Polícia Federal do Maranhão desarticula quadrilha de tráfico de drogas

A Polícia Federal no Maranhão, por meio da Delegacia de Repressão a Drogas (DRE), deflagrou na manhã de hoje, em São Luís, a 2ª Fase da Operação “MD”, com o objetivo de desarticular um grupo criminoso especializado no tráfico de drogas utilizando-se dos Correios.

A Polícia Federal cumpriu cinco Mandados de Prisão Temporária e quatro Mandados de Busca e Apreensão em São Luís. As ordens judiciais foram expedidas pela Justiça Estadual do Maranhão, com o objetivo de colher provas do crime que auxiliassem nas investigações.

Na 1ª fase da operação, em abril deste ano, quatro pessoas foram presas em São Luís e uma em Teresina. A partir dos interrogatórios e da análise de algumas mídias, foram identificados os outros integrantes do grupo criminoso especializado na distribuição de ecstasy e LSD, além de cocaína, skunk e maconha, em festas na capital maranhense, especialmente em eventos de música eletrônica, onde há grande concentração de jovens.

A equipe de investigação interceptou várias encomendas contendo as substâncias entorpecentes que chegavam até os investigados, via postal, proveniente dos estados do Rio de Janeiro, Pernambuco e Mato Grosso do Sul.

Os envolvidos foram conduzidos à Superintendência de Polícia Federal no Maranhão, onde serão indiciados por tráfico de drogas e associação para o tráfico, crimes previstos nos arts. 33 e 35 da Lei nº 11.343/06. Caso sejam condenados, responderão por penas que chegam até 15 anos de reclusão.

“MD” são as letras iniciais da substância (metileno-dióxido) que compõe o ecstasy, uma das principais drogas traficadas pelo grupo criminoso.

‘Bafômetro’ que acusa uso de maconha e outras drogas será adotado no Brasil

Com o intuito de diminuir acidentes e ter um trânsito mais seguro, está em fase de análises o drogômetro, com o objetivo de identificar os motoristas que estão dirigindo sob influência de drogas ilícitas. O Código de Trânsito Brasileiro, além da multa de trânsito para estes casos tem a punição de detenção de seis meses a três anos. Atualmente, as blitz de trânsito fazem uso apenas do bafômetro que mede o teor alcoólico no hálito do motorista, diferente deste aparelho o drogômetro (salivômetro, nome oficial do aparelho) mede através da saliva se motorista fez uso de substâncias ilícitas.

De acordo com Luiz Beggiora, responsável pela nova gestão da Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (SENAD), o projeto é prioridade e será capaz de reduzir os acidentes e mortes no trânsito. Para isso, a Senad testou quatro aparelhos semelhantes ao bafômetro que são capazes de indicar o uso de maconha, cocaína, ecstasy e outros entorpecentes.

Os aparelhos com tecnologia estrangeira foram analisados em 2018 e a pesquisa finalizada a partir dos testes é o ponto de partida para a implantação futura dos “drogômetros”. A Senad é ligada ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, comandado pelo ex-juiz Sérgio Moro. “É imprescindível que haja uma maior fiscalização de substâncias psicoativas junto aos condutores para que se consiga reduzir os altos índices de acidentes e mortes no trânsito”, justifica Beggiora.

Ainda não há previsão de data para adoção dos “drogômetros”. Ainda é necessária a validação dos equipamentos analisados na pesquisa junto ao Conselho Nacional de Trânsito (Contran), por meio de uma resolução.

As drogas, assim como o álcool, alteram o padrão de percepção e consciência da realidade do motorista e seu próprio estado. Além disso, produzem alterações no funcionamento cerebral. De acordo com a especialista Eliane Pietsak, ouvida pelo Portal do Trânsito, “as discussões e reações em torno do assunto são muito parecidas com as de quando a Lei Seca foi implementada”.

Um estudo da Escola Nacional de Seguros afirma que, desde 19 de junho de 2008, quando a Lei Federal 11.705, conhecida como Lei Seca, entrou em vigor, 40 mil vidas foram poupadas pela proibição de beber e dirigir. De acordo com o balanço anual da Polícia Rodoviária Federal (PRF), em 2017, dois milhões de testes de bafômetro foram realizados. Mais de 19 mil motoristas foram flagrados dirigindo sob a influência de álcool, e 18 mil alegaram o uso de drogas ilícitas, dentre elas principalmente a maconha.

O que diz a lei sobre o uso de drogas no trânsito
De acordo com o CTB,

Art. 165. Dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência: Infração – gravíssima; Penalidade – multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses. Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no § 4o do art. 270 da Lei no 9.503, de 23 de setembro de 1997 – do Código de Trânsito Brasileiro. Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caputem caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses.Vale ressaltar, ainda, que o Art.306 do CTB prevê pena de seis meses a três anos de prisão, por “conduzir o veículo com capacidade psicomotora alterada em razão da influência de álcool ou de outra substância psicoativa que determine dependência”.

Página 2 com informações do Código de Transito Brasileiro

Polícia Civil apreende drogas e arma de fogo em Timon

A Polícia Civil, através da Superintendências Estaduais de Repressão ao Narcotráfico, unidade Timon, em operação realizada no final da tarde da última quarta-feira (06), efetuou a apreensão em flagrante por ato infracional de um adolescente.

O acusado foi surpreendido pela equipe quando se encontrava na posse de crack, maconha, cocaína além de 02 (duas) balanças, dinheiro e um revólver calibre 38 com 02(duas) munições intactas.

O mesmo adolescente já havia sido apreendido, no dia 11.05.2018, quando a SENARC efetuou a prisão de vários traficantes em operação realizada na invasão babilônia, em Timon. Diante das circunstâncias fáticas e materialidade, o adolescente foi encaminhado para a Central de Flagrante visando a adoção das providências de Polícia Judiciária.

Jovem de 18 anos é preso pela PRF transportando 10 Kg de maconha em ônibus de turismo

Um jovem de 18 anos foi preso, na manhã de sábado (26), transportando 10kg de maconha prensada em um ônibus de turismo, quando agentes da Polícia Rodoviária Federal fiscalizavam um ônibus em frente à Unidade Operacional da PRF em Porto Franco, no Km 156 da BR 010.

Segundo o jovem, ele pegou a droga em Goiânia e teria como destino Chapadinha.

Diante das evidências, os agentes da PRF deram voz de prisão e conduziram o indivíduo para a Delegacia de Polícia Civil em Estreito.

Mais 20 mil pés de maconha são incinerados em reserva indígena

Mais de 20 mil pés de maconha foram incinerados pela  Polícia Civil do Maranhão, Polícia Militar e o Centro Tático Aéreo (CTA)  durante operação, nesta quarta-feira (23), na Área Indígena da Aldeia Massaranduba, em Alto Alegre do Pindaré.

Um total de 25.967 pés da planta, além de 07 sacas (140 Kg) da droga pronta para ser prensada, foram destruídos. A plantação com as sacas somariam 4,4 toneladas da droga pronta para o consumo, segundo a polícia.

A operação destruiu ainda 5kg de semente de maconha ainda não plantadas. Uma espingarda foi apreendida na aldeia. A polícia contabiliza um prejuízo de mais de R$ 3 milhões para o tráfico.

Mulher é presa com drogas dentro da fralda de um bebê

A Polícia Civil do Maranhão por meio da 8ª Delegacia Regional da cidade de Zé Doca, conseguiu prender em flagrante na noite da última segunda-feira (7), Maria Cristina Costa Lima (32), suspeita de cometer os crimes de tráfico de drogas, corrupção de menores e receptação.

Segundo o delegado Jair Alves, após denúncias de tráfico de entorpecentes, uma equipe da Polícia Civil montou campana nas proximidades da residência da suspeita localizada no bairro São Francisco, sendo confirmado a veracidade dos fatos.

Na residência foram apreendidas cerca de 60 unidades de uma substância similar ao crack e uma quantia de 200 reais, além de materiais usados para embalar os entorpecentes. Toda a droga foi localizada dentro das fraldas de um bebê que estava nos braços de Cristina.

Durante seu interrogatório, foi constatado que a suspeita já tinha sido presa pelos crimes de tráfico e associação ao tráfico na cidade de Araguanã, porém conseguiu fugir durante a lavratura do crime.

Polícia apreende cerca de 200 kg de maconha prensada com dois homens em São Luís

Dois homens foram presos em posse de cerca de 200kg de maconha, nesta quarta-feira (18), em São Luís. Cleomarcio Lago Abreu, conhecido como “Junior”, e Tallyson de Lima Santos estavam com 233 tabletes de maconha prensada em um Sandero.

Equipes da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Senarc) já vinham investigando os dois homens, e os flagraram enquanto colocavam a droga no carro, de placa PYO-8412, no bairro Engenho, no Tirirical.

Segundo a polícia, os dois homens armazenavam e distribuem a droga na Região Metropolitana. Santos e Abreu foram encaminhados à sede do Senarc, autuados em flagrante delito pela prática dos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico. Em seguida, foram encaminhados ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas, onde ficarão à disposição da Justiça.

PRF prende mulher transportando maconha e crack em ônibus na BR 222

Uma mulher de 25 anos foi presa pela Polícia Rodoviária Federal em um ônibus, na BR 222 em Açailândia, transportando 7kg de maconha e 350g crack.

A prisão faz parte da Operação Hórus, deflagrada após o ataque à Unidade Operacionalda PRF de Açailândia me março, quando seis homens metralharam o local e roubaram uma viatura da PM com um policial como refém.

A mulher, que não teve o nome identificado, receberia pelo serviço conhecido como “mula”, R$ 800 para levar a droga de Imperatriz até Santa Inês.

Seminário avalia políticas públicas no enfrentamento ao uso de drogas entre menores

As políticas públicas que estão sendo implementadas em São Luís, as necessidades na conjuntura atual e as perspectivas de avanços, no atendimento a crianças e adolescentes usuárias de drogas, foram temas debatidos no Seminário Municipal sobre Drogas, promovido pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Luís (CDMA), nesta quarta-feira (28), no Espaço Orienta, no Renascença, com apoio da Prefeitura de São Luís.

O vice-prefeito de São Luís, Julio Pinheiro, representou o prefeito Edivaldo no evento e ressaltou que é importante fazer esse diálogo conjunto, poder público e a sociedade, para encontrar caminhos no enfrentamento ao problema do uso de drogas. “É preciso realmente fazer esse debate com todos os entes para encontrar meios de enfrentar um problema que tem uma dimensão muito grande. Requer a participação de todos, poder público, entidades e as famílias, para que possamos avançar”, disse Julio Pinheiro.

O Seminário Municipal sobre Drogas: uma análise das políticas públicas no contexto da criança e do adolescente em 2018 trouxe para debate as dificuldades enfrentadas por quem faz o atendimento e por quem precisa ser atendido. O secretário municipal de Saúde, Lula Fylho, esteve presente ao evento.

Para o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, que compôs a mesa de abertura do seminário, para o enfretamento das drogas é fundamental uma ação articulada.”O desafio para o enfrentamento das drogas perpassa por todas as instâncias e começa em casa, mas é importante que existam políticas que ampare as famílias, que dê o suporte a elas para diagnosticar e prevenir”, pontuou o secretário.

O gestor destacou que a Secretaria Municipal de Educação (Semed) desenvolve ações anti-drogas junto às crianças e adolescentes da rede e exaltou o Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). “O Proerd é uma parceria com a Polícia Militar que atua na conscientização de estudantes da rede municipal, nas áreas de maior vulnerabilidade, com a intenção de tornar nossas crianças mais resistentes e fortes às drogas”, explicou o secretário.

O secretário de Estado de Políticas Públicas, Marcos Pacheco, aponta três caminhos para o problema como a inovação no acolhimento, utilizar melhor a rede de assistência que já existe e qualificar pessoas que já estão nos espaços públicos de saúde. “O paciente deve ser atendido na hora que ele precisar. A necessidade do usuário deve ser prioridade”, frisou.

Para a presidente do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA), Janicelma Fernandes, o envolvimento de todos é importante. “É necessária uma ação conjunta que envolva da família até o poder público com a criação de políticas públicas que empoderem as famílias para que elas cuidem de suas crianças”, disse.

PERSPECTIVAS

Segundo a coordenadora de Saúde Mental do Município de São Luís, Liana Martins, há esperança de avanços em um novo pacto que visa a ampliação e melhoria da rede de atendimento, com a implantação de um CAPS específico para adolescentes, uma unidade de assistência com equipe multidisciplinar e uma unidade com leito de internação. “Me comprometo em lutar para que seja feito o que for possível para que haja essa nova pactuação”, destacou Liana.

ATENDIMENTO

A Prefeitura de São Luís oferta atendimento a crianças e adolescentes usuárias de drogas ilícitas no Centro de Atenção Psicossocial Infantil (CAPSI), localizado no Turu, que atende, atualmente, cerca de 25 pacientes. Os Centros de Referência em Assistência Social (Cras) também fazem atendimento para encaminhamento, e as Residências Terapêuticas, localizadas nos bairros São Cristóvão, Ipase e Filipinho.

“Hoje, as famílias podem buscar o atendimento nas unidades do Cras, no CAPS infantil, ou no CAPS do Estado também. Porém, estamos discutindo, neste seminário, com a sociedade, uma forma de avançar na atenção. Uma das necessidades é ampliar os espaços de atendimento”, ressaltou a presidente do CDMA, Janicelma Fernandes.

O Seminário encerrou no final do dia e contou com a participação dos secretários municipais de Saúde, Lula Filho, e de Educação, Moacir Feitosa; de representantes da Defensoria Pública, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), da Polícia Militar e da Secretaria de Estado de Saúde (SES).

Governo reforça orientações sobre saúde e segurança para foliões no carnaval

Com a temporada de diversão no período do carnaval, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), orienta os foliões para os perigos com o consumo de álcool e drogas, segurança e prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

O Centro de Assistência Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD Estadual) promoveu, nesta sexta-feira (9), uma roda de conversa para orientação para o período de carnaval com usuários do serviço.

Participaram o delegado titular do 1º Distrito Policial de São Luís, Joviano Furtado; juíza da 2ª Vara Especial de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Lucia Helena Heluy; gestora da Secretaria de Estado da Mulher, Erica Araújo; e enfermeiras do Caps AD Estadual.

“As pessoas acham que o carnaval é um período de diversão associado ao consumo, principalmente, de álcool. Mas sempre orientamos que a população evite o consumo exagerado de bebidas. E se o fizer, de maneira alguma, dirija algum veículo. Evite situações que lhe tragam prejuízos após este período”, disse o diretor do Centro de Assistência Psicossocial Álcool e Drogas (Caps AD Estadual), Marcelo Costa.

O Caps AD Estadual, que oferece tratamento para dependentes químicos, funcionará no período carnavalesco das 8h às 18h. Já o Hospital Nina Rodrigues funcionará normalmente 24 horas para atendimento de casos de emergências psiquiátricas.

Para aqueles que não abrem mão de consumir alguma bebida alcoólica, Marcelo Costa aconselha a não proceder de forma ininterrupta. “Não consuma álcool sem ter se alimentado, intercale com o consumo de água e o faça de forma fracionada e com moderação”, orienta. Para os que estão em estado de tratamento de dependência, a orientação de Marcelo Costa é se manter longe da exposição.

Um usuário, que está em tratamento contra dependência de crack há seis meses disse que nem aumentava o consumo no período do carnaval porque já era consumidor diário e compulsivo. “Mas, a euforia aumentava, sim. Hoje, o carnaval não faz mais sentido para mim, mas minha cura é diária”, afirma.

Prevenção das ISTs

Período propício também às paqueras, no carnaval é preciso ficar atento à prevenção das Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). De acordo com a enfermeira Marileide Mendes, do Caps AD Estadual, as ISTs são evitadas, na maioria dos casos, com o uso do preservativo e cuidados com a higienização.

“Relação sexual precisa ser feita com segurança, com uso de preservativo. Visualmente não tem como saber o que a outra pessoa tem. Muitas doenças não apresentam sintomas aparentes, então é preciso ter a proteção da camisinha. Se você for para o carnaval com a intenção de fazer sexo, leve sua camisinha ou receba em algum posto de distribuição. Isso vale para homens e mulheres”, frisa a enfermeira.


Combate ao assédio

A técnica da Secretaria de Estado da Mulher, Érica Araújo, destacou a campanha do Governo do Estado de combate ao assédio sexual que tem como tema “Não tô a fim. Sem permissão, não toque em mim”. Ela lembrou que as rodinhas para beijar as mulheres forçadamente e puxões de cabelo são assédios graves. “Qualquer ato em que a mulher não consente é assédio. Só quem tem permissão para tocá-la é quem ela permitir. A mulher é dona do seu próprio corpo”.

A juíza Lucia Helena Heluy ressaltou que os homens, em especial, precisam estar atentos ao comportamento em relação às mulheres. “O fato de a mulher estar no carnaval desacompanhada, com roupa curta, não implica dizer de ela está disponível, que é permitido pegar nela. Mas no momento que ela disser não é não. Se o homem avançar, pode haver caracterização de crime ou contravenção penal”.

Segurança

O delegado Joviano Furtado disse que disse que a população deve adotar algumas medidas para poder brincar no carnaval em segurança. “Ideal é evitar levar valores grandes, cordões de ouro, relógios. Se for levar algum documento, que seja uma cópia e manter a carteira no bolso da frente”, orienta. Ele indica, também, andar em grupos maiores e evitar transitar em ruas desertas.

Quem for para os pontos de folia com veículo próprio, não estacionar em ruas desertas e escuras, tampouco deixar objetos de valor no interior do veículo. “Existe uma nova prática que é o bloqueador das travas. Ao sair do caso, se certifique que o carro realmente travou as portas”, orienta Joviano Furtado.

Saúde e segurança no carnaval 

– Não abuse das bebidas alcoólicas

– Não use drogas ilícitas

– Se beber, não dirija

– Beba bastante água e alimente-se bem

– Use camisinha

– Não se automedique

– Respeite as mulheres e só faça o que ela permitir

– Só leve para a folia valores que irá usar

– Não use joias, relógios ou objetos de valor

– Evite passar por ruas desertas

– Ande sempre em grupos maiores

– Leve uma cópia plastificada de um documento de identificação

– Não deixe objetos de valor dentro de veículos

– Certifique-se que as travas do veículo foram acionadas