Maranhão recebe a maior quantidade de chuva do Nordeste

Pelo menos até terça-feira (17),  o Maranhão e o centro-norte do Piauí irão receber a maior quantidade de chuva do Nordeste. É o que diz o boletim do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais,

A maior parte da chuva que cai sobre a Região está relacionada ao tempo quente e úmido e a áreas de instabilidade associadas à ZCIT – Zona de Convergência Intertropical que estão bastante ativas há alguns dias sobre a costa norte do Nordeste.

Entre o Maranhão e o Piauí,  há previsão de pancadas de chuva que por vezes podem cair com forte intensidade, principalmente em Teresina e São Luis, alertam os meteorologistas. Pelo menos até terça-feira (17),  o Maranhão e o centro-norte do Piauí irão receber a maior quantidade de chuva do Nordeste. O acumulado pode ultrapassar os 100 milímetros de chuva.

Governo promove workshop sobre mudanças climáticas e seca no Maranhão

O Governo do Maranhão realizou na tarde desta segunda (27) o workshop “Mudança Climática e Seca no Maranhão: impactos e cenários futuros”. O evento, uma parceria das secretarias de Meio Ambiente e Recursos Naturais (SEMA) e Agricultura e Pesca (Sagrima), aconteceu no auditório Josué Montello da Universidade Ceuma, Renascença.

O workshop discutiu os impactos da seca no período de 2010 a 2016 no Maranhão, debateu os cenários climáticos que apontam para secas mais frequentes e intensas que atingiram diversas áreas do estado, inclusive áreas de interesse econômico que não tem tradição de secas, além da necessidade de organização de políticas públicas para enfrentar os cenários climáticos.

Durante o evento, foi lançado o livro ‘Parcerias Estratégicas’, que trata as temáticas relevantes para o aprimoramento das políticas na área da Ciência, Tecnologia e Inovação. Nesta edição, o foco esteve em registrar a seca no Brasil, tanto do ponto de vista dos impactos como das ações governamentais de mitigação.

No livro, SEMA, Sagrima, UEMA, IFMA e Ceuma assinam um artigo sobre a vulnerabilidade do Maranhão a eventos de secas, destacando as regiões mais atingidas e os impactos sofridos.

“Este workshop é de suma importância, pois surgiu de um evento anterior onde discutimos o tema e os impactos no Maranhão”, afirmou a superintendente de Pesquisa e Geoprocessamento da Sagrima, Ana Teresa.

“Já o lançamento do livro é muito valoroso, pois nos proporciona um maior acompanhamento do histórico e da situação do semiárido no Maranhão, em especial nas regiões de maior potencial produtivo”, completou.

Engenheiro agrônomo da Sagrima, Messias Nicodemos destacou a importância desta publicação para o Maranhão, sobretudo por se tratar de um estado agrícola. “Por meio do livro, discutimos o impacto das secas que ocorreram no período de 2010 a 2016 com o reflexo principal nas queimadas, devido aos altos índices de incêndios nos últimos anos”.

Para o universitário Francisco Pontes, o evento contribuiu para sua formação. “Este evento é muito relevante para a minha carreira acadêmica, pois climatologia é um assunto muito presente no nosso dia a dia, além de ser um fator imprescindível para os estudos que estou realizando para o meu trabalho de conclusão de curso. Participar desse workshop está sendo muito positivo”, finalizou.

Disponibilizado boletim climatológico de agosto a outubro para produtores

Para facilitar o acesso dos produtores a informações sobre climatologia e sua interferência na atividade agropecuária, a Secretaria de Agricultura, Pecuária e Pesca (Sagrima) disponibiliza o Boletim Climático do Maranhão 2017, com previsões climáticas trimestrais. A edição do boletim que contempla os meses de agosto a outubro está disponível no menu Boletins Climatológicos do site da secretaria.

“Nosso objetivo é informar todos os nossos produtores sobre os eventos climáticos para o trimestre, a fim de contribuir para a tomada de decisão em relação ao melhor momento para plantar e colher, levando em consideração a ausência e excesso de chuvas para o trimestre em todas as regiões do estado”, explica a superintendente de Pesquisa e Geoprocessamento da Sagrima, Ana Tereza Castro.

Segundo o boletim, a previsão pluviométrica para os meses de agosto, setembro e outubro de 2017 tende a apresentar valores de precipitação entre 1mm a 50mm. A expectativa é que o maior volume pluviométrico em agosto ocorra na porção noroeste do estado, enquanto que em setembro seja na porção oeste e em outubro, na porção centro-sul do Maranhão.

Para o secretário da Sagrima, Márcio Honaiser, ferramentas como os boletins climatológicos e de perfil agropecuário vão permitir que a produção do estado seja acompanhada mais de perto por órgãos de governo e por investidores. “O acesso a dados precisos das nossas condições edafoclimáticas e da nossa produção agropecuária faz toda a diferença ao pensarmos novas estratégias e melhorias nas ações já andamento e também são fundamentais para os agroinvestidores”, disse.