Imesc aplica novas metodologias de pesquisa em municípios do Bioma Amazônico Maranhense

A Limnologia é a pesquisa científica das extensões de água doce (pântanos e lagos, por exemplo) que verifica as dimensões e concentração de sais e nutrientes presentes nas águas em relação aos fluxos de matéria e energia, além de estudar suas comunidades bióticas. O estudo é uma das linhas de frente do Zoneamento Ecológico-Econômico do Maranhão (ZEE-MA), e contou com uma equipe técnica que aplicou novas metodologias de pesquisa em dois municípios maranhenses: Rosário e Axixá.

O Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc), que gere o ZEE-MA, recebeu o Profº Dr. Clovis Ferreira do Carmo, do Instituto de Pesca de São Paulo.

O professor apresentou à equipe técnica do ZEE-MA as novas metodologias que serão utilizadas no zoneamento do Maranhão, explicando detalhes sobre os tipos de sonda que podem ser aplicados em campo e, ainda, quais serão as análises que podem ser feitas das águas dos rios do Bioma Amazônico.

As metodologias expostas na apresentação foram aplicadas na-feira (11), nos municípios de Rosário e Axixá. Segundo o chefe do departamento de estudos ambientais do Imesc, Ribamar Carvalho, nos locais foram feitas coleta de água e análise de indicadores. “A coleta servirá para que possamos ter os indicadores necessários para identificar quais os principais contaminantes e a qualidade dessa água”, afirmou Ribamar Carvalho. A visita será estendida para todas as nove bacias pertencentes ao Bioma Amazônico Maranhense.

De acordo com o coordenador estadual do ZEE-MA, Luiz Jorge Bezerra Dias, quando o ZEE-MA apresenta possibilidades de trazer um marco analítico das águas continentais, sejam elas de ambientes de lagos ou rios [que compõem nossas bacias hidrográficas], poderá permitir que, nos próximos anos, haja condições de se tratar melhor das condições físicas, químicas e biológicas dos ambientes presentes no contexto territorial do Maranhão.

“Sem essa metodologia inovadora de criação de um marco para monitoramento, controle e fiscalização da qualidade das nossas águas, nós não teríamos condições de manter nossos rios com saúde e com quantidade de água suficiente para abastecimento público de águas para as próximas décadas”, pontuou Luiz Jorge.

O coordenador reforça o potencial inovador atrelado ao ZEE-MA e a aplicação destas novas metodologias. “O ZEE-MA traz essa possibilidade inovadora de inteligência territorial agregada ao valor social da água, para que possamos ter nesse elemento (os recursos hídricos) um potencial de integração de vários outros elementos, sobretudo socioeconômicos, num contexto que é ao mesmo tempo de uso social e econômico e de proteção destes recursos remanescentes”, acrescentou.

Sobre o ZEE

Instrumento de orientação para a formulação e espacialização das políticas públicas de desenvolvimento sócio-produtivo e ambiental do Estado, a elaboração do Zoneamento Ecológico-Econômico produzirá o ordenamento territorial do Maranhão, assim como servirá para as tomadas de decisões de investimento dos agentes públicos e privados.

Governo envolve comunidades na elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI)

Como parte das ações de Elaboração do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI), o Governo do Maranhão está realizando as Oficinas de Leituras Comunitárias. Nesta quinta-feira (8), as oficinas serão promovidas, simultaneamente, nos municípios de Rosário e Icatu. Nesta quarta-feira (7), receberam a ação os municípios de Cachoeira Grande e Presidente Juscelino.

Na terça-feira (6), a oficina foi realizada no município em Axixá com a participação de cerca de 60 pessoas. Elas dialogaram com gestores e técnicos do Governo do Maranhão sobre temas envolvendo microcrédito, pesca e agricultura artesanal, saneamento básico, situação sociodemografica, econômica e territorial do município.

Coordenadas pela Secretaria de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), em parceria com o Instituto Maranhense de Estudos Socioeconômicos e Cartográficos (Imesc) e a Agência Estadual Metropolitana (AGEM), as oficinas serão realizadas nos 13 municípios que compõem a Região Metropolitana de São Luís.

Entre os participantes da oficina, em Axixá, estão professores e lideranças comunitárias, técnicos da AGEM, Imesc, Secid, secretários municipais de Axixá, o diretor executivo do Consórcio das Messoregião do Norte e Leste Maranhense (Conlest), Ozenildo Pereira e representantes do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Axixá.

Para o secretário adjunto de Assuntos Metropolitanos da Secid, José Antônio Viana, a realização dessas atividades é importante pois ajuda a integrar os municípios que formam a Região Metropolitana de São Luís.

A elaboração do PDDI é parte de um processo dinâmico e permanente de planejamento da Região Metropolitana da Grande São Luís, voltado para nortear as ações e políticas públicas de curto, médio e longo prazo. As atividades de elaboração acontecem em duas fases. A primeira é o Diagnóstico Sociodemográfico, Econômico e Territorial. A segunda fase é voltada para o planejamento e prognósticos das metas e atividades.

O presidente da Agência Metropolitana, Pedro Lucas Fernandes, disse que as oficinas de leitura fazem parte de uma fase fundamental da elaboração do PDDI. “É nesse momento que são discutidos problemas e soluções que venham sanar questões regionais”.

“Essa oficina é um momento das comunidades fazerem questionamentos e discutirem demandas como agentes de transformação para que o texto do PDDI seja o mais próximo possível da realidade”, afirmou o professor doutor do Imesc, Antonio José Ferreira.

Representando o município de Axixá, a chefe de Gabinete, Nelma Celeste Marques, disse que foi apresentado uma radiografia do município por meio dos cinco eixos. “A população está participando e, juntamente com as equipes técnicas municipal e estadual, traçando diretrizes que possam consolidar Axixá na rota do turismo, integrando políticas públicas, impulsionando a economia e promovendo melhor qualidade de vida a população da região”, disse.

Mais informações do calendário de programação estão disponíveis no site www.secid.ma.gov.br/pddi.

Oficinas

O objetivo das Oficinas de Leitura Comunitária é apresentar e debater com a sociedade civil e instituições a situação atual e as relações que se estabelecem entre os municípios da Região Metropolitana.

Mais de 50 técnicos e pesquisadores estão mobilizados no levantamento de dados e informações em pesquisas de campo, realização de entrevistas e aplicação de questionários, com observação direta intensiva e registro fotográfico, para organização das informações que serão discutidas e complementadas pela comunidade, construindo uma visão compartilhada dos problemas e potencialidades de cada município da Grande São Luís.

Bibliotecas do Iema recebem mais de 23 mil livros

O Governo do Maranhão distribuiu para as sete unidades do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (Iema), coordenado pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), um acervo de mais de 23 mil livros paradidáticos, contemplando, dessa forma, a escola em São Luís, Bacabeira, Pindaré-Mirim, São José de Ribamar, Axixá, Coroatá e Timon.

O investimento no acervo da Rede Bandeira Tribuzi de Bibliotecas do Iema é superior a R$ 2 milhões. De acordo com o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Jhonatan Almada, a entrega dos livros vem para contribuir, ainda mais, com o ensino de excelência ofertado pelo Instituto. “Faz parte do modelo do Iema a implementação da biblioteca escolar com as condições de infraestrutura, acervo e o profissional da biblioteconomia atuando para que a biblioteca seja viva e funcional, e, de fato, tenha impacto no aprendizado dos estudantes. Adquirimos esse acervo com o objetivo de que esses estudantes, ao acessarem essas obras, possam ter à sua disposição os conteúdos de aprendizado da base nacional comum e base técnica de cada curso que realizam conosco”, disse Almada, reiterando que o acervo é muito rico e diversificado e que contempla também a parte do conhecimento de literatura brasileira e estrangeira.

“Tudo isso tem o objetivo de estimular a leitura por parte desses estudantes. Cada biblioteca desenvolve um conjunto de ações vinculadas à Rede Bandeira Tribuzzi de Bibliotecas do Iema, e com esse novo acervo essas atividades serão muito mais interessantes e mais ricas para nossos estudantes”, acrescentou.

Segundo o pró-reitor de Ensino do Iema, Elinaldo Silva, no momento em que a escola passa a ser um ambiente favorável ao ato de ler, a tarefa de formar leitor se torna mais fácil. “É de grande importância que as instituições de ensino tenham infraestrutura adequada no sentido de promover a leitura entre as crianças. Nesse sentido, o Governo do Maranhão, por meio da Secti, investe em acervos tendo em vista que a grande parte dos estudantes só consegue entrar em contato com materiais de leitura quando frequenta a escola. Assim, fazemos de nossas bibliotecas nas unidades plenas um espaço para que os estudantes possam ler e ter mais contato com a grande diversidade de nosso acervo”, contou.