Prefeito Edivaldo lança 12ª edição da Feira do Livro de São Luís

“A Brasilidade na Cultura Contemporânea” é o tema da 12ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS), que será promovida pela Prefeitura de São Luís de 16 a 25 de novembro, no Multicenter Sebrae. Nesta quarta-feira (31), o prefeito Edivaldo Holanda Júnior lançou oficialmente o evento, que este ano tem como patrono o escritor maranhense Graça Aranha, um dos articuladores da Semana de Arte Moderna, movimento artístico de grande importância para história e a cultura brasileira. A FeliS é coordenada pela Secretaria Municipal de Cultura (Secult), com apoio da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e tem como correalizadores o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e o Serviço Social do Comércio (Sesc).

“É com muita felicidade que estamos preparando essa grande festa da nossa literatura. Será uma semana repleta de atividades para enaltecermos nossas letras, nossas artes, valorizar nossos escritores e a cultura ludovicense de modo geral. A Feira do Livro de São Luís já é um patrimônio da nossa cidade e se transformou no maior espaço de estímulo à leitura e fomento à literatura do Maranhão. Realizaremos centenas de atividades para todas as idades e convidamos toda a população para participar desse grande momento literário”, disse o prefeito Edivaldo que estava acompanhado do vice-prefeito, Julio Pinheiro e dos secretários Marlon Botão (Cultura) e Moacir Feitosa (Educação).

No lançamento, realizado no auditório Fernando Falcão, o prefeito e o secretário municipal de Cultura, Marlon Botão, apresentaram a programação da 12ª FeliS à imprensa, parceiros, escritores e convidados. A programação completa do evento já está disponível no site http://www.feiradolivrodesaoluis.com.br/programacao. Participaram do ato de lançamento da 12ª Felis o superintendente do Sebrae-MA, João Batista Martins; a diretora regional em exercício do Sesc-MA, Rutineia Amaral; a gerente de Relações Institucionais da Vale, Gisele Pinto; e o diretor da Companhia Maranhense de Gás (Gasmar) José Artur Cabral.

A FeliS tem ainda como apoiadores do evento o Governo do Maranhão, a Vale, a Companhia Maranhense de Gás (Gasmar), a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), a Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Associação dos Livreios do Maranhão e a Potiguar.

CONHECIMENTO

O superintendente do Sebrae-MA, João Batista Martins, disse que a instituição sente-se honrada de participar como coorrealizadora da Felis, por trazer em sua essência a democratização do conhecimento, um dos bens mais precisos que se pode oferecer às pessoas. “Enxergamos a FeliS como um espaço propício à disseminação do conhecimento. Além disso, esta iniciativa vai ao encontro de uma de nossas maiores missões, que é levar o saber e o estímulo às potencialidades das pessoas, principalmente na área do empreendedorismo. Por isso vamos levar à Feira uma programação de ações do nosso projeto de economia criativa e do programa nacional de educação empreendedora”, disse.

Representando o Sesc-MA, outra instituição correalizadora do evento, a diretora regional em exercício da instituição, Rutineia Amaral, também enfatizou o caráter educativo e cultural da FeliS. “O Sesc por ser uma instituição de promoção de ações socioeducativas e culturais tem a felicidade de participar desse evento tão importante para a cultura local. A instituição é parceira dessa iniciativa realizada pela Prefeitura de São Luís porque acreditamos na educação e na cultura como ações transformadoras da sociedade. E a Feira é a forma mais democrática de acesso à literatura e à cultura, além de promover a inclusão, pois muitas vezes o espaço é a única oportunidade que muitas pessoas têm de ter acesso aos livros, às vivências literárias e a outras experiências na área”, disse Rutineia Amaral.

Também participaram do evento o presidente da Academia Ludovicense de Letras, Antônio Noberto; o presidente da Sociedade de Cultura Latina Americana no Brasil, Dilercy Adler; a presidente da Federação das Academias de Letras do Maranhão, Jucey Santana; a presidente da Associação dos Livreios do Maranhão, Marisete de Jesus Castro; o pró-reitor de Assistência Estudantil da Universidade Federal do Maranhão, Manuel de Jesus Barros; o presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, José Augusto Silva; e Ana Rosa Silva, coordenadora da 1ª edição da Feira SLZ Preta, que acontecerá dentro da FeliS.

FOMENTO À LITERATURA

A expectativa é que cerca de 200 mil pessoas visitem a Feira nos 10 dias de realização do evento, que também homenageará os maranhenses Joaquim Gomes de Sousa e João Antônio Coqueiro, ambos matemáticos de destaque nacional. Segundo o secretário Marlon Botão, a FeliS, que estará aberta à visitação das 10h às 22h, terá como principal conceito decorativo os mirantes de São Luís e realizará mais de 500 atividades nos 10 dias de programação, entre estas mais de 50 lançamentos de livros, exposições, palestras, conferências, oficinas, espetáculos teatrais, minicursos, rodas de conversa, apresentações culturais, performances poéticas, pockets shows, contações de histórias, entre outras atividades.

O maior evento literário do Maranhão chega a 12ª edição com o objetivo de fomentar á tradição literária e cultural, propiciar o maior acesso ao livro, estimular a formação de novos leitores e incentivar as cadeias produtivas e criativas do livro e da leitura. “A FeliS é, hoje, uma ação de governo, faz parte da vida da cidade e ganha a cada ano proporção nacional, pois nossa vasta programação nesta edição traz 15 escritores nacionais e livrarias de todo o Brasil”, destacou o secretário Marlon Botão.

A FeliS é uma das poucas Feiras do Brasil com acesso totalmente gratuito, garantido oportunidade para que a população participe maciçamente das atividades. “Por isso, este ano teremos atividades que contarão com uma maior participação da população, principalmente de estudantes, com o envolvimento de mais de 10 mil alunos da rede pública municipal e estadual, além da participação espontânea de caravanas de estudantes de 14 municípios maranhenses”, afirmou Marlon Botão.

O evento, realizado gratuitamente, contará com a participação de nomes importantes do atual cenário literário local e nacional, como André Neves, Fabrício Carpinejar, Elza Diniz, Gaspar Záfrica, Fernando Granato, entre outros. As atividades serão distribuídas em dezenas de espaços e palcos espalhados pelas instalações do Multicenter Sebrae. Entre eles estão o Palco FeliS, Casa do Escritor, Café Literário, Planetário, Cine FeliS, Espaço Mulher, Espaço Criança Sesc, Espaço da Juventude, Espaço Criança Semed, Carro Biblioteca, Auditório Punga dos Saberes, Auditório Graça Aranha, Auditório Casa do Professor , entre outros. O evento contará ainda com o apoio de monitores das áreas de letras, biblioteconomia, pedagogia, comunicação e arte.

SAIBA MAIS

Feira do Livro de São Luís (FeliS), foi criada pela Lei Municipal nº 4.449, em 2005, com o objetivo de fomentar a tradição literária e cultural da capital maranhense, propiciar o maior acesso ao livro, estimular a formação de novos leitores e incentivar as cadeias produtivas e criativas em torno do livro e da mediação da leitura.

Desafios do patrimônio cultural do Maranhão foi tema de debate na FeliS

Patrimônio histórico, arqueologia, cultura e educação patrimonial foram temas que provocaram reflexões durante roda de conversa realizada na quarta-feira, 14, sobre Patrimônio Cultural do Maranhão. A programação fez parte da 11ª Feira do Livro de São Luís, que segue até o domingo, 19, no Centro Histórico da cidade.

Falando para um grupo de jovens estudantes de escolas da rede pública estadual, o superintendente do Patrimônio Cultural do Maranhão, Luís Eduardo Longhi, destacou a importância do reconhecimento sobre o patrimônio cultural pelas novas gerações. “Ter um olhar sobre o nosso passado nos ajuda a pensar o que queremos ser, a construir um futuro a partir de um sentimento de pertencimento”, pontuou.

Também participaram da roda de conversa o diretor do Convento das Mercês, Paulo Melo, o diretor do Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia, Deusdedith Carneiro, e o diretor do Centro Vocacional Tecnológico Estaleiro-Escola, Luiz Phelipe Andrés.

Educação patrimonial
A estudante do curso de história da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Dayane Silva Pereira, que há três anos coordena um projeto de educação patrimonial nas escolas de ensino médio e fundamental da rede pública, chamou a atenção da necessidade de ampliar a formação nas escolas e criar políticas públicas que favoreçam a aproximação do indivíduo ao seu patrimônio cultural.

Eduardo Longhi informou que está em andamento na Superintendência de Patrimônio Cultural, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Cultura e Turismo (Sectur) projeto de educação patrimonial que prevê atividades de valorização do patrimônio material e imaterial do Maranhão. “Defender o patrimônio é defender nossa identidade e memória, e é isso que nos diferencia”, ressaltou.

Para o professor e arquiteto, Luiz Phelipe Andrés, uma alternativa de ensino da educação patrimonial é a transversalidade, método que insere o tema em diferentes áreas de ensino por meio de abordagens variadas. “Como professor faço isso para chamar a atenção dos estudantes sobre a importância do patrimônio e suas práticas de valorização”.

Patrimônio arqueológico
A estudante do 1º ano do ensino médio da escola Haydee Chaves, Erica Krisly, gostou do que viu nas imagens dos sítios arqueológicos apresentados pelo diretor do Centro de Pesquisa e Arqueologia do Maranhão, Deusdedith Carneiro. “Fiquei curiosa para conhecer o museu que fica no centro histórico”, afirmou.

Curiosidades como os paredões encontrados no município de Grajaú, as escavações realizadas em Caxias e que resultaram na criação do Memorial da Balaiada foram algumas entre tantas informações apresentadas pelo antropólogo Deusdedit Carneiro, que ressaltou a importância do conhecimento, valorização e preservação patrimonial para a transformação da história e formação da cidadania.

Josué Montello e a cidade de Alcântara em alta na Feira do Livro

A obra ‘Noite sobre Alcântara’, do escritor maranhense Josué Montello, foi destaque na tarde desta quarta-feira (15), na Feira do Livro de São Luís (FeliS 2017), que acontece na Praia Grande.

Em palestra concorrida, com o tema “Noite sobre Alcântara: crônica de uma profecia contrariada”, o poeta maranhense e jornalista, Paulo Melo, discorreu  sobre a fascinante obra de Josué Montello, que coloca cidade histórica de Alcântara como o centro do romance. “Alcântara hoje tem uma vida cultural e  turística. É uma cidade que está viva e além de sua história e casarões, tem um patrimônio imaterial riquíssimo”,  destacou.

O poeta também ressaltou seus estudos e pesquisas sobre Alcântara e o livro que está escrevendo a respeito da cidade.

O secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão, que foi mediador da palestra, realçou a importância de um dos principais escritores da literatura maranhense e brasileira. “É fundamental trazer a discussão sobre Josué Montello para feira pela importância do legado que ele deixou para todos nós, sobretudo, ao falar sobre Alcântara, que é um patrimônio vivo do povo do Maranhão. Foi um honra contribuir com FeliS ao mediar esse debate”, enfatizou.

A professora universitária, Herli de Sousa Carvalho, parabenizou pela palestra e destacou a riqueza de Alcântara.”Quando você lê essa obra chega o momento em que paramos a leitura para viajar até a cidade e ter a experiência de conhecer as riquezas daquele lugar”, revelou.

O livro ‘Noite sobre Alcântara’ está sendo reeditado pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e será lançado em fevereiro de 2018.

Fapema realiza lançamento da Revista Inovação n 32 na Felis

Governo do Estado do Maranhão, a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti) e a Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema) realizaram no último sábado, dia 11, o lançamento da 32ª edição da Revista Inovação, que divulga pesquisas sobre São Luís em homenagem aos 405 anos da cidade.

O lançamento foi realizado no estande da Fapema, na 11ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS), no Centro Histórico de São Luís. O dispositivo de honra da solenidade contou com a presença do secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Davi Telles; do diretor-presidente da Fapema, Alex Oliveira; da diretora-financeira da Fapema, Mariza Mendes; da diretora-científica da Fapema, Silvane Magali Nascimento; e pesquisadores que tiveram trabalhos publicados nesta edição da Revista Inovação.

“É muito bom ver a continuidade dessa política importante da Fapema que sintetiza boa parte das suas pesquisas nas mais diversas áreas de conhecimento, na Revista Inovação. É algo bastante importante para as políticas de fomento à pesquisa. A revista é uma publicação que incentiva os pesquisadores a continuar produzindo seus estudos em alto nível. Claro que, também, com um cenário como esse da Feira do Livro, homenageando Maria Firmina dos Reis e tendo como pano de fundo o tema dos 405 anos de São Luís, parece que fez com que todos os elementos se convergissem para essa noite maravilhosa”, disse o secretário de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação, Davi Telles.

Segundo o diretor-presidente da Fapema, Alex Oliveira, várias questões de planejamento são pautadas na revista, como mobilidade, patrimônio histórico e meio ambiente. “A cidade só pode crescer se preservar aquilo que ela tem de mais caro, que são os seus recursos naturais e culturais. Porque eles não são renováveis. Não se pode substituir um patrimônio histórico. Então é esse entendimento que faz com que a gente se preocupe com as questões culturais e naturais que precisam estar no eixo de qualquer processo de planejamento para a nossa cidade”, afirmou o diretor-presidente da Fapema.

A pesquisadora Karen Beatriz Barros, graduada em Direito e mestra em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Maranhão (UFMA), teve uma reportagem publicada na Revista Inovação sobre um estudo que desenvolveu por meio de princípios definidos a partir do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) com o objetivo de analisar o Programa Família Acolhedora, o serviço de acolhimento gerido pela Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas).

“Gostaria de agradecer a Fapema por ter escolhido o resultado da minha dissertação para uma publicação nessa edição especial da Revista Inovação em homenagem a São Luís. Em toda a minha vida acadêmica eu sempre gostei de pesquisa e estudar crianças e adolescentes e direito da família. Na dissertação não foi diferente. Eu não poderia escolher outro tema. Sou apaixonada por essa vertente do Direito. O Programa Família Acolhedora tem como meta proporcionar proteção social através do acolhimento temporário às crianças e adolescentes vítimas de violações de direitos”, destacou Karen Barros.

11ª Feira do Livro de São Luís será realizada em novembro

A 11ª edição da Feira do Livro de São Luís – a FeliS – , maior evento literário e cultural da capital maranhense, ganhou datas: o evento será realizado do dia 10 a 19 de novembro, na Praia Grande, no Centro Histórico.

A FeliS funcionará das 10h às 22h e terá uma vasta programação com palestras e apresentações culturais, lançamentos de livros, exposição, espaço infantil e uma série de atividades literárias com convidados de renome nacional.

Este ano, a feira terá como patrona Maria Firmina dos Reis e o tema será Maria Firmina dos Reis e a Literatura Feminina. Uma homenagem à escritora maranhense considerada a primeira romancista brasileira.

Maria Firmina dos Reis

A escritora maranhense Maria Firmina dos Reis ganhou notoriedade por sua ousadia, originalidade e pioneirismo no cenário literário nacional destacando-se como contista, folclorista, poetisa, abolicionista, compositora e primeira romancista brasileira.

A feira prestará uma homenagem à Maria Firmina dos Reis e à Literatura Feminina, lançando um olhar para vida e obra da primeira romancista negra do Brasil, que abordou temas complexos para o contexto social em que viveu, subvertendo uma ordem imposta que segregava a mulher.

Sua trajetória de vida transcende o próprio percurso histórico, configurando-se até hoje, uma personalidade literária que enaltece o gênero feminino.

De Site Volts

Governo e Prefeitura anunciam preparativos para Feira do Livro

O Governo do Estado e a Prefeitura de São Luís iniciaram o planejamento das ações para a 11ª edição da Feira do Livro de São Luís, a FeliS, maior evento literário e cultural da capital maranhense. O evento será realizado do dia 10 a 19 de novembro, na Praia Grande (Centro Histórico).

A FeliS funcionará das 10h às 22h e terá uma vasta programação com palestras e apresentações culturais, lançamentos de livros, exposição, espaço infantil e uma série de atividades literárias com convidados de renome nacional.

Este ano a feira terá como patrona Maria Firmina dos Reis e o tema será ‘Maria Firmina dos Reis e a Literatura Feminina’. Uma homenagem à escritora maranhense considerada a primeira romancista brasileira.

“A FeliS fomentará a reflexão acerca da questão de gênero e dos aspectos étnicos raciais e do protagonismo feminino revelado pela singularidade da escritora maranhense Maria Firmina dos Reis. Para tanto, o Governo do Maranhão e a Prefeitura de São Luís estão trabalhando com apoio de diversas instituições, entidades e empresas parceiras para fazer desta edição um marco para a cidade, fortalecendo a cultura maranhense e levando conhecimento para o público de todas as idades”, destaca o secretário de Estado da Educação, Felipe Camarão.

“É um evento com multiplicidade de ações, a 11ª edição da FeliS objetiva a promoção do conhecimento e a valorização de suas vertentes. É um espaço de inclusão, de acesso garantido a todos e todas, com vivências e experimentos diversos”, pontua o secretário municipal de Cultura, Marlon Botão.

O secretário de Estado da Cultura e Turismo, Diego Galdino, também destacou a importância da FeliS. “A Feira do Livro de São Luís já faz parte do calendário oficial de eventos do Maranhão. Por meio dela, movimentamos a economia criativa, desenvolvemos atividades de incentivo à leitura e reconhecemos os escritores maranhenses”, ressaltou.

O evento terá a correalização do Serviço Social do Comércio (SESC), a parceria da Academia Ludovicense de Letras, Academia Maranhense de Letras, Associação dos Livreiros do Estado do Maranhão, Associação dos Escritores Independentes e o patrocínio das empresas Vale e Potiguar, além do apoio de outras organizações e entidades.

Maria Firmina dos Reis

A escritora maranhense Maria Firmina dos Reis ganhou notoriedade por sua ousadia, originalidade e pioneirismo no cenário literário nacional destacando-se como contista, folclorista, poetisa, abolicionista, compositora e primeira romancista brasileira. A feira prestará uma homenagem à Maria Firmina dos Reis e à Literatura Feminina, lançando um olhar para vida e obra da primeira romancista negra do Brasil, que abordou temas complexos para o contexto social em que viveu, subvertendo uma ordem imposta que segregava a mulher. Sua trajetória de vida transcende o próprio percurso histórico, configurando-se até hoje, uma personalidade literária que enaltece o gênero feminino.