Carnaval de Todos tem zero ocorrências pelo quarto ano consecutivo

Mais um ano do Carnaval de Todos sem ocorrências no circuito oficial na Região Metropolitana de São Luís. Desde o início da gestão do governador Flávio Dino, o carnaval no Maranhão é de alegria, paz e muita segurança. Quem escolheu os circuitos Joãosinho Trinta (Beira-Mar), Madre Deus, Praça da Lagoa (Lagoa da Jansen) e Passarela do Samba curtiu a folia amparado pelas Polícias Civil, Militar e Corpo de Bombeiros, que garantiram a tranquilidade dos foliões.

Foram mais de sete mil policiais destacados para os circuitos em todo o estado. Dessa forma, pelo quarto ano consecutivo, a festa organizada pelo Governo do Maranhão registrou zero ocorrências. Os dados foram divulgados em coletiva realizada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP), nesta quinta-feira (15), na sede da SSP, bairro Vila Palmeira. A estatística corresponde ao período da programação carnavalesca, de 9 a 13 de fevereiro.

O secretário de Segurança, Jefferson Portela, reforçou as estatísticas das polícias reafirmando que “não houve qualquer registro de mortes violentas ou outros crimes no circuito oficial do Carnaval de Todos, na capital. Os procedimentos adotados vão se repetir nas demais datas festivas ao longo do ano, para que o cidadão aproveite as datas com toda a segurança”.

Resultado das operações no período em todo o Maranhão, a Polícia Militar realizou 126.467 abordagens, sendo 63,7 mil na Região Metropolitana de São Luís, incluindo veículos (carros, motos, ônibus, vans, táxis e outros), pessoas e estabelecimentos comerciais.

Integrando as ações policiais de rotina, que além do circuito cobriu ainda os bairros, a polícia apreendeu 80 armas de fogo, sendo 11 na capital; 487 armas brancas; e mais de 1,6 mil porções de drogas diversas (maconha, crack e ‘loló’). A Polícia Militar registrou 158 acidentes de trânsito em todo o estado, 13 deles aconteceram na Grande Ilha; e mais de 3,1 mil infrações de trânsito em todo o estado.

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Frederico Pereira, destacou o empenho dos policiais nas ações realizadas. “Foi um trabalho iniciado muito antes do carnaval, que contou com todo o efetivo das polícias de prontidão e resultou na tranquilidade das festas”, pontuou o comandante geral da Polícia Militar, coronel Frederico Pereira.

A Polícia Civil prestou apoio às operações atendendo a comunidade nas delegacias de bairros e plantões que funcionaram 24 horas durante as festas. “Todo o grupamento da corporação esteve atento neste que é um dos períodos mais movimentados na capital e interiores, mas, que felizmente, em mais um ano, não tivemos registros de violência”, destacou o delegado geral de Polícia Civil, Leonardo Diniz.

O Corpo de Bombeiros também estava a postos no atendimento em casos de incêndios, salvamentos e outras eventualidades.

A coletiva com o balanço sobre as ações de segurança durante o carnaval também teve a participação do subcomandante geral de Polícia Militar, coronel Jorge Luongo; do comandante de Policiamento Metropolitano da Área I (CPAM I), coronel Pedro Ribeiro; do comandante geral do Corpo de Bombeiros, coronel Célio Roberto Araújo; demais comandos de batalhões militares; da titular da Patrulha Maria da Penha, coronel Maria Augusta de Andrade; do gestor da Estatística da Segurança, Hilmar Nogueira Costa.

Lei Seca

O policiamento atuou com firmeza no cumprimento das normas da Lei Seca. Nas fiscalizações, o comando do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRV) da Polícia Militar abordou 4.516 veículos; 4.236 testes de bafômetro foram realizados (280 conduzidos por se negarem a fazer o teste); 332 carteiras de habilitação recolhidas; 140 conduções à delegacia, sendo 112 por embriaguez ao volante, 13 por alcoolemia e 15 por outros motivos; duas prisões; e 337 casos enquadrados nesta lei. “Aplicamos o que rege a lei com tratamento igualitário e com educação, sempre, averiguando e penalizando”, reforçou o comandante da BPRV, Augusto Magalhães.

Lei Maria da Penha

O período também foi de mobilização e articulações da rede de proteção à mulher para combate à violência e crimes de gênero como assédio, estupros e outros.  A Delegacia da Mulher atuou com apoio da Patrulha Maria da Penha e manteve plantão especial para atender este público durante o carnaval. Totalizaram 78 atendimentos, 47 medidas protetivas decretadas, 75 boletins de ocorrência registrados e três prisões em flagrante cumpridas. “Temos a comemorar este que foi um evento sem registros de homicídio de mulheres e de grande gravidade. Reforçamos que a delegacia e todo o sistema de Segurança estão à disposição da mulher vítima de violência para proteger, prevenir e impedir ocorrências”, enfatizou a coordenadoria das Delegacias de Atendimento e Enfrentamento à Violência contra a Mulher (Codevim), delegada Kazumi Tanaka.

‘Foi o maior carnaval em décadas’, diz Flávio Dino sobre festa no Maranhão

As multidões que tomaram as ruas do Maranhão fizeram deste o maior carnaval da história recente do Estado. “Foi o maior em décadas”, disse o governador Flávio Dino nesta quinta-feira (15) por meio das redes sociais.

O Carnaval de Todos promovido pelo Governo do Maranhão foi um sucesso de público em São Luís. No interior, muitas cidades, como Imperatriz, também tiveram apoio do Estado para fazer as festas.

“Ano passado estreamos o novo modelo, que se consolidou neste ano. E 2019 será ainda melhor”, disse Flávio, referindo-se aos novos circuitos, inclusive o Joãosinho Trinta, na Beira Mar, que se tornou a sensação desta edição.

“Coloca os artistas do Maranhão em papel central; e tem grande investimento em Segurança”, acrescentou.

“Agora no Maranhão temos um calendário de grandes eventos, para proveito dos maranhenses e de turistas. Temos programação de Natal e Réveillon; pré-carnaval e carnaval; festas juninas; Museu do Reggae com sua agenda.”

O governador também ressaltou os grandes investimentos em infraestrutura, o que estimula o turismo e a economia. Entre eles, estrada para Santo Amaro, ligação entre Lençóis e Delta do Parnaíba e avanço na despoluição das praias e da Lagoa da Jansen.

“Estamos também recuperando prédios históricos, com recursos próprios, a exemplo do Forte Santo Antônio e da estação ferroviária da Reffsa. E agradecemos aos investimentos de parceiros via PAC Cidades Históricas, como Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) e a Prefeitura de São Luís”, disse.

“Tudo isso significa dizer que estamos impulsionando a economia criativa, assentada na cultura e no turismo, como caminho para geração de trabalho e renda. E o mais importante: acreditamos no povo do Maranhão”.

Foliões aprovam segurança nos circuitos do Carnaval de Todos 2018

Todos os pontos de acesso para os circuitos do Carnaval de Todos 2018 foram monitorados pela Polícia Militar do Maranhão (PMMA). Para garantir a segurança dos foliões maranhenses e dos turistas, a polícia realizou revistas, evitando a entrada de drogas, armas e materiais cortantes, como garrafas de vidro. Todo esse trabalho resultou na aprovação do público.

Nestes espaços foram realizadas rondas, abordagens e fiscalizações. Houve um planejamento envolvendo todas as equipes da Polícia Militar com acompanhamento da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur), que organiza a festividade.

No trecho compreendido entre a Praça Maria Aragão e a Casa do Maranhão (Circuito Beira Mar), espaço tomado por milhares de foliões, a professora universitária, Maria Tereza Seabra, que curtiu a Festa de Momo com um grupo de amigos, ressaltou sobre a segurança no circuito.

“Eu estou achando muito legal. Me sinto segura e alegre nesta festa maravilhosa. Uma festa que integra muita gente fantasiada e muita energia boa. O circuito está bem legal! Estamos pegando o ritmo para ter um dos melhores carnavais do Brasil”, avalia.

O folião Fábio Costa, cozinheiro, colocou a fantasia e caiu na festa sem medo da multidão. Ele gostou tanto, que ainda deu sugestão para ampliação do horário de festa no próximo ano.

“Está muito bom. Ano que vem poderiam colocar blocos a partir de 10h da manhã, porque está sendo realmente um carnaval de todos. Não vi uma briga nesses dias de festa. Tudo correndo dentro da melhor forma possível, em uma estratégia genial de blocos”, comenta.

O médico veterinário, Hallef Trovão, que costuma se precaver quando vai enfrentar a multidão, disse não ter se preocupado em ter ido à festa com os acessórios que utilizava, como cordão, relógio e anel. Segundo ele, por ter se sentido seguro dentro do circuito da folia.

“O fato de eu estar com esses acessórios, representa o tanto que eu vim tranquilo. Apesar dessa onda de violência que o nosso Brasil sofre, o nosso carnaval está muito seguro. Aprovei o nosso policiamento”, destaca.

Quem estava no circuito para trabalhar, principalmente nas barracas de vendedores ambulantes, lida com dinheiro vivo durante todos os dias de festa e diz que além da segurança, o lucro tem sido significativo, como é o caso do Jorge Henrique Lima Garcês, de 51 anos, que estava vendendo batata frita e guaraná.

“Esse carnaval está sendo muito bom para mim e para quem está aqui brincando. Além de eu me sentir seguro para trabalhar, eu ainda estou faturando bem. Uma média de R$ 400 por dia”, comemora o vendedor.

Para que a segurança fosse garantida, o cadete da Polícia Militar do Maranhão, Claudir Everton, presente no circuito, falou da estratégia em distribuição dos policiais nos pontos de acesso e ao longo do circuito.

“Estamos presente em diversos pontos, não deixando nenhum local descoberto. As patrulhas realizam barreiras com abordagem, evitando entrada de entorpecentes como armas brancas que possam colocar em risco os foliões”, reintera.

Bairros seguros 

Além do policiamento intensificado nos circuitos de festa no Circuito Beira Mar e na Madre Deus, o Governo do Estado mantém as ações de rotina nos bairros, reforçando o policiamento nas localidades que realizaram eventos.

As rondas em viaturas e motos cobriram toda a Região Metropolitana de São Luís, nos dias de programação. Completaram o esquema de segurança equipes da Prefeitura de São Luís com a Blitz Urbana, Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc) por meio da Guarda Municipal e a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT).

Programação na Passarela do Samba garante animação no último dia do Carnaval de Todos

Na Passarela do Samba, os cinco dias de folia momesca reuniu foliões de todas as idades, entre brincantes das agremiações carnavalescas, manifestações culturais e público das arquibancadas, camarotes, frisas, Espaço Preferencial e entorno. Com a alegria do público e a beleza das apresentações, a programação da Passarela do Samba Chico Coimbra no Carnaval de Todos 2018, promovido pela Prefeitura de São Luís e Governo do Maranhão, encerrou-se nesta terça-feira (13).

O secretário municipal de cultura, Marlon Botão, celebrou o saldo positivo da festa. “Mais um ano que se fecha o carnaval com muitos motivos para comemorar. Foi uma festa com muita segurança, participação da população e nenhuma ocorrência negativa registrada. O público abraçou a Passarela do Samba e mais uma vez foi um sucesso”, ressaltou.

O encerramento do Carnaval na passarela contou com desfile de Tribos de Índio, Blocos Afros e show com intérprete da Estação Primeira de Mangueira, do Rio de Janeiro, Ciganerey, e as passistas Angele Miranda e Flávia Torres, acompanhados da Bateria da Favela do Samba.

“Para mim é uma honra voltar a São Luís. Este ano, tive a grata satisfação de abrir o Carnaval no Mato Grosso do Sul e agora encerrar o período momesco na capital maranhense. É a primeira vez que canto com a Bateria Carcará da Favela do Samba, mas com certeza fizemos um grande espetáculo”, frisou Ciganerey, intérprete da Mangueira no Rio de Janeiro.

Um dos momentos mais emocionantes da noite foi a despedida do Locutor Oficial da Passarela do Samba, Franck Matos, o criador do jargão “Sinal verde”, após 35 anos no comando do carnaval de Passarela. Na oportunidade, o radialista Karllos Roger entregou, em nome da Secretaria Municipal de Cultrua (Secult), uma comenda em homenagem ao trabalho desenvolvido. O último “Sinal Verde” deu passagem para o grupo afro “Oficina Affro”, encerrando os desfiles da Passarela 2018. Franck destacou que viu o grupo nascer e não poderia encerrar de forma mais honrosa, ao lado de colegas que fazem o carnaval de passarela e do grupo batalha pela cultura do nosso Estado.

“Vocês não podem imaginar a satisfação que tenho após esses 35 anos de jornada de concluir este trabalho que tanto me orgulho de ter feito parte. É um momento louvável, exatamente minha última terça-feira gorda de carnaval. Me despeço e apago em definitivo o sinal verde da Passarela do Samba. A todos muito obrigado pelo carinho e oportunidade com este apresentador”, agradeceu o locutor, que iniciou o comando do carnaval na Praça Deodoro, em 21 de fevereiro de 1982.

“Apesar de ludovicense, é a primeira vez que participo do Carnaval de Passarela e vim no encerramento para conferir o show. Todos os anos viajava no carnaval, mas esse ano a programação dos circuitos oficiais me chamou atenção, foi ampliada e teve até convidados nacionais”, enfatizou o folião Eyder Figueiredo, estudante da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

NÚMEROS

Durante o Carnaval de Todos, 87 agremiações carnavalescas desfilaram no sambódromo.
Das 87 agremiações carnavalescas que desfilaram no sambódromo, 51 concorrem no Concurso de Passarela, promovido em parceria com a Liga das Escolas de Samba do Maranhão (LIESMA), Associação Maranhense de Blocos Carnavalescos (AMBC) e Academia de Blocos Tradicionais do Maranhão (ABTEMA). Além disso, 45 grupos de tambores de crioula se apresentaram no entorno durante os cinco dias de evento, recepcionando ludovicenses e turistas.

Na campanha solidária da Prefeitura de São Luís, a bilheteria arrecadou aproximadamente 12 mil toneladas de alimentos não perecíveis que serão destinados a hospitais públicos da capital, beneficiando centenas de famílias.

A Corte Momesca, composta por Danilo Cristiam (Rei Momo), Nyna Gracyelle (Rainha), Rayane Moraes (1ª Princesa) e Natalia Azevedo (2ª Princesa) sambaram muito no encerramento, ao lado de passistas da Estação Primeira de Mangueira e da Favela do Samba. Eles abriram os desfiles em todos os dias da Passarela Chico Coimbra e percorreram 15 bailes de carnaval em toda a cidade durante os dias de folia.

Foram oferecidos serviços nas áreas de segurança, saúde, limpeza, meio ambiente, vigilância sanitária, trânsito e transportes, e um Posto da Delegacia da Infância e Adolescência que estave de plantão todos os dias. No Posto Médico, 100 atendimentos de primeiros socorros foram realizados, sem nenhuma ocorrência grave e com um encaminhamento para o Socorrão I. O plantão também contou com ambulâncias da SAMU e do Corpo de Bombeiros.

Com a campanha do Ministério da Saúde “Vamos combinar, prevenir é viver” foram distribuídos 85,2 mil preservativos masculinos e femininos só na Passarela. O stand da Coordenação Municipal de IST AIDS e Hepatites Virais de São Luís, da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), realizou orientações, recomendações e aconselhamento sobre a prevenção de doenças sexualmente transmissíveis entre outros cuidados com a saúde.

A limpeza foi garantida por agentes de plantão na estrutura montada de 200 metros de pista. O espaço teve 21 camarotes para 20 pessoas cada; camarote institucional para 120 pessoas; 27 cabines de jurados; área com preferencial destinada para pessoas com deficiência, mobilidade reduzida e idosos com capacidade para 500 pessoas por dia; dez frisas para 16 pessoas em cada, seis arquibancadas com cerca de três mil lugares, 100 banheiros ecológicos e cinco barracas de comercialização de produtos.

Foliões de todas as idades se divertiram durante a programação na Passarela do Samba

A infraestrutura contou também com efetivo de 100 homens da segurança privada durante o período de evento, 40 seguranças no período de estrutura montada, 28 brigadistas, 200 Guardas Municipais, 250 Policiais Militares, 60 Bombeiros civis e militares, Policiais Velados, Segurança Alimentar, Segurança com Cidadania (Semusc), Blitz Urbana, 25 agentes de Trânsito e Transporte (SMTT), Serviços de prevenção, atendimento e urgência em saúde (Semus) e servidores da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) envolvidos na produção.

Sucesso do Carnaval de Todos impulsiona economia e pequenos negócios em São Luís

Se na avenida a folia rola solta, às margens da Avenida Beira-Mar a concentração de centenas de barraquinhas e food trucks faz a alegria dos foliões e dos pequenos empresários, que veem no Carnaval de Todos uma maneira de aumentar os lucros. O Circuito Carnavalesco Joãosinho Trinta iniciou a programação no domingo, 11, seguiu até a terça-feira, 13 e, entre os vendedores, o clima é de otimismo.

Pizza, hambúrguer, cachorro-quente, batata frita, churrasquinho, destilados, cervejas e chopps artesanais. A lista de produtos à venda é variada e a maioria dos vendedores se preparou, reforçando o estoque para essa época do ano. Foi o caso, por exemplo, de Gustavo Costa, proprietário do food truck Tuba Pizza. Depois de um réveillon muito melhor do que o esperado, as expectativas para o Carnaval estão altíssimas.

“Levamos o trailer para o Réveillon de Todos e foi um dos melhores eventos de que já participamos. Fizemos tanto sucesso que não estávamos preparados e a comida acabou no meio da madrugada. Para o Carnaval, reforçamos o estoque ainda mais e estamos operando com a nossa capacidade máxima”, garantiu ele, que pretende usar os lucros para aprimorar ainda mais o negócio.

O otimismo de ambulantes e microempresários com os cinco dias de festa é a prova de que nem só de folia vive o Carnaval. Além de divertida, a festa impulsiona a economia e gera trabalho e renda para muita gente. No caso da Avenida Beira-Mar, a consolidação do circuito carnavalesco Joãosinho Trinta como um dos pontos mais animados do Carnaval de Todos foi o que impulsionou a participação não só de milhares de foliões, mas também de vendedores.

Aniversário

Comemorar o aniversário em pleno Carnaval é para poucos. Sorte de João Urubatan e Ricardo Nojosa, proprietários do Goró Beer Truck, de chopps artesanais feitos por cervejarias maranhenses. A ideia é proporcionar, à população ludovicense, o acesso a outro tipo de cerveja, diferente das convencionais.

Eles abriram o negócio em pleno Carnaval, justamente no dia de estreia do circuito da Avenida Beira-Mar no ano passado. “Rolou um nervoso, porque é um ramo que já tem uma certa concorrência. Mas foi muito melhor do que esperávamos. Este ano também está muito movimentado, vai dar para vender mais de cem chopps em uma noite, fácil”, comemorou.

O mercado de cervejas convencionais também tem expectativa de continuar a faturar alto nos dias que ainda restam de Carnaval. No meio da tarde de ontem, Rutilene da Silva Pereira terminava de arrumar as últimas bebidas no isopor que instalou na beira da Praça Maria Aragão para vender água e cerveja. As conversas que ouviu mais cedo eram promissoras. “Todo mundo disse que aqui na Beira-Mar é ótimo, animado e bem movimentado. Vai dar para vender bastante, vou secar esse isopor rapidinho”, animou-se.

Também otimista, Artur Pereira de Araújo, proprietário do food truck Churrasco do Chef, abriu mão de participar de outros eventos da temporada carnavalesca para instalar o trailer na avenida Beira-Mar.

“Participamos do Reveillon de Todos e foi excelente. Acreditamos que no Carnaval vai ser ainda melhor, porque tem ainda mais gente e são vários dias. A gente até poderia ter ido para outros lugares, mas aqui pareceu bem melhor”, explicou Artur, para quem os lucros do Carnaval já tem destino certo. “Vamos usar para quitar o investimento que fizemos no negócio, com carros e o trailer”, contou.

Quem já é do ramo há mais tempo aproveita o Carnaval para diversificar o negócio e estabelecer a marca junto a um novo público. Uma das proprietárias do primeiro food truckde São Luís, o Jone’s, Ísis Lucas Braga, mudou o cardápio para se adequar ao gosto dos brincantes. Em vez dos tradicionais hambúrgueres, no corredor da folia o trailer vendia churrasquinho. “A gente precisa se adequar à dinâmica do mercado e inovar sempre. Por isso escolhemos mudar o cardápio para esses dias. Estamos acompanhando os circuitos desde o pré-carnaval e tem sido muito bom.”, comentou ela.

Vivendo de carnaval

No bairro da Madre Deus, berço da cultura carnavalesca maranhense, a folia momesca é, de longe, o período mais movimentado da economia. Jose Viégas já perdeu as contas de há quantos anos monta durante o Carnaval uma barraca na porta do bar em que trabalha – uma estratégia para impulsionar as vendas. No último sábado, 10, ela comemorava a venda de dez grades de cerveja num dia só. “De longe é a melhor época para a gente. Não tem melhor que a temporada de Carnaval. Se a gente botar pra vender mesmo dá para tirar bastante”, afirmou.

Outro mercado que se movimenta nessa época é a venda de adereços e enfeites de fantasias – fator que motivou a ambulante Ivete das Chagas a vir de Caxias para São Luís, pela primeira vez após quatro anos, para vender tiaras e outros enfeites com luzes e brilho. “O dinheiro é bom e com certeza vale a viagem de Caxias para cá, por isso que resolvi vir de novo. Tenho muitos parentes aqui também, então aproveito para ver todo mundo”, contou.

 

Bloco Criolina com Elza Soares arrasta multidão na Beira-Mar e consolida circuito Joãozinho Trinta

Teve folia, cultura, criatividade, diversão. O Bloco Criolina formado pelos cantores maranhenses Alê Muniz, Luciana Simões e convidados, arrastou uma multidão de gente a perder de vista, na segunda- feira, 12, segundo dia do circuito Joãozinho Trinta – Beira Mar, realizado pelo Governo do Maranhão, em parceria com a Prefeitura de São Luís.  O bloco comandado pela dupla consagrada da música maranhense teve como grande atração da festa Elza Soares que levou ao palco criatividade, irreverência e muita música.

A concentração do bloco começou às 16h, na Praça Maria Aragão, com os blocos Afros que abriram o circuito com um banho de axé. Logo em seguida, os Blocos Alternativos continuaram a festa mostrando beleza e encantos do carnaval de São Luís. A animação era grande e a expectativa do público, também.

“Eu esperei 47 anos pra ver a Beira Mar repleta de foliões, pulando e brincando em um Carnaval como este. É totalmente diferente de tudo o que já aconteceu em São Luís”, falou o publicitário Fábio Azevedo, 47 anos. “A gente está num clima de ansiedade muito grande para saber o que vai acontecer nesse segundo dia de circuito com grandes cantores maranhenses e a grande Elza Soares”, comentou o folião, no aguardo das atrações do Bloco Criolina.


O governador Flávio Dino participou de todo o circuito da folia na noite da segunda-feira, tanto na Beira-Mar, como na passarela do samba, e com muita animação, ressaltou o crescimento do carnaval como festa tradicional do calendário brasileiro que valoriza a criatividade e pluralidade da cultura e também como forma de geração de renda e trabalho para a população.

“É uma grande conquista para os maranhenses uma folia bonita como esta, segura para a família e que fornece oportunidade de renda aos trabalhadores informais. O circuito Beira-Mar, denominado de Joãozinho Trinta, veio para ficar. Enquanto cidadão, estou muito feliz de ver esta grande festa, é a chance de mostramos para o mundo a diversidade da nossa cultura. Vale ressaltar os tradicionais circuitos, como Madredeus e a Passarela do Samba, que há décadas embala o ritmo da folia com seu consagrado desfile de escolas e blocos”, afirmou o governador.

Bota pra moer!

A proposta visual do bloco foi inspirada numa estética psicotropicalista. Em homenagem a Elza Soares, cujo álbum mais recente se chama A Mulher do Fim do Mundo, Alê Muniz encarnou o Guerreiro do Fim do Mundo enquanto Luciana Simões se vestiu de Gladiadora do Centro da Terra pra chamar atenção de uma campanha contra o assédio feminino.

“A minha fantasia provém de uma campanha que estamos fazendo contra o assédio feminino no carnaval. A fantasia está focada no respeito as mulheres, é “pediu pra parar, parou”, destacou a artista.
No palco, a dupla levantou os foliões com clássicos do carnaval brasileiro, além de releituras de canções de Jorge Benjor, Sérgio Sampaio, Beth Carvalho, Caetano Veloso e Zé Ramalho, entre outros. Na força do refrão, a multidão seguiu atrás do bloco, que formou uma grande corrente de alegria, caminhando pela Beira Mar, em direção à Casa do Maranhão.
Antes de iniciar o Show, a convidada especial do bloco, Elza Soares, falou sobre a felicidade de cantar no Carnaval do Maranhão. “Gosto do circuito de rua. Quando vejo o povo feliz, eu fico feliz também. O Maranhão faz parte da minha vida desde que comecei minha carreira artística. O Estado me escolheu, e hoje vou oferecer o melhor de Elza Soares ao público”, prometeu e cumpriu a cantora.Já no palco, pode-se nitidamente ver e sentir que o mundo não acabou, mas a mulher do fim do mundo ‘botou pra moer’ no Carnaval de Todos 2018. Elza Soares colocou o público para sair do chão com sucessos de sua extensa carreira musical.

A cantora abriu o show com “Meu choro não é nada além de carnaval, é lágrima de samba na ponta dos pés. A multidão avança como vendaval. Me joga na avenida que não sei qual é”… (A Mulher do fim do mundo). Além de outros sucessos da cantora como ‘Carne Negra’, ‘Malandro e Dança’ esteve no repertório que lavou a alma de quem pulava no bloco.

Mas se Elza subisse ao palco e não fizesse a galera pensar em um País melhor, em igualdade social, racismo, violência doméstica, homofobia e empoderamento feminino, não seria Elza Soares. A artista que já começou a gravar o próximo álbum, que agora proclama no título: “Deus É Mulher”, pediu que o povo brasileiro vá as ruas não só para pular o carnaval.

“Eu vejo o povo brasileiro participando do carnaval com toda força e vontade, será que não teria força também para ir para as ruas reivindicar um País melhor? Nós temos que gritar todos os dias por melhorias! Eu sinto o povo coagido, parece que não tem vontade de mudar. Eu acho que está na hora de começar a gritar pelo País”, declarou a protagonista da noite, Elza Soares.

A diversidade sonora do circuito foi completa, ainda, com as participações de Rosa Reis, Jegue Folia e Bicho Terra com o melhor da música maranhense.

Carnaval de PazO espaço que virou tradição da folia de Momo na gestão do governador Flávio Dino, o circuito Beira Mar, não decepcionou os brincantes. Quem passou pelo circuito se impressionou com a segurança.

A professora Gisele Fernandes, 32 anos, levou as duas filhas para o circuito da Beira Mar. Com o policiamento no espaço, ela se sentiu mais tranquila para aproveitar a brincadeira. “Eu sempre gostei muito de carnaval, mas depois que meus filhos nasceram não saí mais. Não me sentia segura para vir com eles. Mas hoje estou tranquila, estou me divertindo e eles também, já pularam e brincaram muito. Está tudo muito bom”, disse a mãe.

Para maior tranquilidade durante as festividades de carnaval, o Governo do Maranhão ampliou o efetivo mobilizado nas ações de segurança durante esse período na capital. Só em São Luís, sete mil policiais foram destacados para atuar em todos os circuitos. O número de policiais militares mobilizados é maior do que o dos anos anteriores, assim como o quantitativo de viaturas. O policiamento está sendo desenvolvido a pé (patrulhas), a cavalo, em viaturas e motocicletas, e também contou com o apoio do Centro Tático Aéreo (CTA), que fez o patrulhamento aéreo na região.

A iniciativa foi aprovada pelos foliões. “Nunca tinha vindo para esse carnaval, mas esse ano decidi sair de casa porque vi que tinha muito reforço na segurança. Estou achando tudo muito organizado, especialmente porque a polícia está toda na rua. A gente se sente mais tranquilo para brincar e se divertir”, avaliou.

Terça-feira tem muito samba no centro de São Luís

Nesta terça-feira (13), último dia de folia, a programação oficial do Carnaval de Todos 2018 vem recheada de atrações locais e nacionais que não vão deixar ninguém parado: muito samba e pagode no circuito Beira-Mar, blocos tradicionais, afros e organizados, shows, tribos de índio, grupos de tambor de crioula e muito mais.

Começando pela Vila Gracinha, logo às 17h, a programação conta com as apresentações do Bloco Alternativo Ecológico Lírio do Amor, dos Ritmistas Unidos da Madre Deus, Bloco Alternativo Tribal, Show Divina Batucada e finaliza com o show As Brasileirinhas.

Também às 17h, a folia tem início na Praça da Saudade, com Bloco Tradicional Os Reis da Liberdade, Bloco Alternativo Banda Banguela, Bloco Tradicional Os Apaixonados, Bloco Alternativo Banda do Peru, Bloco Tradicional Os Brasinhas, Bloco Alternativo Jumenta Parida, Bloco Tradicional Os Trapalhões, Bloco Alternativo Só Safados, Bloco Alternativo Bloco do Samba e Bloco Tradicional Os Especialistas do Ritmo, encerrando com show de Adão Camilo.

Ainda na tarde de terça, os foliões terão programação especial na Praça da Saudade, Largo do Caroçudo, trajeto de blocos entre o Largo do Caroçudo e a Casa das Minas e as apresentações de dez grupos de tambor de crioula na Tenda do Tambor de Crioula.

Fundo de Quintal vai levar muito samba à Beira-Mar. (Foto: Divulgação)

Circuito Beira-Mar

Nova sensação entre os foliões, o circuito Beira-Mar traz uma programação especial para o último dia de folia. Com concentração marcada para as 16h, o circuito terá a apresentação de blocos tradicionais e alternativos, que vão garantir muita animação ao som de sucessos maranhenses.

A novidade deste ano – a participação de artistas nacionais – é marcada pelas apresentações no Bloco Bittencá e Acolá, onde a maranhense Flávia Bittencourt receberá Maria Gadú, Betto Pereira e o grupo Bicho Terra.

“O público pode esperar muita animação, com marchinhas em arranjos de música eletrônica”, promete Flávia Bittencourt.

Outro bloco com participação de artistas nacionais é o Bloco Samba, Carnaval e Argumento. Puxado pelo grupo maranhense Argumento, o bloco terá participação especial da banda Fundo de Quintal e do cantor Péricles.

“Essa será uma das melhores e inesquecíveis experiências para gente, que é poder tocar numa terra tão vibrante como o Maranhão, durante o carnaval. Um povo cheio de calor e receptividade”, antecipa Ubirany, um dos vocalistas do Fundo de Quintal.

A programação é do Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado de Cultura e Turismo (Sectur), em parceria com a Prefeitura de São Luís e apoio cultural do Grupo Mateus, e pode ser vista neste link.

Escolas de Samba e Blocos Tradicionais animam Carnaval de Todos

Blocos Tradicionais e Escolas de Samba animam a Passarela do Samba no Carnaval de Todos , organizado pela Prefeitura de São Luís e pelo Governo do Estado. A festa na passarela, que começou na sexta-feira (9), acontece até terça-feira (13). Além da Passarela, os foliões também brincam e aproveitam toda a diversidade cultural de São Luís no Circuito Beira-Mar, Circuito Madre Deus, Ceprama, Praça da Lagoa, APA do Itapiracó e Espigão Costeiro.

No sábado (10), segundo dia de festa na passarela, a animação ficou por conta dos grupos e blocos tradicionais. Às 18h, a programação teve início com a apresentação dos tambores de crioula Proteção de Santo Antônio, Alegria do Maranhão, Encanto de São Benedito e Tambor de Crioula da Vila Bacanga. Às 19h30 foi a vez dos desfiles dos Blocos Tradicionais do Grupo A, iniciando com APAE, seguido dos Fênix, Os Curingas, Kambalacho do Ritmo, Os Especialistas do Ritmo, Reis da Liberdade, Príncipe de Roma, Originais do Ritmo, Os Foliões, Tropicais do Ritmo, Os Trapalhões, Os Tremendões, Os Brasinhas, Os Apaixonados, Os Feras e Os Vampiros.

O secretário municipal de Cultura, Marlon Botão, fala sobre a beleza e o encanto dos desfiles. “No primeiro dia de festa na passarela, quando os blocos tradicionais do Grupo A se apresentaram, a bilheteria esgotou. Estamos com a casa cheia para prestigiar o Carnaval que é nosso. Também destacamos a presença de muitos turistas e ludovicenses que estão visitando pela primeira vez a Passarela do Samba, conhecendo a riqueza cultural de nossa cidade e aproveitando a festa com toda a segurança e alegria”, pontua.

A festa na Passarela do Samba, que começou na sexta-feira (9), acontece até terça-feira (13)

Na segunda-feira (12), acontece na passarela o segundo dia de desfiles das Escolas de Samba. A partir das 21h30, desfilam as escolas Unidos de Fátima, Túnel do Sacavém, Império Serrano, Flor do Samba e Turma do Quinto. Ainda na segunda-feira (12), às 18h, os tambores de crioula Lírio de São Benedito (Liberdade), Milagre de São Benedito (D. Nilza), Um Degrau de Santa Luzia, e Brilho de São Benedito (Ana Rosa) abrem os trabalhos na Tenda do Tambor.

Também desfilam na Passarela os blocos organizados Unidos do Porto Grande, Canto Quente, Beatos do Samba, Mocidade de Fátima e Turma do Saco. Logo após as turmas de samba, Ritmistas de São José de Ribamar e Vinagreira do Samba fazem a festa até às 21h.

A programação da Passarela do Samba durante o Carnaval de Todos 2018 conta com a participação de 33 blocos tradicionais, 11 blocos organizados, 11 escolas de samba, 10 tribos de índio, 11 blocos afro, 50 grupos de tambor de crioula e três turmas de samba. Os desfiles dos blocos tradicionais e das escolas de samba serão avaliados por um grupo de jurados, que vão decidir quais os campeões de 2018.

APROVAÇÃO

A universitária Luana Araújo Coelho, de 22 anos, há cinco anos desfila pelo Tradicional Bloco Os Curingas

A universitária Luana Araújo Coelho, de 22 anos, há cinco anos desfila pelo Tradicional Bloco Os Curingas e conta que essa paixão surgiu com o contato com a família que coordena a brincadeira carnavalesca. “Durante o ano, a gente faz ensaios, pensa no tema e todo mundo participa na arrecadação de fundos e na confecção das fantasias. Desfilar junto com o bloco é calor humano, é diversão. Minha família não é muito de sair no Carnaval, mas eles sempre vêm me prestigiar nas apresentações”, compartilha.

Enquanto isso, na plateia, o empresário Luiz Carlos Emiliano, 59 anos, foi junto com a esposa, a professora Silvia Carvalho, 56 anos, curtir os desfiles. “É a primeira vez que venho assistir aos desfiles na passarela. Geralmente fico em casa e assisto os desfiles pela televisão ou vou a bailes privados. Já meus filhos preferem os blocos de rua. É uma festa muito bonita, uma demonstração da cultura popular”, explica.

Criançada teve programação exclusiva no Carnaval de Todos 2018

Foi com música, brincadeiras e muito confete e serpentina, que a edição 2018 do Bailinho de Carnaval para o público infantil foi realizada no sábado (10), na Lagoa da Jansen, e na tarde deste domingo (11), no Espigão da Ponta d’Areia. A alegria deu o tom da farra dos pequeninos, que se revezaram entre aproveitar os brinquedos que fazem parte dos espaços públicos e pular ao som de marchinhas de carnaval.

O sonho infantil de fazer parte de um conto de fadas, ou mesmo de ser um super-herói se tornou realidade. Os pais e a criançada puderam usar de toda a criatividade nas fantasias carnavalescas para os dois encontros da folia momesca. Os pequeninos contaram com uma programação exclusiva só para eles, com muita música e marchinhas, todas adequadas à idade para que a festa pudesse ficar ainda mais divertida e didática.

No sábado, a animação do Bailinho à Fantasia começou com o Cordão Carnavalesco Foliões de Momo, que adequou tradicionais músicas carnavalescas para os pequenos foliões. Os membros do Cordão estavam fantasiados e proporcionaram o clima que o Bailinho de Carnaval precisava para que a festa ficasse cada vez mais divertida.

Acompanhado da esposa e dos filhos, o governador Flávio Dino também participou do evento. Ele destacou a importância de ter, na programação do Carnaval de Todos, momentos dedicados também ao público mirim.

“Esse é o espírito do carnaval. Sendo este um governo que luta pela igualdade, valorizamos os espaços públicos e as festas populares. Temos a preocupação de fazer com que todos os públicos se sintam participantes da festa, por isso é importante ter uma programação infantil como esta que o Carnaval de Todos realiza aqui. Quero convidar todo mundo a participar deste e de todos os demais dias, em todos os nossos circuitos de carnaval, bem como nos bairros e nas diversas cidades do Maranhão”, disse o governador.

Os foliões aproveitaram a festa. Dançando e correndo de um lado para o outro, a pequena Maria Eduarda, de 8 anos, escolheu a fantasia de odalisca para se divertir. “É a segunda vez que venho ao bailinho, eu gosto daqui porque posso dançar à vontade, inclusive adoro dançar e conhecer novos amiguinhos”, festejou a pequena. Sua mãe, a advogada Thaís Alves, conta que Maria Eduarda gostou tanto do baile do ano passado que pediu para repetir esse ano. “Ela não gosta de ficar parada, gosta de brincar, se fantasiar e cair na folia. Quando tem uma oportunidade como está, ela se realiza”, conta a mãe.

Outra atração que fez a alegria dos pequenos foliões foi a Banda Unidunitê, com um repertório recheado de canções já conhecidas pela meninada para que todos pudessem cantar com o grupo. A Banda Unidunitê deu oportunidade para que as crianças subissem ao palco e cantassem junto algumas cantigas de roda.

Além do show da banda Unidunitê e do Cordão Carnavalesco Foliões de Momo, o Bailinho de Carnaval contou também com a presença da equipe do Laborarte, que faz o Carnaval de Segunda no centro da cidade. O grupo montou uma performance voltada para o público infantil. Segundo Thayla Kadigi, integrante do grupo, a intenção é apresentar as crianças elementos da cultura maranhense. “Estamos tentando encaixar, no Carnaval, elementos de teatro e dança, apresentar para as crianças esse universo dos nossos personagens e manifestações culturais”, explicou ela.

Já no domingo, o Bailinho à Fantasia aconteceu no Espigão Costeiro, na Ponta d’ Areia, com o show da Banda Maria Vitória que trouxe em seu repertório uma vasta homenagem à música maranhense por meio de seus compositores ilustres, com músicas como “Mutuca” de César Teixeira, “O chico chegou” de  Chico Maranhão, “Pisa na Fulô” de João do Vale e “Na cabecinha da Doca” de Antônio Vieira, dentre outras.

Para a empresária Daniella Barros, que veio com o marido e os três filhos, o bailinho é um incentivo para fazer com que as crianças conheçam a música maranhense de um jeito alegre de acordo com a idade deles. “Achei uma excelente iniciativa aliar nossa cultura a brincadeiras infantis. É um excelente espaço para as crianças extravasarem e curtirem o carnaval”, disse.

O Bailinho de Carnaval é realizado pelo Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), em parceria com a Prefeitura de São Luís, com mobilização de vários órgãos e secretarias ligadas a cultura, turismo, saúde e segurança.

Concurso de fantasias

Durante os dois dias de Bailinho de Carnaval foi realizado um concurso de fantasias, em que a meninada demonstrou alegria e criatividade no momento da passarela. Mais de 300 crianças receberam o certificado de participação do desfile, além de serem premiados com um troféu aqueles que tivessem a fantasia mais chamativa. A disputa foi acirrada com dezenas de fantasias divertidas e diferentes.

Karla Bianca Rocha, 7 anos, estava fantasiada de unicórnio e foi uma das vencedoras do concurso de fantasias do bailinho.

“Fiquei muito feliz que ganhei o troféu de primeiro lugar, minha mãe que comprou a fantasia, mas fui eu que escolhi, porque gosto muito do unicórnio”, festejou a pequena.

Diego Galdino, secretário de Estado da Cultura e Turismo (Sectur), disse que se sentia feliz com a realização do evento destinado ao público infantil e que programações culturais fazem parte de outros projetos como o Mais Cultura e Turismo.

“A programação deste carnaval foi pensada para divertir, reunir diversas faixas etárias e garantir a diversão do público que vai brincar o período”, destacou o secretário Diego Galdino. “A exemplo dos anos anteriores, o Governo do Estado vem organizando as festividades carnavalescas para que as pessoas possam curtir com segurança”, reforçou.

A Polícia Militar (PMMA) esteve presente em posições estratégicas para garantir a segurança de quem participou da folia, assim como o Corpo de Bombeiros, em caso de alguma eventualidade.

Governo celebra carnaval com baile para idosos das Residências Terapêuticas I e II

Alegria, música e fantasias embalaram os pacientes em tratamento nas Residências Terapêuticas I e II, nesta sexta-feira (9), com a realização do bailinho de carnaval. A atividade faz parte das iniciativas de Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), de promover uma melhor qualidade de vida e integração à comunidade dos residentes da unidade. Durante o baile, oficina de confecção de máscaras carnavalescas, música e integração.

“Todos os moradores das residências terapêuticas possuem uma casa, mas acabaram ficando anos esquecidas no hospital e perderam o conceito de família. Uma festa de carnaval dentro das suas casas representa muito, principalmente reinserção social e esses conceitos que vão sendo reelaborados por eles. Então, essas ações são muito importantes para eles, porque serve de reconstrução da identidade social destas pessoas”, explicou o chefe do Departamento de Saúde Mental da SES, Márcio Menezes.

A idosa Raimunda Soares, de 87 anos, é natural do Ceará, casou em Arari, perdeu contato com os familiares após a morte do esposo. Por conta de um problema de saúde, a idosa foi enviada para o Hospital Nina Rodrigues, onde permaneceu por mais de 20 anos. Hoje, com um sorriso no rosto e a vaidade em dia, dona Raimunda disse estar feliz em estar na Residência Terapêutica. “Estou feliz. Aqui tudo é bom, eles cuidam de mim”, disse.

A realização do baile foi reivindicação dos próprios pacientes. Segundo Rafaelly Polary, assistente social e coordenadora da Residência Terapêutica ‘Dra. Amarílis Arruda Toledo’, esta é uma oportunidade e tanto de promover a sociabilização e interação entre eles. Com decoração temática, feijoada e muita marchinha, os residentes se divertiram e dançaram com os servidores do local e convidados.

Rafaelly Polary ainda explicou que ações como a feijoada e o bailinho ajudam no tratamento permanente deles, dando mais qualidade de vida e servindo para acalmá-los. “É uma forma de reinserir os moradores, favorecendo o acolhimento. A ideia da feijoada e do bailinho é trazer alegria para essas pessoas que merecem todo respeito e cuidado, além de uma assistência profissional adequada e de qualidade, é gratificante e, com certeza, por isso o carnaval faz parte do calendário social e serve para socializar esses moradores’, afirmou.