OPINIÃO | Que vença a boa política

A profusão de notícias falsas tem caracterizado as eleições deste ano. A disseminação de fake news na campanha eleitoral é algo desmesurado, nocivo e assustador. Funcionam como cortina de fumaça. Enquanto a população perde tempo discutindo o que é verdade ou mentira, o debate sobre aquilo que realmente interessa para o país passa ao largo do processo eleitoral.

Não há debate em profundidade sobre os principais problemas do Brasil. Falta discussão acerca de medidas para retirar o país do caos econômico, institucional e político. A indignação com parte dos políticos, na maioria dos casos legítima, parece ter levado à cegueira e à surdez boa parte do eleitorado. E há candidato(s) a estimular isso para retirar dividendos eleitorais.

Questões extraordinariamente importantes para nosso país estão sem respostas ou sequer são debatidas.

Como retirar milhões de brasileiros do desemprego? De onde virá financiamento para a educação pública? Quais as propostas para viabilizar a eficiência do sistema público de saúde? Há políticas públicas para reduzir o déficit habitacional? E o combate ao tráfico de drogas e de armas. Quais as soluções e responsabilidades?

Aparentemente nada disso tem importado para parte do eleitorado, que está embevecido pela agenda das discussões rasas, intolerantes e odiosas sobre fake news, kit gay, antipolítica e outras superficialidades.

Contudo, os resultados do primeiro turno mostram que há luz no fim do túnel. Em nível nacional, houve expressivas renovações na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. A população refutou o caciquismo regional e mandou para casa muitos dos apoiadores do colapso político do país.

No Maranhão, o povo disse não à usina da fake news utilizada pelos opositores do governador Flávio Dino. Por trás dos ataques a tentativa de impedir sua recondução para mais um mandato.

Por três anos e meio, foram incontáveis as inverdades disseminadas para desgastar o governo junto à população. No período eleitoral, a produção das noticias falsas cresceu exponencialmente. De apreensão indiscriminada de motocicletas à inexistente criação de impostos passando por insinuações criminosas. Tudo foi utilizado nas redes sociais e até mesmo no horário eleitoral de rádio e TV. Em vão!

Feitos os devidos esclarecimentos, os milhões de eleitores maranhenses priorizaram aquilo que é essencial: trabalho e propostas para melhorar a vida das pessoas.

Ao fim, a consagradora reeleição de Flávio Dino em primeiro turno com larga vantagem sobre a candidata adversária e a inédita eleição dos senadores, maioria das bancadas federal e estadual demonstraram que a agenda que de fato interessa à população é a resolução dos problemas concretos e imediatos do cotidiano.

Prevaleceu a seriedade e decência na condução da coisa pública; a política que prioriza a dignidade e melhora a vida das pessoas; a promoção da justiça social e de oportunidades para todos e todas. Que a verdade vitoriosa no pleito do Maranhão prepondere também no segundo turno das eleições presidenciais. Viva a democracia!

Radialista, jornalista, Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.

Presidentes de partidos repudiam calúnias contra Weverton e Eliziane

Caiu como uma bomba a prisão de três pessoas que distribuíam material calunioso para atacar os candidatos ao Senado Weverton (PDT) e Eliziane Gama (PPS). O jornal produzido a mando do candidato a deputado estadual Carioca, ligado à família Sarney, era produzido dentro do Sistema de Comunicação do clã oligárquico.

A notícia da prisão após batida da Polícia Civil contra as fake news produzidas com o intuito de desequilibrar o pleito eleitoral para o Senado foi veementemente criticada pela população e por forças políticas do Maranhão. O próprio Weverton, presidente do PDT, classificou como “absurdo o que está acontecendo”.

Já presidente do PCdoB, Márcio Jerry, repudiou o fato de que a oligarquia decadente age às claras com baixarias vergonhosas e repulsivas. “Essa turma do Sarney se revela cada vez mais depravada. Os ataques nojentos agridem nosso povo, cada homem e cada mulher de bem que não aceita e repudia as baixarias”, detonou.

O escândalo é o maior já registrado na campanha até agora, e expõe o desespero sarneyzista com a proximidade da abertura das urnas.

Ministério Público analisa ação contra a TV Mirante por abuso de poder econômico e fake news

Jornal Pequeno

O Ministério Público Eleitoral está analisando uma ação contra a TV Mirante e outros veículos do grupo por abuso de poder econômico e divulgação de fake news. O Sistema Mirante, que pertence à família Sarney, é acusado de usar toda a sua estrutura para favorecer o grupo político de Roseana Sarney e divulgar notícias falsas sobre o governo Flávio Dino.

O Sistema Mirante de Comunicação é formado pela TV Mirante, pela Rádio Mirante e pelo Jornal O Estado do Maranhão, além de sites na internet. O grupo domina a comunicação no Maranhão, alcançando quase toda a população do Estado. A TV e a rádio são concessões públicas e, pela lei, não podem ser usadas para fins políticos.

A ação recebida pelo Ministério Público Eleitoral é de autoria do PCdoB e inclui um levantamento estatístico mostrando que o jornal O Estado do Maranhão vem fazendo campanha sistemática contra o governador Flávio Dino desde 2015.

Além disso, a ação também cita estudos acadêmicos demonstrando que os veículos vêm sendo usados para tentar desgastar politicamente o Governo.

De acordo com os estudos, os problemas no governo Roseana Sarney – como o caos em Pedrinhas e a escalada da violência – eram ignorados pela Mirante. Já a partir de 2015, quase tudo no Maranhão passou a ser visto como um problema, mesmo com dados mais positivos e com o fim dos massacres em Pedrinhas, por exemplo.

Fake News

A ação ainda diz que a família Sarney “utiliza-se dos veículos de comunicação para disseminar notícias sabidamente falsas, o que, claramente, desvirtua o uso dos meios de comunicação, configurando-se, inclusive, todas as modalidades de ilicitudes previstas na legislação eleitoral”.

A peça lembra que esse tipo de comportamento dos veículos da Mirante é antigo: “Um dos casos mais emblemáticos aconteceu no ano de 1994, às vésperas do segundo turno da eleição para governador do Maranhão, em que foi divulgado que o então candidato a governador, Epitácio Cafeteira, teria sido o mandante do assassinato de um ex-funcionário da Vale do Rio Doce, José Raimundo dos Reis Pacheco”.

“A divulgação do caso que passou a ser conhecido como ‘Reis Pacheco’ teve impacto direto no resultado das eleições de 1994, ao final daquela eleição a Justiça Eleitoral proclamou a vitória da candidata Roseana Sarney (PFL), que foi eleita como uma vantagem de pouco mais de 1% (um por cento) dos votos em relação ao candidato Epitácio Cafeteira”, acrescenta.

A ação que está nas mãos do Ministério Público cita também casos recentes de fake news contra o Governo do Maranhão. Entre elas, a de que a morte de um médico no Piauí teria relação direta com Flávio Dino, mesmo sem nenhum indício dessa conexão e mesmo com o laudo oficial mostrando que ele se suicidou.

Sobre o mesmo caso, a TV Mirante divulgou que o secretário de Saúde do Maranhão, Carlos Lula, recorreu à Justiça para não ser preso pela morte do médico. Tal fato jamais existiu.

Cachê fictício

Outro caso recente envolveu o cantor Agnaldo Timóteo. O jornal O Estado do Maranhão publicou que o Governo do Maranhão pagou R$ 250 mil por um show do artista. O cachê, na verdade, foi de R$ 38 mil, como ficou provado.

A ação contra a Mirante ainda ressalta que o grupo vem omitindo, deliberadamente, o nome de Flávio Dino como um dos candidatos na eleição deste ano – mesmo sendo notório que ele vai disputar a reeleição. Isso é uma violação da lei que obriga o tratamento igualitário dos candidatos nas TVs. Já Roseana Sarney teve direito até a divulgar slogan de sua pré-campanha.

De acordo com a ação, o Sistema Mirante está descumprindo a recomendação do próprio Ministério Público Eleitoral que prevê o tratamento em condições de igualmente entre os partidos políticos e os pré-candidatos, “bem como o zelo pelo conteúdo das divulgações, configurando uso abusivo dos meios de comunicação”.

A peça pede que a Procuradoria Regional Eleitoral abra investigação para apurar os fatos e tome medidas judiciais para impedir que as irregularidades continuem acontecendo

TRE-MA terá Comitê de Segurança e Inteligência para combater fake news, diz diretor

O diretor geral do Tribunal Regional Eleitoral do Maranhão (TRE/MA), Flávio Vinicius Araújo Costa, falou sobre os preparativos da Justiça Eleitoral para a organização e fiscalização das eleições de outubro, em entrevista à TV Assembleia.

Segundo Flávio Costa, o TRE/MA já definiu todos os procedimentos, inclusive os que dizem respeito ao combate às chamadas “fake news” (notícias falsas). Para tanto, está sendo montado um Comitê de Segurança e Inteligência dentro da Corte.

“Considerando a dupla função da Justiça Eleitoral, qual seja, a de organizar e julgar as eleições, asseguro que já estamos preparados. Atuaremos em parceria com diversos órgãos, entre os quais, o Ministério Público Estadual, Federal e Eleitoral, e principalmente, com a boa imprensa”, complementou.

O diretor geral do TRE destacou as modificações na legislação eleitoral, que valerão para as eleições deste ano como, por exemplo, nos itens prestação de contas, fundo de campanha e limites de gastos, conforme as Leis 13.065/15, 13.487/17 e 13.488/17.

“Todo ano ímpar temos alterações na legislação eleitoral, em cumprimento ao princípio constitucional da anuidade, que prevê que as regras eleitorais sejam alteradas um ano antes das eleições. Isto nos impõe normas de caráter transitório, que só valem para aquela eleição”, salientou.

Ex-presidente da EBC critica campanha aberta de mídia controlada por Sarney contra Flávio Dino

O ex-presidente da Empresa Brasil de Comunicação (EBC), jornalista Ricardo Melo, criticou os sistemáticos ataques do Sistema Mirante de Comunicação, de propriedade da família do ex-senador José Sarney, ao governador Flávio Dino.

“O Estado do Maranhão, a TV Mirante do Sarney estão em campanha aberta contra o governador Flávio Dino com uma série de fake news, notícias improcedentes acusando o governador de coisas que ele não fez, de atos que ele não praticou”, disse Melo, durante apresentação do programa Contraponto, na Rádio Trianon AM de São Paulo.

O comentário se referia às notícias falsas produzidas pela TV do Sarney e repercutidas pela Rede Globo sobre papel assinado por um tenente coronel da Polícia Militar sobre suposto monitoramento de adversários políticos.

Ricardo Melo disse que o ambiente é de perseguição do grupo Sarney ao governo Flávio Dino em diversas áreas. “Um cerco em relação a verbas federais, cerco interno da mídia pesado”, criticou.

O ex-colunista do Jornal Folha de S. Paulo creditou os ataques ao êxito da gestão de Flávio Dino e o favoritismo nas eleições deste ano.

“O governador Flávio Dino faz uma administração exemplar nas condições colocadas. O Maranhão que era sempre lanterninha nos indicadores sociais e econômicos, na gestão dele teve crescimento. É o estado que mais cresceu no país, paga o melhor salário de professor do país. Faz uma política baseada em instrumentos de democracia e lidera as pesquisas com 60% das intenções de votos”, afirmou.

O jornalista afirmou que além do governador está fazendo uma administração exemplar tem sido uma das vozes mais respeitadas e abalizadas em defesa do presidente Lula e da democracia.

“Nossa solidariedade ao povo maranhense, nossa solidariedade ao governador Flávio Dino. Sarney vamos combinar… já era! Já era Roseana! Deixa o Flávio Dino trabalhar”, afirmou.