Moradores devem armazenar água para usar durante parada do Sistema Paciência

Os moradores de São Luís que são abastecidos pelo Sistema Paciência (veja os bairros abaixo) devem armazenar água para usar no período em que a operação será interrompida – entre as 8h desta segunda-feira (4) e às 18h de terça-feira (5). A recomendação é da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema).

A parada será feita para colocar o novo Sistema Paciência em operação, o que vai beneficiar 150 mil pessoas na região da Cohab e do Cohatrac.

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) vai fazer manobras no Sistema Italuís para reduzir o impacto da interrupção do abastecimento, mas os moradores devem armazenar água porque haverá bairros sem atendimento.

Além de novos poços, o novo Sistema Paciência conta com elevatória de água para solucionar os pontos da região onde ainda há alguma deficiência na distribuição.

“Vamos atender a região com distribuição de água regular e diária, substituindo o antigo sistema por outro inteiramente novo”, explica o presidente da Caema, Carlos Rogério.

Dicas para armazenar água:

– É importante não deixar a água exposta ao sol, principalmente se for para ser bebida. A exposição ao sol altera o equilíbrio químico do líquido.

– Prefira deixar a água armazenada em lugares escuros e com temperaturas amenas.

– Na hora de escovar os dentes, deixe um copo de água ao lado da pia. Um total de 200 mililitros (quase um copo grande) é suficiente para enxaguar a boca e fazer gargarejos.

– É possível aproveitar a água de cozimento de alimentos, caso esteja quente para desengordurar a louça suja.

– A água da chuva pode ser utilizada, mas não para consumo humano.

Bairros abastecidos pelo Sistema Paciência:

Cruzeiro do Anil, Residencial Santos Dumont, Vila Militar (anil), Rancho Dom Luís, Conjunto Jaguarema, Conjunto Alvorada, Aurora, Conjunto Planalto Pingão (Aurora), Jardim São José (Aurora), Parque Guanabara (Aurora), Residencial Turmalina (Aurora), Residencial Tábata (Aurora), Residencial Planalto Anil IV (Aurora), Vila Noronha, Residencial Centauros (Aurora), Parque Icaraí (Aurora), Parque São Luís (Aurora), Forquilha, Parque das Acácias, Conjunto SMV, Residencial Granada, Conjunto Esmeralda, Conjunto São Bernardo, Parque Sabiá, Cohab Anil I, II II e IV, Residencial Planalto Anil I, II, III (Cohab), Jardim de Fátima, Jardim das Margaridas, Loteamento Casaca, Parque Aurora (Cohab), Vila Isabel Cafeteira (Cohab), Itapiracó, Cohatrac I,  Vilagio do Cohatrac V, Jardim Alvorada , Residencial Araçagy I (Cohatrac), Residencial Itaguará I, II, e III (Cohatrac), Residencial Primavera (Cohatrac), Residencial Santiago e Vila Humaitá (Cohatrac).

Caema inicia instalação de macromedidores para melhorar abastecimento

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) se prepara para começar, nos próximos dias, a instalação de aparelhos macromedidores com telemetria. Estes aparelhos serão responsáveis por enviar, em tempo real, informações sobre a vazão e a pressão do volume de água destinada para cada zona de abastecimento da capital.

Segundo a Gerência de Desenvolvimento e Controle Operacional, a implantação e uso deste tipo de aparelho vai permitir agilizar ações no combate a problemas de desabastecimento originado por diversos fatores, como por exemplo, uma possível despressurização nas redes em algumas localidades. Além disso, os aparelhos macromedidores também contribuirão para a utilização da vazão e volumes de água de forma mais eficaz, ajudando inclusive no combate a perdas.

O diretor de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente, André dos Santos Paula, assinala que os macromedidores são ferramentas importantes para que se possa combater perdas de água nas redes que a Caema opera em São Luís.

“A partir da utilização destes medidores e estudo dos dados coletados, a Caema poderá ter indícios de que a diminuição brusca de pressão ou da vazão pode significar perda ou fuga de água devido a problemas de vazamento nas redes”, explicou o diretor, reiterando que o benefício da rapidez se estende também a resolução do problema, seja intervenção para conserto das redes ou realização de manobras para envio de mais água para um determinado ponto.

A instalação efetiva dos aparelhos está prevista para ser iniciada no dia 4 de junho. “Os macromedidores foram confeccionados na Itália e, atualmente, já estão sendo preparados para serem enviados do estado de Minas Gerais, em direção ao Maranhão. Somente a aquisição destes equipamentos representa um investimento de cerca de R$ 1,2 milhões que a Caema está destinando em automação da leitura e gestão da vazão para modernizar esse processo e melhorar o envio de água para os bairros de São Luís”, comentou o gerente de Desenvolvimento e Controle Operacional, Eduardo Figueiredo Bustamante.

Ele explica ainda que, junto com os macromedidores, estão sendo adquiridos os softwares que irão possibilitar a compilação e o recebimento dos dados nesses pontos de macromedição. Todos os dados serão reunidos e acessados a partir de uma central. “Estes equipamentos são dotados de um chip que vai coletar e enviar esses dados pra nossa central, evitando, entre outras coisas, um custo que temos com deslocamento para averiguação destes dados in loco”, explica Eduardo Bustamante.

“Além da entrega e instalação dos equipamentos feito pela empresa fornecedora, ela ainda realizará treinamentos junto a nossas equipes de profissionais da Caema, para que todos envolvidos estejam capacitados e aptos a operar esse sistema”, acrescenta Bustamante.

Georreferenciamento

A Caema também vem desenvolvendo outro projeto que terá forte impacto positivo frente à modernização, automação e gestão de dados dentro da empresa. Um projeto piloto de geoprocessamento já está sendo finalizado e recebendo os últimos ajustes para começar a ser utilizado. O geoprocessamento tem a capacidade de ler o banco de dados dos diversos softwares que a Caema possui, como o de Energia, Poços, entre outros.

Segundo Bustamante, será possível cruzar diversas informações, como por exemplo, o cadastro técnico e comercial. Além disso, a ferramenta vai permitir trabalhar com essas informações de uma forma muito mais ágil. “É uma ferramenta de muito potencial. No momento, estamos estruturando o banco de dados do projeto. Também estamos estruturando um tutorial de 53 páginas que vai auxiliar os funcionários a utilizarem este programa a partir do mês de julho”, disse o gerente.

Sistema Italuís volta a funcionar

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão – Caema, informou, por meio de nota, que s reparos na adutora do Sistema Italuís, que sofreu rompimento intempestivo na noite do último domingo (29), foram terminados às 15h50 desta segunda-feira (30) e o bombeamento do Sistema iniciado as 17h20.

O reestabelecimento do abastecimento é gradativo e sentido primeiramente nas áreas mais baixas.

Sistema de Abastecimento de Água de Barra do Corda está parado por falta de energia, diz Caema

A Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão  (Caema) informa que encontra-se parado o Sistema de abastecimento de Água da cidade de Barra do Corda, por conta de blackout de energia elétrica que atinge toda a cidade. Tão logo o problema seja resolvido pela empresa responsável, o Sistema será reiniciado.

Dino entrega pacote de ações com estímulo ao trabalho, asfalto, água, sementes e verbas para a Saúde

O governador Flávio Dino levou um pacote de obras e investimentos a Codó nesta segunda-feira (16), quando a cidade completou 122 anos de fundação. Foram diversas áreas contempladas, incluindo asfalto, abastecimento de água, trabalho, agricultura e verbas para a Saúde.

“Estamos fazendo mais uma etapa do Mais Asfalto, ajuda na saúde, sementes para a agricultura familiar e outras ações. Estamos presentes em todas as áreas da cidade”, disse Flávio Dino.

Um dos destaques foi a entrega de 85 carrinhos e kits do Mais Renda. O programa capacita e profissionaliza trabalhadores informais para que se tornem microempreendedores. Eles passam por cursos e, no fim, recebem um kit e um carrinho para vender seus produtos. Em Codó, foram 60 kits e carrinhos para o ramo de alimentos, e 25 para o de beleza.

“Antes eu vivia fazendo faxina na casa de um e de outro. Hoje tenho como sobreviver com o meu carrinho para trabalhar e tirar a alimentação minha e dos meus filhos”, afirmou Mercia Poliana, que foi beneficiada com um carrinho.

O secretário de Desenvolvimento Social, Francisco de Oliveira Júnior, que está à frente do Mais Renda, conta que o programa já está presente em 13 cidades. “As pessoas aqui em Codó já foram capacitadas e a partir de hoje poderão manter suas famílias com seu próprio trabalho”, disse.

Verba para a saúde

Flávio Dino assinou uma portaria para repassar R$ 3,3 milhões para melhorar a Saúde de Codó. “Já temos uma UPA, mas vamos ajudar mais o município”, disse o governador.

Mais Água

O governador ainda inaugurou três Sistemas de Abastecimento de Água em comunidades que sofriam com a falta desse recurso natural. “O povo estava sentindo falta dessa água, agora nós estamos todos felizes”, afirmou o lavrador Antônio Domingo.

“Às vezes era uma da madrugada e eu tinha que acordar para poder apanhar água para dar banho nos filhos e botar para ir para a escola. Era muito difícil. Agora está uma maravilha”, contou Francisca de Andrade.

Sementes

A região de Codó também recebeu 13 mil quilos de sementes para apoiar os agricultores familiares. Em todo o Estado, são 521 mil quilos para esta safra.

“Na regional de Codó, nós atendemos cerca de dez municípios. Nós temos um grande programa, que é o Mais Sementes, que visa potencializar o trabalho na agricultura familiar. Entregamos as sementes no tempo certo, além de outros insumos como adubo e calcário”, diz  Loroana Santana, presidenta da Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão.

Asfalto

Também foi autorizado o início de uma nova etapa do Mais Asfalto. O prefeito Nagib Francisco lembrou que o programa já tinha passado pela cidade, pavimentando importantes ruas de Codó.

Ele citou diversas outras ações do Governo do Estado feitas em parceria com a prefeitura, incluindo Escolas Dignas, praça, construção do Núcleo de Educação Integral, poços e a construção do mercado central. “É um governador que governa para todos, principalmente para os esquecidos. Na contramão desta crise econômica no país, o governador Flávio Dino segue firme gerando emprego e renda.”

“Agradeço muito ao prefeito e à sua equipe, aos secretários, vereadores e todas as lideranças codoenses que estão aqui conosco, mostrando que o que precisamos hoje é de uma grande união”, disse Flávio.

Escola de Música

O governador Flávio Dino também entregou 30 instrumentos musicais para a nova Escola de Música do município, inaugurada nesta segunda-feira em Codó.

“Esses instrumentos eram o que estava faltando e vão ajudar na nossa qualificação de trabalho” diz Onilde de Souza, diretora do Instituto Maná. O projeto existe há 12 anos e atende 60 crianças. Com a doação dos instrumentos, o projeto será estendido para outras escolas do município.

O governador convidou as crianças do instituto para se apresentarem no Natal de Todos deste ano, em frente ao Palácio dos Leões.

Operação Baixada Livre garante acesso a água para comunidades da Baixada Maranhense

Na semana em que o mundo celebra o Dia Internacional da Água, o Governo do Maranhão realiza mais uma etapa da operação que assegura o livre acesso de comunidades tradicionais ao bem mais precioso do planeta, a água. A Operação Baixada Livre, que durante toda a semana libertou os campos da baixada maranhense dos cercamentos ilegais, devolveu às comunidades do município de Matinha o acesso aos campos inundáveis da baixada, principal fonte de vida da região.

A operação, coordenada pelas secretarias de estado do Meio Ambiente (Sema), Direitos Humanos e Participação Popular (Sedihpop), Agricultura Familiar (SAF), Igualdade Racial (Seir), Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPA), Batalhão de Bombeiros Ambiental (BBA), Policia Militar, Policia Civil, com o apoio da Cemar, retirou o total de 21,4km de cercas e aplicou 11 autuações, no território que compreende 1.600 hectares de terras, localizados em SesMaria do Jardim, composto pelas comunidades quilombolas de Bom Jesus, Patos e São Caetano.

A atividade teve caráter fiscalizador e também educativo, pois durante a operação foram feitos todos os procedimentos legais de notificação, autuação e também orientação dos proprietários de terras nas regiões próximas aos campos inundáveis, que embora façam parte do território de propriedade desses fazendeiros, permanecem sob proteção do estado, por meio do Decreto Estadual n º 11.900 de junho de 1991, que criou a Área de Proteção Ambiental (APA) da Baixada Maranhense.

“A utilização de cercas em áreas inundáveis, sobretudo as cercas com eletrificação, são de uso proibido conforme o novo código florestal. Por meio da lei federal nº 12.651 de 25 de maio de 2012, fica previsto pela que em áreas de preservação permanente a manutenção do perímetro mínimo de proteção seja de pelo menos 30 metros. Por isso a SEMA realizou os procedimentos administrativos como autos de infração e apreensão dos materiais que são usados nas práticas dos ilícitos ambientais. Os proprietários autuados tem o prazo legal de 20 dias para se defender e caso isso não ocorra, vão responder por uso de área indevida conforme a legislação ambiental”, esclarece o Superintendente de Fiscalização da Sema, Fábio Henrique Sousa.

Para o secretário Adjunto dos Direitos Humanos da Sedihpop, Jonata Galvão, a privação do uso da água às comunidades tradicionais interfere diretamente no seu modo de vida. “As comunidades tradicionais têm uma relação com a água, especialmente nos campos da baixada, que significam a vida, o trabalho, lazer, significa seu moo de vida. Garantir esse acesso é garantir que as pessoas tenham vida digna. A água não pode ser propriedade de ninguém, ela é pública, é de utilidade para todas as pessoas, especialmente para aquelas que dependem desse recurso hídrico para sua sobrevivência, sua cultura e também para seu modo tradicional de viver.”, ressalta o secretário.

Em 1991, a Organização das Nações Unidas divulgou a Declaração Universal dos Direitos da Água como forma de promover a reflexão acerca da importância da preservação dos recursos hídricos do planeta, bem como a sua utilização de forma racional. Em seu primeiro artigo a Declaração define a água como um patrimônio universal e em seu artigo oitavo, que a utilização desse recurso implica respeito à lei, pois o equilíbrio do nosso planeta depende da preservação da água e de seus ciclos.

O Secretário de Estado de Igualdade Racial, Gerson Pinheiro, afirma que a atividade do estado durante essa semana é um marco para a preservação da vida e da natureza no Maranhão. “É de fundamental importância que no dia mundial da água o estado do maranhão esteja fazendo essa ação, onde está se retirando as cercas e arames eletrificados dos campos naturais da baixada maranhense, principalmente essa ação que é feita no território de SesMaria dos Jardins, onde as comunidades quilombolas tinham sido impedidas de ter acesso a água e aos recursos dos campos naturais. Água não pode ser cercada, a água deve ser livre para a utilização da comunidade”, avalia.

Caema inicia Operação Caça Vazamentos

Para melhorar a prestação dos serviços e a vazão destinada aos usuários, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) iniciou a Operação Caça Vazamentos. A iniciativa é uma força tarefa para evitar perdas no abastecimento, descobrindo e eliminando possíveis vazamentos na rede de distribuição de água potável que não são detectados a olhos vistos, os chamados vazamentos não aparentes.

Por meio da técnica de “escuta” das redes de distribuição de água potável, com o apoio de equipamento específico para o controle ativo de vazamentos não visíveis, a Caema pretende reduzir drasticamente as perdas em relação a água produzida.

O trabalho consiste em percorrer as ruas dos bairros com haste de escuta (filtro de linha) e dos chamados “geofones eletrônicos”, que possibilitam escutar ruídos sob o chão, utilizando-se da prospecção do eco (barulho). Uma vez detectado o vazamento, com uma precisão milimétrica, é feita a marcação do ponto identificado, para que as equipes de manutenção possam reparar o vazamento.

A Operação Caça Vazamentos atingirá diretamente os bairros que são atendidos pelas cinco gerências de Negócios da Capital (Centro, Vinhais, Cohab, Anjo da Guarda e Cidade Operária), como explicou Eduardo Figueiredo Bustamante, da Gerência de Desenvolvimento e Controle Operacional da Caema (ODCD/DO), setor que coordena as atividades.

“As operações para identificar e retirar os vazamentos já estão sendo desenvolvidas há cerca de uma semana, com atividades iniciadas pelos bairros e localidades que compõem as gerencias do Centro e do Vinhais”, diz Eduardo Bustamante. “A equipe responsável pela identificação já apontou mais de uma centena de pontos de vazamentos não visíveis e, também, vazamentos aparentes. Nesta semana, nós iniciaremos também esta ação nas ruas da Cidade Operária”, relata Bustamante.

O trabalho já apresenta resultados práticos que contribuem para política de redução de perdas que a Caema vem desenvolvendo ao longo tempo. Somente no bairro do Vinhais, 25 grandes vazamentos não visíveis na rede de distribuição foram identificados.

As soluções para os vazamentos estão sendo executadas gradativamente. “Aqui no Vinhais, nós contamos com duas equipes integradas a esta operação, que de posse das informações coletadas pela equipe que faz a escuta com os aparelhos, vão até os locais indicados e adotam procedimentos que possam sanar este vazamento, mediante uma intervenção bem mais direcionada”, afirma o coordenador de Operação e Manutenção do Vinhais, Raimundo Ferreira.

A Operação Caça Vazamentos é apenas um dos pilares da empresa para melhoria da distribuição e garantia do abastecimento nos bairros. “Essa busca ativa resulta em pontos muito positivos, como por exemplo, antecipar a resolução do vazamento não aparente e impedir ou minimizar riscos que a ocorrência de vazamentos nas tubulações representam”, explica o presidente da Caema, Carlos Rogério Araújo.

Segundo o técnico da empresa B&B engenharia, Marcos Levi da Silva, entre os riscos evitados estão o aumento dos custos de produção e operação, a contaminação da água despressurizada na rede, mediante acesso de agentes nocivos ao interior da tubulação, além de danos ou degradação de vias devido a infiltrações de água, dentre outros. Por isso, o controle de perdas em sistemas de abastecimento de água deve ser permanente.

Além da força tarefa para conter vazamentos, a Caema intensificará o trabalho de combate a perdas com medidas estratégicas. A Companhia está investindo em tecnologias que permitam de forma rápida e moderna ajudar na operação, a exemplo da aquisição e, em breve, implantação de 22 macromedidores com telemetria (transmissão remota de dados), para melhor gerenciamento no abastecimento de zonas.

“Desta forma, é possível dar um ponta pé inicial para que possamos entrar na linha de geoprocessamento, apurar dados e coletar informações que facilitem o trabalho dos operadores. Também será possível, com o geoprocessamento futuro, analisar, planejar e prospectar resultados, dando maior direcionamento aos investimentos que possam potencializar resultados para o abastecimento como um todo”, explicou André dos Santos Paula, diretor de Operação Manutenção e Atendimento ao Cliente da Caema.

Como a população pode ajudar?
A população pode contribuir por meio do App Caema Mobile, aplicativo lançado recentemente pela Companhia que permite ao usuário solicitar, além de serviços de segunda via, documentos e certidões, informar vazamentos aparentes na rede de distribuição de água. A Caema disponibiliza, ainda, atendimento via call center, através do número 0800 7010 195.

Obras do Governo do Estado levam mais água às torneiras em Lagoa Grande

Moradores de Lagoa Grande, a 375 quilômetros de São Luís, agora têm mais acesso a água tratada, após reforma do Sistema de Abastecimento de Água da cidade pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema).

O novo sistema está em operação desde o último dia 8, quando o governador Flávio Dino e o diretor de Operação, Manutenção e Atendimento ao Cliente da Caema, André de Santos Paula, visitaram a cidade para entregar o benefício à população.

Segundo a Unidade Especial de Planejamento e Políticas Públicas (UEP/Caema), a melhoria no abastecimento foi imediata com as obras, pois cresceu o volume de água que chega às casas.

Há impactos a longo prazo. A previsão é de que o aumento da vazão de água seja de 70% em relação a atual, com garantia de maior eficiência e segurança hídrica para até 2046.

Esses investimentos do Governo do Estado no Sistema de Abastecimento de Lagoa Grande impactam no desenvolvimento do município, reduzem custos de saúde e elevam a qualidade de vida da população.

Novo Sistema
As obras no Sistema de Abastecimento de Água foram executadas partir da captação. Um novo poço, de 431 metros de profundidade e vazão de 40.000 litros por hora, com captação subterrânea, foi perfurado.

O novo poço recebeu equipamento para adição de cloro na água à medida em que é bombeada. A vazão do novo poço se soma a de dois outros, que já abasteciam a cidade, e passaram por manutenção e lavagem de filtro.

A rede de distribuição também passou por melhorias, com aumento de extensão em aproximadamente 100%. A substituição de canos expandiu a rede para 16.510 metros e gerou 600 novas ligações domiciliares.

Com a ampliação da rede de Lagoa Grande, áreas da cidade que não tinham água nas torneiras passaram a ter. Outras, onde o abastecimento era precário, foi melhorado.

De acordo com o diretor da UEP, Alexandre Rebelo, o novo sistema mudou totalmente o acesso a água tratada na cidade: “Antes das obras no município, aproximadamente metade da população tinha acesso à água encanada, mas de forma descontínua”, contextualiza.

“Hoje, com a perfuração de um novo poço, reforma dos poços existentes e duplicação da rede de distribuição, casas que antes enfrentavam rodízios de cinco dias para receber água passaram a ter abastecimento constante”, explica Alexandre Rebelo.

Mais obras
As obras continuam. Será construído um grande reservatório elevado de concreto que vai aumentar em 125% o armazenamento de água potável para distribuição aos moradores de Lagoa Grande.

“Hoje o município conta com dois reservatórios que recebem 200 mil litros cada. O mais antigo entrará em desuso, mas sem prejuízos ao abastecimento, pois a capacidade do novo reservatório será de 300 mil litros”, diz Alexandre.

“A capacidade de armazenamento de água potável será incrementada, passando para 500 mil litros de água pura e tratada, com a adição do novo reservatório”, completa.

Rebelo afirma que a construção do novo reservatório resolve de forma definitiva os problemas no abastecimento de Lagoa Grande, atendendo a anseio antigo da população por um sistema mais eficiente.

De Secap.

Água da nova adutora de Italuís começa a chegar no fim da tarde deste sábado

A Caema informa que concluiu os serviços de interligação da nova adutora do Sistema Italuís no fim da tarde desta sexta-feira (8), antecipando os serviços em 12h.

A primeira bomba foi ligada às 18h do mesmo dia e as outras bombas foram ligadas gradativamente, à medida que aconteceu a estabilização do sistema.

O período de 12h para enchimento da linha já foi cumprido e o consumidor poderá sentir água nas torneiras de forma gradativa, dos locais mais baixos pros mais altos, a partir do fim da tarde deste sábado (9).