Polícia suspeita de envolvimento de políticos do MDB no assassinato de Marielle

Revista Fórum

Três deputados estaduais do MDB-RJ estão sendo investigados por participação no assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), ocorrido em 14 de março, segundo o deputado estadual Marcelo Freixo (Psol-RJ). Em entrevista ao site da revista Veja, Freixo contou que ele participou de reunião com procuradores do Ministério Público Federal para tratar da ligação de políticos emedebistas na morte de Marielle.

Os parlamentares investigados são Edson Albertassi, Jorge Picciani e Paulo Melo – todos estão presos desde 2017, acusados de envolvimento com uma máfia de empresários de ônibus. Freixo não descarta a participação dos deputados no crime. Para Freixo, o assassinato de Marielle foi um crime político – no atentado também morreu o motorista Anderson Gomes. “Quem matou mandou um recado. E, se continuar solto, vai matar mais gente”, concluiu.

Em 11 de maio, a polícia tinha indícios da participação de “políticos importantes” no caso. Nesta terça, (07/08), o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, afirmou que o assassinato de Marielle envolve agentes de Estado, inclusive políticos. A Polícia Civil trabalha numa linha de investigação que liga o assassinato a políticos do MDB.

De acordo com essa linha de investigação, o assassinato seria uma forma de vingança para atingir o próprio Freixo – Marielle entrou na política como assessora do deputado, que se referia à vereadora como “minha filha”. Por conta de seu trabalho à frente da CPI das Milícias, ele sofreu várias ameaças de morte e, há dez, anos anda em carros blindados, protegido por policiais militares, o que dificultaria um atentado contra ele.

Assim, os políticos do MDB atribuiriam ao parlamentar do PSOL a responsabilidade por eles terem sido presos – decisão tomada em ação judicial protocolada por Freixo, a Justiça impediu que o deputado Edson Albertassi disputasse uma cadeira de conselheiro no Tribunal de Contas do Estado. Se fosse conselheiro do TCE, Albertassi teria seus processos judiciais remetidos para o Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Denunciados no mesmo processo receberiam o mesmo benefício.

Pelas normas do TCE, a vaga de conselheiro iria para um técnico da instituição. Mas, no fim do ano passado, o governo estadual decidiu que a cadeira seria de Albertassi. A nomeação passou a ser tratada com urgência. No dia 7 de novembro, Freixo foi à tribuna da Assembleia Legislativa e criticou de maneira dura a indicação. Freixo entrou com a ação judicial contra a escolha de Albertassi que, derrotada em primeira instância, obteria, no dia 13, uma liminar no TJRJ, impedindo a ida do deputado para o TCE.

No dia seguinte, 8 de novembro, PF e o MPF deflagraram a Operação Cadeia Velha, prendendo um filho de Picciani e a realização de buscas em escritórios e residências dos três deputados. Dois dias depois, o Tribunal Regional Federal da 2ª Região determinou a prisão dos três – isto não teria sido possível caso Albertassi tivesse ido para o TCE.

Freixo desconfia da versão de uma testemunha de que Marielle tenha sido morta por ter contrariado interesse de milicianos envolvidos em disputas de terras na Zona Oeste. A testemunha relacionou o crime ao assassinato de Carlos Alexandre Pereira, o Cabeça, assessor informal do vereador Marcello Siciliano (PHS). Um policial foi afastado ao não relacionar os dois fatos.

Polícia retira de circulação armas de fogo em São Luís

A Polícia Militar do Maranhão (PMMA) retirou de circulação mais duas armas de fogo na Região Metropolitana  de São Luís. As ações aconteceram, nesse sábado (9), nos bairros da Liberdade e Itapera e foram realizadas pelo 9º BPM e 21º BPM. Nas operações foram detidas três pessoas.

Na primeira ação, policiais militares do 9º BPM apreenderam uma pistola pertence a Polícia Civil do Maranhão. A arma, que estava carregada  com onze munições intactas, foi apreendida em uma residência na Rua Araponga, no Bairro da Liberdade. Carlos Henrique Mendes, de 18 anos, e um adolescente de 17 anos foram detidos.

No Bairro Itapera, zona rural de São Luís, policiais militares do 21º BPM aprenderam um revólver calibre 38 com seis munições intactas e a quantia de R$ 2.850,00 em dinheiro durante abordagem a Valdimar Cutrin Costa, de 41 anos.

Nas as duas ações, os detidos juntamente com os materiais apreendidos foram apresentados nos plantões da Polícia Civil.

Polícia investiga morte de sargento da polícia militar e namorada

Central de Notícias

policial militar identificado como sargento Marcos Vinícius Gomes Costa, de 43 anos, matou a ex-namorada Marcele Cardoso da Silva, de 26 anos, e logo em seguida tirou a própria vida.

De acordo com as primeira informações policiais. Os corpos foram encontrados na manhã desta quinta-feira (07), em um quarto na casa da mãe do sargento, no bairro Cohab, em São Luís. A suspeita é que o crime tenha acontecido na noite dessa quarta-feira (6).

Marcele da Silva tinha um filho de três anos de outro relacionamento e era servidora do Detran. O policial também tinha um filho de quatro anos de outro relacionamento e era lotado no Comando Geral da Polícia Militar.

Segundo informações de parentes de Marcos Vinícius, ele teria ligado na noite de quarta pra ex-mulher (com quem tem um filho) dizendo que ia se matar.

Pelas informações da família de Marcele, o sargento estava tentando a reconciliação com ela, insistindo através de contatos telefônicos. Horas antes de ser morta, a família disse que ela entrou em contato falando que iria na residência do ex-namorado a pedidos dele. Preocupados com a falta de contato desde então, os pais da vítima foram até a casa onde o sargento estava morando e encontrando o imóvel fechado, ligaram para uma irmã de Marcos Vinícius para que eles pudessem entrar na casa e foi quando viram os corpos em um dos quartos.

A investigação segue ao comando da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SHPP).

Assaltos a coletivos caem mais de 26% em São Luís, aponta Polícia

Incidindo em ações planejadas, a Polícia Militar do Maranhão, em ações de abordagens e ainda preventivas em coletivos, culminou em cerca de 8,709 abordagens, entre janeiro a abril de 2018. Neste mês de maio, até o dia 14, o Batalhão Tiradentes já realizou nestas duas semanas, cerca de 1,197 abordagens. As ações visam em diminuir cada vez mais, as ações de crime no interior dos coletivos, objetivando numa tranquilidade para os usuários dos mesmos.

O Batalhão Tiradentes informou, que as abordagens acontecem visando minimizar cada vez mais, as ações criminosas contra os usuários de coletivos. Em janeiro foram realizadas 1,002 abordagens; em fevereiro, 2,393; em março foram abordadas 2, 349; em abril, 2,965, e em maio, até o dia 14, foram abordadas 1,197 pessoas. Perfazendo um quantitativo de 8,709 pessoas abordadas.

O Batalhão Tiradentes repassou ainda, que as abordagens no primeiro quadrimestre de 2018, comparados com o primeiro quadrimestre de 2017, houve um aumento significativo. As abordagens realizadas no primeiro quadrimestre de 2018 foi de 110,56%, à mais, em relação à 2017. Em 2018 foram realizadas 8.709 abordagens, já em 2017, aconteceram 4,136 abordagens. As abordagens incidiram num resultado positivo contra os assaltos aos coletivos. As ações de crime aos coletivos, diminuíram em cerca de 26,83%. No primeiro quadrimestre de 2017 foram realizados 272assaltos aos coletivos, em 2018, fora realizado 199 ações de crime.

As ações do Batalhão Tiradentes, conta com uma equipe preparada e escolhida, para dificultar as infrações e levar segurança para a população ludovicense. As abordagens são realizadas diariamente à diversos pontos da cidade, basicamente a ônibus, para desestruturar o rol desses delitos aos coletivos.

Assaltantes são presos durante ronda em Caxias

Dois homens foram presos durante uma ronda policial no município de Caxias, na sexta-feira (30). Nardson Melo da Silva (27 anos) e Flávio Ferraz de Aquino (28) estavam em posse de uma TV sem origem comprovada.

Segundo a polícia, os dois homens, que já tem ficha criminal, entraram com o televisor em uma residência para fugir da ronda.

Silva e Aquino foram encaminhados ao Plantão Central onde estão à disposição da Justiça.

Câmara pode votar Sistema Único de Segurança Pública na terça-feira

O plenário da Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (27) o Projeto de Lei 3734/12, que cria o Sistema Único de Segurança Pública (Susp). Tratado como prioridade do Congresso Nacional neste ano, o projeto tem o objetivo de integrar e tornar mais eficaz a ação dos órgãos de segurança e defesa social.

De acordo com o relator da proposta, deputado Alberto Fraga (DEM-DF), a proposta tem como eixo central a integração entre os órgãos policiais para que os entes federados compartilhem informações com o Ministério da Segurança Pública. “O ministério vai cadastrar todas as informações e elas devem ser compartilhadas com todos os operadores da segurança pública”, diz.

De acordo com o projeto de lei, a criação do Susp tem a finalidade de proteger as pessoas e seus patrimônios, por meio da atuação conjunta, coordenada, sistêmica e integrada. O texto estabelece como integrantes operacionais do Susp a Polícia Federal, a Polícia Rodoviária Federal, as Polícias Civis, as Polícias Militares, os Corpos de Bombeiros Militares, as Guardas Municipais, os agentes penitenciários, os agentes socioeducativos e os peritos.

Segundo o relator da proposta, o projeto traz diretrizes e não deve gerar novas despesas para os cofres públicos. No entanto, o texto prevê que a União implemente um sistema padronizado, informatizado e seguro que permita o intercâmbio de informações entre os integrantes do Susp.

Pelo texto, os sistemas estaduais, distrital e municipais serão responsáveis pela adoção dos respectivos programas, ações e projetos de Segurança Pública, com liberdade de organização e funcionamento.

Coordenação

O funcionamento do Susp envolve operações combinadas, planejadas e desencadeadas em equipe, além de estratégias comuns para atuação na prevenção e controle de crimes. O texto também estabelece a aceitação mútua dos registros de ocorrências e dos procedimentos de apurações, e o compartilhamento de informações, inclusive com o Sistema Brasileiro de Inteligência (Sisbin). A integração também prevê a unificação da utilização de métodos e processos científicos em investigações.

O PL estabelece que o Ministério da Segurança Pública fixará, anualmente, metas de desempenho e usará indicadores para avaliar os resultados das operações. O texto define ainda a criação de conselhos para “propor diretrizes para as políticas públicas de Segurança Pública e Defesa Social, considerando a prevenção e a repressão da violência e da criminalidade”.

A medida também prevê que União, estados e municípios criem órgãos de ouvidoria, que receberão representações, denúncias, reclamações, elogios e sugestões de qualquer pessoa sobre as ações e atividades dos profissionais e membros do Susp.

Sinesp

O texto institui também o Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas (Sinesp), que tem a finalidade de armazenar, tratar e integrar informações sobre segurança pública e defesa social, sistema prisional e execução penal e o enfrentamento do tráfico de drogas ilícitas.

Polícia intensifica abordagens em entradas e saídas de São Luís

Em virtude do carnaval, a Polícia Militar do Maranhão (PMMA), por meio do Comando de Policiamento de Área Metropolitano 3 (CPAM-3), reforçou as ações de fiscalizações e patrulhamento nas entradas e saídas de São Luís. Guarnições da PMMA estão distribuídas no Terminal da Ponta Espera, barreira da Estiva e em toda zona rural de São Luís a fim de impedir que armas e drogas entrem ou saiam da cidade.

Desde o início desta semana, as abordagens na barreira da Estiva foram intensificadas pelas equipes do 21º Batalhão de Polícia Militar (BPM) por conta do grande fluxo de veículos que deixam a cidade com destino ao interior do estado.

“Estamos acompanhado as abordagens e incursões, principalmente, nestes pontos da cidade visto que não vamos permitir que nem armas e nem drogas entrem em São Luís ou que sejam levadas para as festas no interior do estado. Além disso, a Polícia Militar está atenta aos motoristas que decidem ingerir bebida alcoólica e pegar a estrada”, explicou o comandante geral da PMMA, coronel Frederico Pereira.

Já no Terminal da Ponta da Espera (ferry boat), as equipes do 1º BPM fiscalizavam a documentação dos veículos a fim de impedir que carros irregulares ou roubados utilizassem como ponto de fuga o ferry. Os militares revistam, também, os veículos e passageiros no intuito de apreender armas e drogas.

“Montamos um planejamento a fim de que o folião que decidir brincar o carnaval fora da capital possa sair da cidade com total tranquilidade. As ações, também, vão garantir segurança para os turistas que entram em São Luís. Além de armas e drogas, estamos saturando todos os pontos de entradas e saídas a fim de impedir que criminosos utilizem estas áreas como forma de fugir da fiscalização da polícia”, pontuou o comandante do CPAM 3, coronel Edivaldo Mesquita.

O oficial informou que o planejamento conta com uma tropa de reação, que está de prontidão caso haja necessidade de algum tipo de perseguição, com a utilização de armas longas e veículo apropriado. Integram ainda o planejamento, o Grupo Tático Móvel (GTM) e equipes de motocicletas.

Mais ações

Nas principais avenidas da capital, viaturas da Malha Metropolitana realizam barreiras policiais para a abordagem de pessoas, veículos e coletivos, com o intuito de apreender armas, munições e drogas. Além dessa ação, os policiais também realizam incursões nos bairros para inibir a ação de bandidos e garantir um carnaval tranquilo.

Polícia apreende 130 quilos de drogas em janeiro deste ano

A Polícia Civil apreendeu 130 quilos de drogas em janeiro deste ano. O montante, avaliado em R$ 300 mil, é resultado de apreensões da Superintendência Estadual de Repressão ao Narcotráfico (Senarc) em diversos bairros de São Luís.

Do total de drogas apreendias, cerca de 110 quilos são maconha, que permanece no topo das drogas mais traficadas. No período foram presos 15 suspeitos, apreendidas quatro armas de fogo e dinheiro em espécie.

Dando prosseguimento às ações preventivas e de combate, a Senarc elabora planejamento de contenção deste crime para o período oficial de carnaval. Agentes vão se concentrar em pontos estratégicos do circuito na Região Metropolitana de São Luís realizando abordagens a suspeitos, barreiras policiais e monitoramento da venda de entorpecentes.

Neste pré-carnaval, a polícia cobre os bairros onde há festejos e áreas com histórico deste crime.

“Esse comércio tende a crescer nas festas carnavalescas e vamos prosseguir com essa organização focando as operações na capital e cidades mapeadas nos interiores para prevenir a incidência deste crime”, reforçou o superintendente da Senarc, delegado Carlos Alessandro Rodrigues. A operação também ocorre nas regionais da Senarc em Timon e Imperatriz e em municípios estratégicos considerados rota do tráfico de drogas. A operação prossegue até dia 14, na Quarta-Feira de Cinzas.

“O Governo do Estado vem investindo fortemente na Segurança Pública, equipando, treinando e valorizando as polícias, contribuindo decisivamente para o êxito das operações”, reforça o delegado Carlos Alessandro.

Para colaborar com a polícia no combate ao tráfico de drogas estão disponíveis o Whatsapp (98) 99163.4899; o Disque-Denúncia (98) 3223-5800; o CIOPS, pelo telefone 190; e o aplicativo ByZu 2.0, que aceita texto, fotos e vídeos.

Ação permanente

Vinculada à Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-MA), a Senarc tem como foco o combate aos crimes ligados ao tráfico de drogas. O trabalho especializado colocou o Maranhão em primeiro do Nordeste no volume de apreensões, ano passado.

A Senarc conta com departamentos especializados, setor de cinofilia com dois cães farejadores e canais direto com a população para denúncias. O órgão desenvolve ainda projetos educativos na rede pública de ensino para informar e conscientizar crianças e jovens sobre o perigo das drogas.

Polícia vai ouvir servidores penitenciários, detentos e familiares sobre morte de Alan Kardec

O delegado Luigi Conde, titular do 12º Distrito Policial, no bairro do Maracanã, em São Luís, vai agendar novos depoimentos envolvendo o homicídio do detento Alan Kardec Dias Mota, no domingo (7), na Unidade Prisional de Ressocialização de São Luís 4 (UPSL 4), praticado pelo, também, detento Johnathan de Sousa Silva, assassino do jornalista Décio Sá, em 2012.

“Nos próximos dez dias de investigação, tempo em que deverá demorar o inquérito policial, vamos ouvir outros detentos que participavam da rotina da vítima, servidores penitenciários e também familiares, se preciso for”, afirmou o delegado.

“A princípio, uma desavença teria motivado o crime, mas precisamos desses novos elementos para definir o caso. A situação do autor não muda, pois o mesmo já é interno do sistema prisional”, explicou Luigi Conde.

Johnathan de Sousa Silva, que já foi condenado a 25 anos de prisão pelo assassinato do jornalista Décio Sá, em 2012, prestou depoimento e foi inicialmente indiciado por homicídio qualificado, que é quando a vítima não tem chance de defesa.

Ocorrência

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) registrou a ocorrência do assassinato de Alan Kardec Dias Mota por volta das 7h30 de domingo (7). O crime ocorreu durante o banho de sol. Socorrido imediatamente pela equipe de segurança da UPSL 4, Alan Kardec foi levado ao Hospital Municipal Dr. Clementino Moura (Socorrão II), mas faleceu no fim da tarde.

Assim como Johnathan, Alan Kardec não se enquadrava mais em nenhuma organização criminosa e, por isso, estava separado entre os detentos considerados neutros.

Homicídios na Grande São Luís caem 40% entre 2014 e 2017

Os homicídios na Grande São Luís caíram 40,65% no ano de 2017 em relação a 2014, representando centenas de vidas salvas.

Em 2014, foram 910 homicídios. Já em 2017, foram 540 casos. Isso significa 370 vidas salvas em apenas um ano.

A queda também é acentuada quando se leva em conta os chamados Crimes Violentos Letais Intencionais, que incluem latrocínio e lesão seguida de morte. Foram 987 em 2014 e 591 em 2017, uma queda de 40,12%. Ou 396 vidas poupadas.

Em postagem nas redes sociais, o governador Flávio Dino disse que os números são “resultados dos investimentos na segurança pública e da seriedade no governo”.

Em artigo publicado no fim de semana, Flávio também tinha tratado das mudanças na Segurança Pública em três anos. “Todos são testemunhas do empenho que temos tido em combater a criminalidade. Nosso governo agora é vigilante e tem pulso firme em favor da lei, com uma tropa que passa dos 12 mil homens pela primeira vez em nossa história”.

“E chegaremos a mais, com o novo concurso que realizamos para a Polícia Militar e que estamos realizando para a Polícia Civil”, acrescentou.