Integrante de grupo estelionatário preso em São Luís ostentava vida de luxo e se dizia contra a corrupção

Da redação

Luís Gustavo de Oliveira Melo, de 25 anos, é um dos integrantes de uma associação criminosa presa neste sábado (19) acusada de tentar praticar o crime de esteletionato ao Banco do Brasil. Gustavo Melo como é identificado nas redes sociais ostentava vida de luxo e se dizia contra a corrupção em suas postagens.

Já o segundo integrante da quadrilha, Rayan Hallef Rodrigues Fontoura, tem 23 anos e é advogado formado pela Universidade Mackenzie, de São Paulo, conhecida como uma das universidades pagas mais caras do país. Rayan Hallef frenquentava a igreja e amigos dele afirmam que jamais imaginaram o envolvimento dele com qualquer tipo de prática criminosa.

Eles juntamente ao terceiro integrante, Eduardo Balluz Neto, de 19 anos, foram presos em flagrante pela Polícia Civil, por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) após terem apresentado documentos falsos (procuração reconhecida em cartório e cópia de identidade de terceiro) junto ao Banco do Brasil (agência da Cohama). O grupo foi autuado pelos crimes de Associação Criminosa e Estelionato na modalidade tentada.

O intuito dos presos era o de receber o valor de R$35 mil referente a uma Requisição de Pequeno Valor (RPV) – verba oriunda de pagamentos de condenações judiciais contra a Fazenda Pública – pertencente a uma cliente do banco.

Após averiguações, verificou-se que os três indivíduos fazem parte de grupo criminoso especializado na falsificação de documentos para o recebimento de verbas desta natureza em várias agências bancárias do Maranhão, inclusive em relação a beneficiários que já vieram a óbito, o que será apurado no decorrer das investigações. Após a prisão, eles foram encaminhamos ao Sistema Penitenciário Estadual, onde ficarão à disposição da Justiça.

EXCLUSIVO | Audiência de acusado de assassinar agente penitenciário acontece nesta tarde (11)

O portal Página 2 obteve com exclusividade a informação de que a audiência de custódia de Idael Melo roxo, de 29 anos, acusado de assassinar o agente penitenciário Jorge Luís Lobo da Cunha, de 37 anos, no último domingo (09) acontece na tarde desta terça (11), na central de custódia no Fórum Desembargador Sarney Costa, às 15 horas.

O crime aconteceu por volta das 16h30, na Avenida Litorânea e é investigado como crime por encomenda pela Polícia Civil do Maranhão.

Idael foi preso em flagrante, interrogado e encaminhado ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Informações sobre o andamento do caso foram repassadas pela equipe da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), na última segunda-feira, 10, na sede da instituição, bairro Vila Palmeira.

VEJA TAMBÉM:

Agente penitenciário pode ter sido morto por crime de encomenda

O agente Jorge Luís da Cunha foi morto a tiros nas proximidades do bar Espuma do Mar, na Litorânea. Instantes após o ocorrido, policiais da CPTur que rondavam a área avistaram a aglomeração de pessoas e ao se aproximar viram a vítima estendida no calçadão, já sem vida.

Populares informaram a fuga do suspeito que foi avistado pela polícia nas proximidades do Restaurante Cabana do Sol, quando tentava fugir em uma bicicleta.

 

Agente penitenciário pode ter sido morto por crime de encomenda

A polícia investiga a linha de crime de encomenda no caso da morte do agente penitenciário Jorge Luís Lobo da Cunha, 37 anos, assassinado a tiros na tarde do domingo, 9, na Avenida Litorânea. Segundo as investigações, o suspeito identificado como Idael Melo Roxo, 29 anos, teria sido avisado da presença da vítima. Idael foi preso em flagrante, interrogado e encaminhado ao Complexo Penitenciário de Pedrinhas. Informações sobre o andamento do caso foram repassadas pela equipe da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA),nesta segunda-feira, 10, na sede da instituição, bairro Vila Palmeira.

O secretário da SSP-MA, Jefferson Portela, destacou o trabalho imediato das equipes de polícia que estavam trabalhando na ocasião, que culminou com a prisão do suspeito. “A ação rápida da polícia foi determinante para a solução deste caso e a investigação vai à procura dos demais que possam estar envolvidos neste crime cruel e frio. O agente teve sua vida interrompida por um criminoso, o fato não ficará impune e o culpado sentirá o rigor da lei”, enfatizou o secretário de Segurança.

“Foi um crime hediondo, no qual a vítima não teve condições de defesa e cometido por um suspeito que tem um histórico de homicídio contra si. A polícia estava a postos e conseguiu impedir que ele fugisse, e, agora, responderá por mais esse ato criminoso. A Segurança está investigando o caso, pois há indícios de mais envolvidos e está prestando a devida assistência à família do agente”, reforçou o delegado-geral de Polícia Civil, Lawrence Melo, durante a coletiva.

A prisão foi efetuada pela Companhia de Policiamento de Turismo Independente (CPTur-Ind), que faz ronda na área litorânea. Com o suspeito a polícia apreendeu dois revólveres calibres 38 (com as cinco munições deflagradas) e 32 (com as cinco munições intactas) – ambos com numeração raspada; e uma bicicleta. Em depoimento, o suspeito disse ter atirado no agente por achar que alguém queria lhe matar, mas a alegação é descartada pela polícia.

“Essa justificativa não convence, pois há testemunhas que viram o suspeito saindo das dunas e investindo contra a vítima, sem nada dizer. Inclusive, a vítima estava de costas para ele na ocasião, ou seja, não tinha como vê-lo”, explicou o diretor do Departamento de Homicídios da Capital, delegado Lúcio Rogério Reis. Ainda com base no primeiro depoimento do suspeito, o delegado avalia que ele não conhecia o agente. “É o que nos parece, mas alguém no local pode tê-lo reconhecido e acionado o autor para executar o crime. Estamos investigando e outros envolvidos devem ser identificados brevemente”, informou Reis.

Entre as acusações contra ele estão crime de homicídio qualificado (pela torpeza mediante emboscada) e por ter como vítima servidor da área de segurança pública. O suspeito tem ainda em sua ficha um registro de prisão em 2016, pelo assassinato de um taxista. Outros depoimentos serão coletados com o suspeito e a investigação do caso segue pela Delegacia de Polícia Civil da Área Oeste, sob comando do delegado Wang Chao Jen.

O caso

O agente Jorge Luís da Cunha foi morto a tiros, por volta das 16h30, nas proximidades do bar Espuma do Mar, na Litorânea. Instantes após o ocorrido, policiais da CPTur que rondavam a área avistaram a aglomeração de pessoas e ao se aproximar viram a vítima estendida no calçadão, já sem vida. Populares informaram a fuga do suspeito que foi avistado pela polícia nas proximidades do Restaurante Cabana do Sol, quando tentava fugir em uma bicicleta.

O suspeito foi conduzido ao Plantão da Cajazeiras e identificado por várias testemunhas como autor do crime. “As equipes ficam de prontidão em toda a extensão da orla marítima e assim foi possível interceptar o suspeito enquanto empreendia fuga”, explicou o tenente-coronel José Roberto Moreira Filho, comandante da CPTur. O agente penitenciário Jorge Luís Lobo era servidor temporário e trabalhava no Centro de Detenção de Pedrinhas (CDP).

‘Dijé’ é presa no João Paulo

Dijé foi presa 02 (duas) vezes na cidade de Pinheiro

Uma operação da Polícia Civil do Maranhão,  por intermédio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), em diligências no bairro João Paulo, deu cumprimento ao mandado de prisão preventiva à Maria de Jesus Rodrigues de Sousa, vulgo “Dijé”.

Dijé é acusada de estelionato e outras fraudes, já tendo sido presa 02 (duas) vezes na cidade de Pinheiro (flagrante pelo crime de estelionato, em 2006 e prisão preventiva, em 2010). O mandado de prisão foi expedido pela Comarca de São José de Ribamar.

Ela também é acusada de cometer fraudes contra instituições financeiras e, também, contra o INSS (empréstimos fraudulentos, saques de benefícios de pessoas já falecidas). Após o cumprimento das formalidades legais, Dijé foi encaminhada ao Sistema Penitenciário Estadual onde permanecerá a disposição do Poder Judiciário.

Preso suspeito de homicídio em Timon

A Policia Civil através da Delegacia de Homicídios de Timon, conseguiu prender na tarde deste domingo (18), o nacional José de Jesus Pinto Neto, 19 anos, o “Paizim”, sob acusação na participação da morte de Marco Antônio Oliveira na cidade.

Segundo relatos do delegado Antônio Valente, a vítima Marco Antônio estava desaparecida desde o dia 04 de junho do corrente ano. Após investigações incessantes de cerca de uma semana a equipe conseguiu chegar no dia 11 de junho, até uma estrada vicinal nas proximidades da BR 226 em Timon, encontrando o corpo e o carro que a vítima usava no dia do crime. O automóvel estava completamente queimado e o corpo localizado cerca de 40 metros do local.

Paizim que reside no bairro Cidade Nova foi preso e confessou sua participação no homicídio e, que a motivação foi furtar a vítima, levando apenas um anel e a quantia de R$50,00 em espécie.

O acusado é tido como foragido da Justiça maranhense por ter rompido tornozeleira eletrônica de monitoramento. A polícia já possui a qualificação e fotos dos outros dois envolvidos, sendo um deles adolescente.

As averiguações obtiveram as participações do 2° e 4° DP de Timon e os mandados de prisões requeridos a delegacia de homicídios, ainda no final de semana ao plantão do Ministério Público e Judiciário.

Envolvidos com o tráfico de drogas serão apresentados hoje (16)

A Polícia Civil do Maranhão realizará na manhã desta sexta-feira (16), por volta das 10:30hs, em coletiva à imprensa na Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (SENARC).

O objetivo é prestar esclarecimentos acerca da prisão de quatro pessoas envolvidas, com o tráfico de entorpecentes na região da Raposa.

Após investigações, a equipe da Senarc prendeu na noite desta quinta-feira (15), quatro acusados com a posse de 300 kg de maconha prensada.

 

1° Encontro de Delegadas da Mulher do Estado acontece hoje (31)

A Polícia Civil, por meio da Coordenadoria das Delegacias de Atendimento e Enfrentamento à Violência contra a Mulher (CODEVIM), sediará na manhã desta quarta-feira (31) e segue até a próxima sexta-feira (02), o 1° Encontro de Delegadas da Mulher do Estado, que será realizado no Auditório do Complexo de Comunicação da Assembleia Legislativa.

O evento, que inicia às 08h30 segue até às 17h30, e tem como pauta a capacitação das delegadas na atuação dos mais diversos crimes relacionados a mulher. Palestras serão ministradas tendo como foco o enfrentamento a violência contra as mulheres, tais como feminicídios, ameaças, crimes sexuais, dentre outras ocorrências.

SERVIÇO:

O QUÊ: 1° Encontro de Delegadas da Mulher do Estado do Maranhão;

QUANDO: Desta quarta-feira (31) até sexta-feira (02/06);

HORÁRIO: Das 08:30 às 17:30;

ONDE: No auditório do Complexo de Comunicação da Assembleia Legislativa, na Av. Jerônimo de Albuquerque, 7.200, Alto do Calhau;

SUGESTÃO DE SONORA: Delegado Geral de Polícia Civil – Lawrence Melo e Delegada da CODEVIM – Kazumi Tanaka;

EXCLUSIVO | Veja a chegada de Roberto Elísio à SEIC

Com exclusividade, o portal Página 2 obteve as imagens da chegada do homem flagrado agredindo a mãe, Roberto Elisio Coutinho, em São Luís. O bacharel em Direito está prestando depoimento neste momento na  Superintendência Estadual de Investigação Criminal (SEIC) da Polícia Civil do Maranhão.

Homem flagrado agredindo a mãe é apresentado à SEIC

(Foto: Divulgação/Whats App)

O homem de nome Roberto Elísio Coutinho já se encontra na Superintendência Estadual de Investigação Criminal (SEIC) da Polícia Civil do Maranhão. Ele foi conduzido pela polícia após pedido da delegada de Proteção ao Idoso, Igliana Freitas.

Bacharel em Direito, Roberto foi filmado agredindo a própria mãe de 84 anos, em São Luís. O vídeo causou comoção e revolta na população. Elísio ainda tentou se justificar dando entrevista a uma rádio local, alegando ser “esquizofrênico”.

O caso desde que veio à tona em gravação anônima estava sendo acompanhado de perto por entidades de proteção do idoso no Maranhão.

A juíza titular da 8ª Vara Criminal da capital, Oriana Gomes, além do promotor de justiça, José Cutrim, Conselho Municipal do Idoso e a Secretaria Estadual de Direitos Humanos do Maranhão (Sedihpop) também estão acompanhando as investigações do caso.

 

Aplicativo ByZu 2.0 da polícia recebe nova atualização

A Polícia Civil do Maranhão anunciou a nova versão do aplicativo da instituição de denúncia, o ByZu 2.0.  Além do texto, a partir de agora o aplicativo oferecerá o mecanismo de anexar até 5 fotos e a possibilidade para acrescentar o endereço e pontos de referência para um trabalho mais eficaz. As melhorias visam garantir mais agilidade no recebimento das informações e maior participação da população, que garante o total anonimato do denunciante.

De acordo com o Superintendente de Polícia Civil da Capital (SPCC) Armando Pacheco, desde que foi lançado em 2016, o aplicativo já ultrapassou 5,5 mil downloads, e em média recebe de 20 a 30 denúncias diárias que apontam apreensão de armas de fogo, drogas e prisões. Tais denúncias tem favorecido a polícia na identificação de quadrilhas.

O aplicativo ByZu 2.0 para ser utilizado pode ser baixado na página do Google Play, sendo compatível com o sistema Android, tendo atualização automática. Assim que instalado o internauta clica no link DENÚNCIA e marca o tipo da criminalidade que vai relatar, em seguida informa o ENDEREÇO junto com o PONTO DE REFERÊNCIA e por fim é necessário descrever por meio de um texto a denúncia.

Vale lembrar que a ferramenta fica disponível todos os dias, durante 24 horas para o estado do Maranhão, sendo que as denúncias passam por processo de apuração por uma equipe altamente especializada da Polícia Civil.