Temer grava vídeo e diz que está tudo bem no país

Após chamar as Forças Armadas para impedir que manifestantes que pedem a sua saída perturbem a ordem pública, e então dispensar as FA em menos de 24h, o presidente Michel Temer gravou um vídeo para dizer que o país está bem.

Temer disse que reformas estão sendo aprovadas e que ” as manifestações ocorreram com exagero, mas deputados e senadores continuaram trabalhando”.

Temer chama Joesley Batista de ‘fanfarrão’ e pede suspensão do inquérito

“Houve falso testemunho à justiça. Houve fraude, usam falas chulas que eu jamais usaria, atentam contra a minha inteligência”, disse indignado o presidente Michel Temer (PMDB) em novo pronunciamento, ao vivo, na tarde deste sábado (20). “Não acreditem na narrativa do empresário, ele é um falastrão exagerado”, categorizou a figura do empresário da JBS, Joesley Batista.

Michel Temer ainda informou, no segundo pronunciamento marcado para às 14h e que atrasou cerca de 40 minutos, que entrou com uma petição no Supremo Tribunal Federal para suspender o inquérito proposto e verificação da autenticidade da gravação do empresário em delação à Polícia Federal, na Operação Lava Jato. Ele aproveitou ainda para reafirmar que não irá renunciar.

Temer classificou ainda o empresário Joesley como fanfarrão por inventar e criar flagrante para incriminar pessoas e depois sair livremente do país. Acusou ainda Joesley de bagunçar a economia brasileira e a Bolsa de Valores, gerando dúvidas quanto à investimentos. “O autor do grampo está livre e solto passeando pelas ruas de Nova York, o que é errado. Ele não passou nenhum dia na cadeia, não foi preso, não foi julgado. Cometeu o crime perfeito”, disse o presidente Michel Temer.

 

Michel Temer fará novo pronunciamento neste sábado (20), às 14h

Da redação

[ATUALIZADO] O presidente Michel Temer (PMDB) deve fazer novo pronunciamento à nação ainda neste sábado (20), segundo informações do jornalista George Marques, da The Intercept Brasil, diretamente de Brasília. Será a segunda tentativa de acalmar ânimos do mercado e se defender das acusações. O portal G1 confirmou o horário do pronunciamento para às 14h, ao vivo.

Ainda na última quinta-feira (18), Temer cancelou todos os seus compromissos para fazer um pronunciamento após seu nome ser envolvido em acusações de propina, na delação premiada do empresário Joesley Batista, da empresa de frigoríficos JBS. No pronunciamento,  realizado no final da tarde do mesmo dia, transmitido pelas emissoras de TV e rádio do país, o presidente disse que não iria renunciar ao cargo.

“Nesta semana meu governo viveu seu pior e o seu melhor momento”, começou o presidente em seu pronunciamento e então negou ter dado o aval para a compra do silêncio de Cunha: “Em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer q seja para q ficasse calado (…) Não temo nenhuma delação. Não preciso de cargo público, nem de foro privilegiado”, disse em sua fala.

Temer está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal por ter dado endosso à compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O presidente tem apenas 4% de aprovação da população. O possível novo pronunciamento gerou expectativas em relação a se o presidente irá mudar ou não de ideia sobre seu posicionamento quanto ao cargo de Presidente da República.

 

 

Em pronunciamento, Michel Temer diz que não renunciará

Em um pronunciamento à nação, transmitido pelas emissoras de TV e rádio do país, o presidente da República, Michel Temer, deixou claro que não pretende deixar o cargo. Temer citou os bons indicadores da economia para que ele fique na presidência.

Temer está sendo investigado pelo Supremo Tribunal Federal por ter dado endosso à compra do silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. O presidente tem apenas 4% de aprovação da população.

“Nesta semana meu governo viveu seu pior e o seu melhor momento”, começou o presidente em seu pronunciamento e então negou ter dado o aval para a compra do silêncio de Cunha: “Em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer q seja para q ficasse calado (…) Não temo nenhuma delação. Não preciso de cargo público, nem de foro privilegiado”.

O presidente aparece em áudios gravados pelos donos da empresa JBS e dados à PF em delação premiada.

Da Redação

Michel Temer cancela agenda e cogita pronunciamento

O presidente Michel Temer decidiu cancelar todos os compromissos que constavam na agenda oficial nesta quinta-feira (18). Depois, ele recebeu ministros do núcleo político em seu gabinete no Palácio do Planalto.

A decisão de cancelar os compromissos foi tomada um dia após o colunista do jornal “O Globo” Lauro Jardim informar que os donos do frigorífico JBS, Joesley e Wesley Batista, disseram em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que gravaram o presidente dando aval para comprar o silêncio do deputado cassado e ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Ao chegar ao Palácio do Planalto, por volta das 8h05, o presidente tinha 18 encontros previstos na agenda. Os encontros estavam marcados para ocorrer a cada meia hora, sem intervalos nem para almoço.

Temer chegou a receber o senador Sérgio Petecão (PSD-AC). A reunião era o primeiro dos 18 compromissos e já estava prevista na quarta, antes de as primeiras informações envolvendo Temer terem sido divulgadas.

Logo após a reunião com o parlamentar, porém, os outros 17 compromissos que constavam na agenda foram cancelados.

Entre os compromissos, estavam encontros com deputados federais, estaduais, senadores, presidentes de partidos. No site do Planalto, a agenda foi substituída para “despachos internos”.

Entenda o caso

* A delação dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do frigorífico JBS, levantou suspeitas sobre políticos e um procurador da República.

* Nesta quarta, “O Globo” informou que o dono da JBS gravou Temer dando aval para comprar o silêncio de Eduardo Cunha. O presidente disse que se reuniu com o empresário Joesley Batista, mas “jamais” tentou evitar a delação de Cunha.

* Os depoimentos desencadearam decisões no STF e operações da Polícia Federal.

* Articuladores políticos do Planalto foram avisados que vários grupos da base aliada querem a renúncia de Temer. Presidente já afirmou a ministros que não tem disposição em renunciar e avalia fazer um pronunciamento nesta quinta.

Pronunciamento

Depois de cancelar os encontros, o presidente se reuniu com os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil), Moreira Franco (Secretaria-Geral da Presidência) e Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo).

Na reunião com o núcleo político do governo, Temer discutiu sobre a possibilidade de fazer algum pronunciamento oficial, como informou a colunista do G1 Andréia Sadi.

O Salão Leste do Palácio, local onde normalmente são realizadas as entrevistas à imprensa, está preparado desde a noite de quarta.

A segurança do Planalto também foi reforçada. Na parte externa, grades foram colocadas cercando o prédio para evitar a ação de manifestantes.

Na parte interna, seguranças e integrantes do Batalhão da Guarda Presidencial, do Exército, também circulam pelo prédio a fim de limitar a circulação dos jornalistas.

O primeiro pronunciamento de Temer sobre o caso foi dado por meio de nota divulgada na noite desta quarta pela Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência.

No texto, a assessoria do Planalto afirmou que Temer “jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha. Não participou nem autorizou qualquer movimento com o objetivo de evitar delação ou colaboração com a Justiça pelo ex-parlamentar”.

Pressão de aliados

A reunião do presidente com o núcleo político do Planalto ocorre em meio à pressão de vários grupos aliados do governo.

De acordo com o colunista do G1 e da GloboNews Gerson Camarotti, articuladores políticos do governo foram avisados no fim da noite desta quarta que vários grupos de parlamentares que integram o núcleo duro da base aliada querem a renúncia de Temer.

Em uma reunião com conselheiros políticos, na noite desta quarta, o presidente já disse que não tem disposição em renunciar.

Segundo o colunista, o Planalto foi avisado que, se Temer não der sinalização rápida de solução para a crise política, através da renúncia, haverá forte movimento nesse sentido pelos próprios aliados, o que deixaria a situação do presidente insustentável.

Do G1

Temer gravará pronuniciamento com balanço de um ano de governo

O presidente Michel Temer (PMDB) decidiu, de acordo com informações dos bastidores em Brasília, gravar pronunciamento de um ano de governo. O balanço da gestão está marcado para o próximo dia 12 de maio, sexta-feira. Contudo, ele ainda não decidiu se o pronunciamento será veiculado em rede nacional, na TV e rádio ou apenas nas redes sociais, como fez no dia 1º de Maio em estratégia de privar de manifestos com vaias e panelaços. O roteiro e discurso para o dia 12 ainda estão em definição.