voltar de forma gradativa aos 600 mil moradores que são abastecidos pelo Italuis.

A água não vai retornar ao mesmo tempo em todas as casas, pois ela percorre um longo caminho para chegar às diferentes regiões da cidade. Há bairros mais altos, por exemplo, que vão levar mais algum tempo para receber o abastecimento de volta.

A interligação da nova adutora está sendo feita para colocar fim às interrupções frequentes no abastecimento em São Luís, além de aumentar em torno de 30% o fornecimento de água para os 159 bairros atendidos pelo Italuís.

“O cronograma está transcorrendo bem. No sábado, a partir do meio dia, esperamos já ter água em São Luís para atender a população”, disse o presidente da Companhia de Saneamento Ambiental (Caema), Carlos Rogério.

Caminhões-pipa

Durante a quarta-feira, a Caema também colocou em circulação carros-pipa para levar água a alguns bairros, além de manter o abastecimento a pontos prioritários, como hospitais e postos de saúde.

Moradora da Rua Maria da Paz, no Sá Viana, Maria Lucia de Honorato diz que a água levada pelo caminhão-pipa ao bairro nessa quarta-feira ajudou a manter os cuidados com os dois netos que vivem com ela: “A Caema já veio aqui outras vezes trazer água no carro-pipa e gostei porque eu não vou ficar sem água”.

A Caema alerta, entretanto, que os caminhões-pipa não são suficientes para atender toda a população. O serviço apenas ameniza a falta de água em determinados bairros, em geral mais carentes. A água distribuída pelos veículos é para o consumo essencial.

Maria Cardoso, líder comunitária que está ajudando na distribuição para famílias do Sá Viana, diz que “tem muitas crianças e idosos, e são para essas pessoas que a gente vem trazer a água”.

“Sempre que tem essa oportunidade, a gente traz a água aqui para os moradores que são carentes de água”, acrescentou. “Na união de moradores, a gente já sabe quem são os mais carentes.  Foram 25 mil litros distribuídos aqui hoje.”

O diretor de Operações da Caema, André dos Santos Paula, diz que a distribuição da água foi feita para diversos órgãos públicos e alguns bairros. “Percebemos uma colaboração muito grande por parte da população, que reservou água para este período”, afirmou. Isso levou mais eficiência na distribuição da água.

Os caminhões-pipas vão continuar circulando até que o abastecimento seja retomado.

Interligação

Entre as atividades já concluídas nessa quarta-feira para interligar a nova adutora, estão a o esgotamento da estrutura e a desmontagem da junta mecânica. Essa fase foi necessária para dar início ao acoplamento da peça que faz a conexão e à implantação da subestação elétrica da captação de água bruta.

“Estamos rigorosamente dentro do prazo”, afirmou o presidente da Caema. “Com essa intervenção, vamos conseguir confiabilidade operacional, além de termos incremento de 30% a mais de água para a população.”

Carlos Rogério explicou que a opção de não descartar a adutora antiga ocorreu por razões estratégicas e financeiras. Quando a nova adutora estiver funcionando, a antiga ficará parada. Mas ela pode voltar a funcionar em caso de manutenção futura no novo sistema, por exemplo.

Isso garante mais segurança para o abastecimento da cidade. De acordo com o presidente da Caema, não faria sentido abrir mão de uma estrutura que, embora precária por falta de investimentos nas últimas décadas, demandou grandes investimentos e pode operar em caso de necessidade.

Caema fará abastecimento prioritário com caminhões-pipa durante parada do Italuís

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) vai disponibilizar 30 caminhões-pipa para abastecimento de água prioritário em São Luís. A medida visa diminuir os transtornos causados pela parada do Sistema Italuís, necessária para troca de uma subestação elétrica e interligação da nova adutora.

Mas a Caema alerta que, apesar dos caminhões-pipa, é fundamental que os moradores armazenem água antes. Os caminhões não têm como abastecer uma grande parcela dos moradores (veja abaixo os bairros atendidos pelo Italuís), por isso, é importante armazenar água. O Sistema atende 600 mil pessoas na capital. A nova adutora está sendo instalada para aumentar o abastecimento a essas pessoas.

A parada do Italuís será feita entre 0h desta quarta (16) e 13h de sábado (19). A água vai retornar gradualmente às residências. Como a água percorre diferentes caminhos e distâncias, a volta do abastecimento vai ocorrer em períodos diferentes, demorando mais principalmente nos bairros localizados em áreas mais altas.

“Vamos ter 30 caminhões-pipa para atender comunidades mais necessitadas e mais afetadas com a falta d’água”, diz o presidente da companhia, Carlos Rogério Araújo.

A ação conta com a parceria do Corpo de Bombeiros e, além de bairros mais carentes, o objetivo é garantir o abastecimento considerado essencial, como em hospitais, asilos e postos de saúde. O serviço dos caminhões-pipa oferecido pela Caema será gratuito e os veículos estarão identificados.

Outros serviços

Na segunda-feira (14), diretores e funcionários da empresa repassaram os últimos detalhes para a interligação da nova adutora e operação da subestação. No período, equipes da companhia estarão de plantão voltadas à ação.

“É uma intervenção de muita responsabilidade. São 86 horas de paralisação de inúmeras atividades. E nós fizemos toda uma programação para que não haja nenhuma falha, tendo em vista a população estar dando esse crédito, confiantes que vamos voltar com mais água, o que é o objetivo”, afirma o presidente Carlos Rogério.

No período também serão realizados outros serviços de manutenção e melhorias: “Estamos procurando fazer um trabalho inteligente. Já que vamos parar o Italuís por 86 horas, estamos aproveitando esse período para fazermos outras ações simultâneas, também muito necessárias ao abastecimento e esgotamento sanitário, como correção de vazamentos, entre outros”, completa o presidente.

Bairros abastecidos pelo Sistema Italuís:

ZONA 01
Centro; São Pantaleão; Madre Deus; Goiabal; Codozinho; Vila Bessa; Belira; Lira; Parte da Areinha; Macaúba; Apicum; Camboa; Vila Bangu; Diamante; Vila Passos; Coréia de Baixo; Coréia de Cima; Sítio do Meio; Alto da Boa Vista; Retiro Natal; Liberdade; Tomé de Sousa; Fé em Deus; Floresta; Retiro Natal e Monte Castelo.

ZONA 02
Apeadouro; Irmãos Coragem; Bairro de Fátima; Bom Milagre; Parque Amazonas; Alemanha; Caratatiua; Vila Ivar Saldanha; Alto da Vitória; João Paulo; Jordoa; Vila Palmeira; Barreto; Túnel do Sacavém; Santa Cruz; Vera Cruz; Cutrim; Radional; Coroado; Parque Pindorama; Parque do Nobres; Redenção; Barés; Filipinho; Sítio Leal; Sacavém; Coheb do Sacavém; Santo Antônio; Vila Conceição; Bom Jesus; Vila dos Frades; Parque Timbira; Alto do Parque Timbira; Primavera; Sítio do Pica Pau Amarelo; Coroadinho.

ZONA 04
São Cristóvão; Tirirical; Solar das Mangueiras; Parque Universitário; João de Deus; Sítio Pirapora; Vila Itamar; Parque Jaguarema; Parque Sielândia; Residencial Canaã; Alameda dos Sonhos; Vila Lobão; Parque Roseana Sarney; Santo Antônio; São Bernardo; Vila Brasil; Cohapan; Jardim São Cristóvão; Residencial João Alberto; Parque Sabiá.

ZONA 05
Alto do Calhau; Calhau; Cohafuma; Conjunto Basa; Ilhinha, Jaracaty; Jardim São Francisco; Loteamento Boa Vista; Loteamento Jaracaty; La ravardiere; Ponta D’Areia; Ponta do Farol; Residencial Novo Tempo; Recanto dos Nobres; Renascença I e II; Residencial Ana Jansen; São Marcos; São Francisco; Vila Conceição I e II; Av. Litorânea; Angelim Velho; Bequimão; Cohajoly; Cohama; Condomínio Villagio Esperança; Conjunto Angelim; Residencial Marfim; Conjunto Boa Morada; Conjunto Vinhais; Eco Villagio; Maranhão Novo; Parte do Primavera; Turu; Planalto Cohaserma; Planalto Vinhais I e II; Recanto Vinhais; Residencial Jaqueira; Residencial Vinhais II e III; Rio Anil; Vila Fialho; Villagio do Angelim; Vivendas da Cohama; Vinhais Velho; Olho D’água, Parte do Habitacional Turu.

ZONA 06
Jambeiro; Porto da Vovó; Sá Viana Novo; Sá Viana Velho; UFMA; Vila Bacanga; Vila Dom Luís; Vila Isabel; Vila Cerâmica; Vila Primavera; Vila Embratel; Vila Nova; Bonfim; Vila Verde; Fumacê; Anjo da Guarda; São Raimundo; Alto da Vitória; Gancharia; Vila São Luís; Vila Ariri; Vila Mauro Fecury I e II; Conjunto Taguatur.

Sistema Italuís volta a funcionar

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão – Caema, informou, por meio de nota, que s reparos na adutora do Sistema Italuís, que sofreu rompimento intempestivo na noite do último domingo (29), foram terminados às 15h50 desta segunda-feira (30) e o bombeamento do Sistema iniciado as 17h20.

O reestabelecimento do abastecimento é gradativo e sentido primeiramente nas áreas mais baixas.

Caema inicia Operação Caça Vazamentos

Para melhorar a prestação dos serviços e a vazão destinada aos usuários, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) iniciou a Operação Caça Vazamentos. A iniciativa é uma força tarefa para evitar perdas no abastecimento, descobrindo e eliminando possíveis vazamentos na rede de distribuição de água potável que não são detectados a olhos vistos, os chamados vazamentos não aparentes.

Por meio da técnica de “escuta” das redes de distribuição de água potável, com o apoio de equipamento específico para o controle ativo de vazamentos não visíveis, a Caema pretende reduzir drasticamente as perdas em relação a água produzida.

O trabalho consiste em percorrer as ruas dos bairros com haste de escuta (filtro de linha) e dos chamados “geofones eletrônicos”, que possibilitam escutar ruídos sob o chão, utilizando-se da prospecção do eco (barulho). Uma vez detectado o vazamento, com uma precisão milimétrica, é feita a marcação do ponto identificado, para que as equipes de manutenção possam reparar o vazamento.

A Operação Caça Vazamentos atingirá diretamente os bairros que são atendidos pelas cinco gerências de Negócios da Capital (Centro, Vinhais, Cohab, Anjo da Guarda e Cidade Operária), como explicou Eduardo Figueiredo Bustamante, da Gerência de Desenvolvimento e Controle Operacional da Caema (ODCD/DO), setor que coordena as atividades.

“As operações para identificar e retirar os vazamentos já estão sendo desenvolvidas há cerca de uma semana, com atividades iniciadas pelos bairros e localidades que compõem as gerencias do Centro e do Vinhais”, diz Eduardo Bustamante. “A equipe responsável pela identificação já apontou mais de uma centena de pontos de vazamentos não visíveis e, também, vazamentos aparentes. Nesta semana, nós iniciaremos também esta ação nas ruas da Cidade Operária”, relata Bustamante.

O trabalho já apresenta resultados práticos que contribuem para política de redução de perdas que a Caema vem desenvolvendo ao longo tempo. Somente no bairro do Vinhais, 25 grandes vazamentos não visíveis na rede de distribuição foram identificados.

As soluções para os vazamentos estão sendo executadas gradativamente. “Aqui no Vinhais, nós contamos com duas equipes integradas a esta operação, que de posse das informações coletadas pela equipe que faz a escuta com os aparelhos, vão até os locais indicados e adotam procedimentos que possam sanar este vazamento, mediante uma intervenção bem mais direcionada”, afirma o coordenador de Operação e Manutenção do Vinhais, Raimundo Ferreira.

A Operação Caça Vazamentos é apenas um dos pilares da empresa para melhoria da distribuição e garantia do abastecimento nos bairros. “Essa busca ativa resulta em pontos muito positivos, como por exemplo, antecipar a resolução do vazamento não aparente e impedir ou minimizar riscos que a ocorrência de vazamentos nas tubulações representam”, explica o presidente da Caema, Carlos Rogério Araújo.

Segundo o técnico da empresa B&B engenharia, Marcos Levi da Silva, entre os riscos evitados estão o aumento dos custos de produção e operação, a contaminação da água despressurizada na rede, mediante acesso de agentes nocivos ao interior da tubulação, além de danos ou degradação de vias devido a infiltrações de água, dentre outros. Por isso, o controle de perdas em sistemas de abastecimento de água deve ser permanente.

Além da força tarefa para conter vazamentos, a Caema intensificará o trabalho de combate a perdas com medidas estratégicas. A Companhia está investindo em tecnologias que permitam de forma rápida e moderna ajudar na operação, a exemplo da aquisição e, em breve, implantação de 22 macromedidores com telemetria (transmissão remota de dados), para melhor gerenciamento no abastecimento de zonas.

“Desta forma, é possível dar um ponta pé inicial para que possamos entrar na linha de geoprocessamento, apurar dados e coletar informações que facilitem o trabalho dos operadores. Também será possível, com o geoprocessamento futuro, analisar, planejar e prospectar resultados, dando maior direcionamento aos investimentos que possam potencializar resultados para o abastecimento como um todo”, explicou André dos Santos Paula, diretor de Operação Manutenção e Atendimento ao Cliente da Caema.

Como a população pode ajudar?
A população pode contribuir por meio do App Caema Mobile, aplicativo lançado recentemente pela Companhia que permite ao usuário solicitar, além de serviços de segunda via, documentos e certidões, informar vazamentos aparentes na rede de distribuição de água. A Caema disponibiliza, ainda, atendimento via call center, através do número 0800 7010 195.

Obras do Governo do Estado levam mais água às torneiras em Lagoa Grande

Moradores de Lagoa Grande, a 375 quilômetros de São Luís, agora têm mais acesso a água tratada, após reforma do Sistema de Abastecimento de Água da cidade pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema).

O novo sistema está em operação desde o último dia 8, quando o governador Flávio Dino e o diretor de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente da Caema, André de Santos Paula, visitaram a cidade para entregar o benefício à população.

Segundo a Unidade Especial de Planejamento e Políticas Públicas (UEP/Caema), a melhoria no abastecimento foi imediata com as obras, pois cresceu o volume de água que chega às casas.

Há impactos a longo prazo. A previsão é de que o aumento da vazão de água seja de 70% em relação a atual, com garantia de maior eficiência e segurança hídrica para até 2046.

Esses investimentos do Governo do Estado no Sistema de Abastecimento de Lagoa Grande impactam no desenvolvimento do município, reduzem custos de saúde e elevam a qualidade de vida da população.

Novo Sistema
As obras no Sistema de Abastecimento de Água foram executadas partir da captação. Um novo poço, de 431 metros de profundidade e vazão de 40.000 litros por hora, com captação subterrânea, foi perfurado.

O novo poço recebeu equipamento para adição de cloro na água à medida em que é bombeada. A vazão do novo poço se soma a de dois outros, que já abasteciam a cidade, e passaram por manutenção e lavagem de filtro.

A rede de distribuição também passou por melhorias, com aumento de extensão em aproximadamente 100%. A substituição de canos expandiu a rede para 16.510 metros e gerou 600 novas ligações domiciliares.

Com a ampliação da rede de Lagoa Grande, áreas da cidade que não tinham água nas torneiras passaram a ter. Outras, onde o abastecimento era precário, foi melhorado.

De acordo com o diretor da UEP, Alexandre Rebelo, o novo sistema mudou totalmente o acesso a água tratada na cidade: “Antes das obras no município, aproximadamente metade da população tinha acesso à água encanada, mas de forma descontínua”, contextualiza.

“Hoje, com a perfuração de um novo poço, reforma dos poços existentes e duplicação da rede de distribuição, casas que antes enfrentavam rodízios de cinco dias para receber água passaram a ter abastecimento constante”, explica Alexandre Rebelo.

Mais obras
As obras continuam. Será construído um grande reservatório elevado de concreto que vai aumentar em 125% o armazenamento de água potável para distribuição aos moradores de Lagoa Grande.

“Hoje o município conta com dois reservatórios que recebem 200 mil litros cada. O mais antigo entrará em desuso, mas sem prejuízos ao abastecimento, pois a capacidade do novo reservatório será de 300 mil litros”, diz Alexandre.

“A capacidade de armazenamento de água potável será incrementada, passando para 500 mil litros de água pura e tratada, com a adição do novo reservatório”, completa.

Rebelo afirma que a construção do novo reservatório resolve de forma definitiva os problemas no abastecimento de Lagoa Grande, atendendo a anseio antigo da população por um sistema mais eficiente.

De Secap.

Nota sobre novo desligamento do Italuís é falsa, diz Caema

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) esclareceu que a nota sobre um suposto desligamento do Sistema Italuís, que tem circulado em redes sociais e aplicativos de mensagens, é falsa.

O falso comunicado fala sobre uma nova interrupção no abastecimento de água, que seria feita à partir desta sexta-feira (22), o que foi desmentido pela assessoria do órgão responsável.

O Sistema Italuís está operando, segundo a Caema, com a adutora antiga, depois do problema apresentado com a nova adutora. Não há previsão para novo desligamento do Sistema.

Confira o comunicado oficial da Companhia de Saneamento:

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) informa que é falso o comunicado divulgado nas redes sociais de que haveria uma nova paralisação no Sistema Italuís. 

A Companhia reitera que informações oficiais são divulgadas constantemente em nosso site e redes sociais oficiais e que o usuário também pode checá-las por meio  de nosso atendimento 0800 701 0195.
Por fim, é de extrema importância que notícias divulgadas apenas com o intuito de causar pânico na população sejam fortemente combatidas.