Imperatriz terá rodízio de abastecimento de água

Duas das quatro bombas de captação de água do Rio Tocantins, para abastecer a cidade de Imperatriz, apresentaram problemas mecânicos. Os técnicos da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) estão neste momento diagnosticando o problema e buscando solução para ele. O trabalho se estende até a solução definitiva.

O fato de o Rio Tocantins estar em situação crítica, com nível baixo de águas, agrava o cenário, obrigando a cidade a entrar em sistema de rodízio de abastecimento de água, a partir desta quinta-feira (12).

Um terço da cidade ficará alternadamente sem água. A cidade foi dividida em três setores para o rodízio.

O setor 1 ficará sem abastecimento entre 12h e 23h59 desta quinta-feira (12). O setor 2 ficará sem abastecimento entre 0h e 23h59 da sexta-feira (13). E o setor 3 ficará sem abastecimento entre 0h e 23h59 do sábado (14).

No domingo, a sistemática se repete, com os mesmos horários e a ordem entre os setores – até que o abastecimento esteja normalizado.

Neste período, é importante que os moradores economizem e guardem água para os dias em que ficarão sem abastecimento.

Os técnicos da Caema vão manter a população constantemente informada sobre o andamento da solução para o problema.

Veja abaixo a divisão entre os setores:

Setor 1
Centro, Bacuri, Parque do Buriti, Parque Anhanguera, Vila Leandra, Porto da Balsa, Beira Rio, Juçara, Mercadinho, Rodoviária, Três Poderes, Maranhão Novo, Nova Imperatriz (parte), Cristo Rei e adjacências.

Setor 2 
Santa Rita, Asa Norte, Bonsucesso, Novo Horizonte, Parque Independência, Santo Amaro, Sol Nascente, Cinco Irmãos, Santa Inês, Nova Imperatriz (parte) e adjacências.

Setor 3 
Vila Lobão, Vila Redenção, Entroncamento, Jardim Tropical, Parque das Estrelas, Brasil Novo, Parque das Palmeiras, Vila Cafeteira, João Castelo, Parque Amazonas, Vila Ipiranga, São José, Imigrantes, Vila Macedo, Planalto, Parque Sanharol, Ayrton Senna, Santa Lucia,  Vila Fiquene, Parque Alvorada I e II, Vilinha e adjacências

83 mil pessoas beneficiadas com abastecimento d’água

Seis municípios receberão trabalhos de melhoria e implantação de rede e ligação predial no sistema de água. Nesta terça-feira (11), o governador Flávio Dino assinou ordens de serviço para a execução do Programa de Recuperação de Sistemas de Abastecimento de Água (PRS) nas cidades de Barreirinhas, Colinas, Dom Pedro, Duque Bacelar, Miranda do Norte e Santa Rita. As obras serão realizadas pela Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) e beneficiarão 83 mil maranhenses.

A solenidade de assinatura reuniu prefeitos, vereadores, secretários municipais e lideranças políticas das seis cidades no Palácio dos Leões. Com investimentos de cerca de R$ 10 milhões nos municípios contemplados nesta fase – incluindo Presidente Dutra que teve ordem de serviço assinada há 10 dias – o PRS integra as ações que estão sendo desenvolvidas pela Caema, por intermédio do ‘Água Para Todos’, e visa elevar a oferta de água potável aos lares maranhenses, sanando problemas históricos de falta d’água que afeta centenas de famílias.

Em seu discurso, o governador Flávio Dino reforçou que essa era uma demanda antiga da população destes seis municípios, e enfatizou que “por trás dessa obra física existe uma obra invisível atinente ao reequilíbrio da Caema”. Ele lembrou que a Companhia era uma empresa totalmente inviável, que consumia mais de R$ 120 milhões ao ano ao Governo do Estado e tinha zero capacidade de investimento, mas a atual gestão está na busca obstinada para retomar a credibilidade e a expansão das obras de saneamento.

“Nós conseguimos praticamente alcançar esse ponto de equilíbrio. Esse déficit que já foi de R$ 120 milhões ano, hoje é de R$ 20 milhões, uma queda significativa. E conseguimos compor essa cesta de investimentos com várias fontes, e estamos distribuindo em alguns programas fundamentais, qual seja o PRS, que tem como alvo, sobretudo, as 139 cidades que são concessionárias da Caema”, reiterou.

O governador citou ainda que o PRS faz parte do amplo programa de acesso à água no Maranhão, que conta ainda com a implantação dos sistemas de abastecimento nas 30 cidades do Plano de Ações Mais IDH, a construção de poços nas zonas rurais dos municípios e a instalação de cisternas para captação. “Essa é a principal ação de saúde do nosso Governo”, destacou, enumerando dezenas de obras em hospitais por todo o Maranhão, mas explicando que “temos indicadores alarmantes de uma série de doenças que derivam exatamente da falta de saneamento básico”.

O presidente da Caema, Davi Telles, explicou que os trabalhos terão entre quatro a seis meses de execução e são obras que vão desde a recuperação nos sistemas produtores, seja de captação subterrânea, isto é, mediante a perfuração ou recuperação de poços, ou seja, os sistemas de captação superficial direta nos leitos do rios. “Além disso, vamos recuperar os reservatórios que já existem e implantar novos, ampliar rede de distribuição, e aí são muitos quilômetros em cada cidade, fazer novas ligações domiciliares de água e implantar medidores e hidrômetros, para evitar com que as perdas de água possam acabar gerando falta de abastecimento nestas cidades”, explicou.

Ele disse ainda que essas ordens de serviços significam um conjunto importante de municípios que passarão pela recuperação de sistemas dentro do Programa ‘Água para Todos’, ajudando cidades que sofrem com desabastecimento há muitos anos. “Aproximadamente 110 sistemas sucateados serão recuperados. Hoje são cidades prioritárias, porque tem problema gravíssimo de água, que geram doenças de veiculação hídrica. Então, o governador Flávio Dino determinou prioritariamente que nós façamos ações nestas cidades para atenuar os problemas para a população destes municípios”, frisou Davi Telles.