Barroso contraria Lei Eleitoral e exige retirada de Lula de campanha do PT

RBA

São Paulo – O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso, atendeu ao pedido do Ministério Público Eleitoral (MPE) e, no domingo (9), exigiu a retirada das imagens de Lula da propaganda eleitoral presidencial da coligação “O Povo Feliz de Novo”, formada pelo PT, PCdoB e PROS, sob ameaça de suspender todas as transmissões da coligação no rádio e na televisão.

O governador do Maranhão, Flavio Dino (PCdoB), um dos autores da Lei de Ficha Limpa, criticou, através do Twitter, a decisão do magistrado. “O mais incrível é que tal decisão ignora a lei eleitoral (Lei 12.034/2009), que expressa e claramente determina exatamente o contrário, em seu artigo 16-A:  o candidato cujo registro esteja sub judice poderá efetuar todos os atos relativos à campanha eleitoral”, O protesto foi publicado no perfil de Dino no Twitter.

O MPE diz que os partidos da coligação estariam desrespeitando a decisão da maioria do plenário do TSE, proferida no dia 1º de setembro, que negou o registro de candidatura do ex-presidente. Em sua decisão, Barroso afirmou que o TSE, por 5 a 2, suspendeu também a propaganda com a imagem de Lula como candidato. “As sucessivas veiculação de propaganda eleitoral em desconformidade com o decidido revelam que a atuação da coligação se distanciou dos compromissos por ela assumidos, a exigir uma atuação em caráter mais abrangente”, argumentou o ministro.

Por outro lado, o mesmo tribunal aceitou um recurso da defesa do candidato petista para que fossem impedidas apenas propagandas de atos de campanha mostrando Lula como candidato. Portanto, Lula poderia continuar participando das propagandas, desde que não mais como presidenciável.

Candidatos ao Legislativo pelo PT também criticaram a decisão do magistrado. “É impressionante. A posição de Barroso é uma explícita violação de direitos e uma violação gritante da lei”, publicou o senador Lindbergh Farias (PT-RJ). “Se acham que vão esconder Lula destas eleições estão enganados”, acrescentou o ex-ministro Alexandre Padilha (PT).

Em artigo publicado na CartaCapital, o sociólogo e diretor do Instituto Vox Populi Marcos Coimbra afirma que Barroso encarna uma entidade sem voto e sem razão. “Suas ideias não vão além de uma espécie de neoautoritarismo, que preserva e atualiza, com menos brilho, a obra de autores como Oliveira Vianna, Azevedo Amaral e Francisco Campos, personagens do debate jurídico e político na República Velha, ideólogos das restrições à democracia e da ditadura estado-novista”, diz.

Haddad e Manuela esclarecem estratégia de PT e PCdoB para eleições de outubro

RBA

São Paulo – O coordenador de campanha do PT para o pleito presidencial de outubro, Fernando Haddad, concedeu entrevista coletiva hoje (7) ao lado da deputada estadual Manuela D’Ávila, do PCdoB. O objetivo foi esclarecer a formação da coalizão entre os partidos em um modelo incomum, com três figuras políticas envolvidas numa chapa.

O objetivo é assegurar o direito de o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ter seu registro acolhido no próximo dia 15, no Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Na ocasião, terá Haddad formalizado como vice. A coligação terá prazo até 17 de setembro, 20 dias antes do primeiro turno, para alterar o registro no TSE. Caso a disputa pela elegibilidade de Lula prossiga com boas perspectivas, Manuela substituirá Haddad na chapa.

Esse é o cenário desejado pelos partidos. Haddad chegou a dizer em entrevista mais cedo que seu desejo é ser ministro de Lula. Somente no caso de o ex-presidente vir a ser impedido, o ex-prefeito de São Paulo e ex-ministro assumiria a candidatura, com Manuela de vice.

Fernando Haddad afirmou reiteradas vezes que Lula carrega condições legais para disputar o pleito e protestou contra a perseguição política contra o ex-presidente.

“É natural que, em um primeiro momento, até que se resolva toda a situação jurídica, fica o Haddad como vice e interlocutor do Lula enquanto eu faço campanha onde sempre estive: no papel de militante e lutadora social”, afirmou Manuela. Além de coordenador de programa de governo, Haddad é advogado de Lula.

Manuela e Haddad defenderam suas posições como algo inédito na política nacional. “Aqui, não existe um projeto pessoal. Existe a ideia de que precisamos resgatar o Brasil. Precisamos de todo o esforço coletivo contra o projeto que está em curso, que é repudiado pela população”, disse Haddad.

Sempre disse que adoraria ser a porta-voz do ‘dia do não fico’”, continuou Manuela. “Defendi desde o começo que a solução para o país passasse por Lula, Haddad e Ciro (Gomes do PDT) e não necessariamente por mim. O mais importante é vencer, e a ideia de que a unidade é muito importante.”

Desalojar Temer

A deputada do PCdoB também brincou dizendo que, no fim das contas, quem vai tirar o Temer do Palácio do Jaburu será ela. O emedebista, após o impeachment da presidenta Dilma Rousseff (PT), optou por não se mudar para o Palácio do Planalto e permanecer na residência oficial dos vice-presidentes. “Quem vai ter o prazer de tirar o Temer de lá sou eu. Então é xô, Temer, o Jaburu é nosso, de quem acredita no Brasil”, afirmou.

Ambos consideram a superação do governo Temer ponto de partida para um novo projeto de desenvolvimento do país. “Para nós, sempre foi a primeira prioridade vencer as eleições. Vivemos como o povo brasileiro, e sabemos o impacto do empobrecimento, do desemprego, do aumento da violência e do abandono das universidades. Tudo o que esse test drive de neoliberalismo, que é o governo Temer, nos fez viver”, ressaltou Manuela.

Haddad defendeu estratégias do pré-programa de seu partido para reverter o cenário de crise que vive o país. “Queremos resgatar a soberania nacional, popular. Resgatar o desenvolvimento com inclusão e denunciar o que está acontecendo com o Lula sem medo de assumir posições”, afirmou ressaltar que os programas do PT e do PCdoB apresentam “99% de pontos em comum”.

“Queremos desenvolvimento. Nos mirar em experiências internacionais. Oligopólios não fazem sentido em nenhum lugar do mundo. Nem em meios de comunicação e, muito menos, no setor bancário. Sem concorrência não tem democracia econômica e sem mídia plural não tem democracia política. Queremos mais crédito e não menos. Queremos mais vezes e não menos. Vivemos uma monocultura e não da para ser assim (…) As alavancas do desenvolvimento democrático são o crédito econômico e político. Informação fidedigna e crédito barato. Assim funciona no mundo inteiro”, disse o coordenador do programa Lula.

Assista à íntegra da entrevista coletiva:

PT indica Fernando Haddad como vice na chapa com Lula

Fernando Haddad foi definido como o candidato a vice na chapa à presidência encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O PT anunciou a decisão na noite deste domingo (5), após reunião da Executiva Nacional do partido, em São Paulo (SP). Na mesma noite, dirigentes do PT e do PCdoB se reuniram para definir a formação de uma coligação entre os partidos.

Em coletiva de imprensa após a definição, a presidenta do PT, a senadora Gleisi Hoffmann, afirmou que “a tradição do PT sempre foi a de disputar eleições em coligações”. A parlamentar relatou que partiu do próprio Lula o convite para que Manuela integrasse a chapa.

“Nós entendemos que a candidatura de Manuela D’Ávila cumpriu um papel importantíssimo nessa unidade que estamos tendo para dar sustentação à candidatura de Lula. Ou seja, a formação de um campo progressista e popular para voltar a governar o país”, reforçou a petista, lembrando que o perfil jovem e de uma mulher fortalece a chapa.

A decisão pelo nome de Haddad como candidato a vice-presidente é “para fazer a representação de Lula durante esse processo, até tão logo se estabilize juridicamente a sua situação”, salientou a senadora. Gleisi informou que “Haddad e Manuela já vão sair numa agenda firme e forte pelo país, defendendo um  programa de governo progressista e popular”, e que estarão juntos e “hermanados” na coligação PT, PCdoB, PROS e PCO.

Luciana Santos, presidenta nacional do PCdoB, afirmou a importância da unidade ampla da esquerda neste momento. “É necessário que a gente interrompa essa agenda antipovo e antinacional que está sendo imposta ao povo brasileiro por meio de um golpe de Estado. Nesse sentido, as eleições ganham uma dimensão extraordinária. É nesse embate das eleições que está a oportunidade de retomarmos um projeto nacional e popular para o Brasil”, pontuou.

“Por uma circunstância objetiva, até que se defina as pendências legais desse processo, Fernando Haddad é o porta-voz da candidatura do presidente Lula e, junto com Manuela D’Ávila, vai percorrer esse país, debatendo ideias e fazendo com que, nessa relação que temos com o PT de 30 anos, o PCdoB vá ocupar a vice-presidência na chapa; e, para nós, nos honra muito. E vamos vencer as eleições pela quinta vez consecutiva”, finalizou Luciana.

O candidato a vice-presidente pelo PT, Fernando Haddad, fez elogios ao papel que Manuela D’Ávila vem desempenhando em sua pré-campanha junto aos setores progressistas e de resistência, além de ressaltar a liderança que Lula desempenha para a esquerda.

“Tenho certeza que apesar de todo o constrangimento e perseguição que sofre, o presidente Lula só cresce em entusiasmo e determinação, e vontade de governar e resgatar a dignidade das pessoas, para que as pessoas tenham esperança de novo no Brasil. E estamos anunciando ao país uma grande aliança rumo a esse resgate”, declarou.

Haddad reforçou ainda que este momento será o de compatibilizar os programas de governo dos partidos e “rodar o país levando a voz de Lula”.

O primeiro anúncio foi feito por meio das contas oficiais de Lula nas redes sociais. “Vamos com Lula e Fernando Haddad. Pra fazer #OBrasilFelizDeNovo!”.

PT aprova apoio a Flávio Dino em Encontro Estadual

O Partido dos Trabalhadores do Maranhão confirmou apoio à pré-candidatura do governador Flávio Dino (PCdoB). A decisão foi tomada pelos delegados do partido no Encontro Estadual, na tarde desta sexta-feira (27), no Auditório da Assembleia Legislativa.

“Encontro Estadual do PT aprova coligação com o PCdoB e partidos aliados para reeleger #FlavioDino governador do Maranhão. #LulaLivre”, anunciou o dirigente petista Francisco Gonçalves, por meio das redes sociais.

Votaram a favor da aliança com o PCdoB 149 delegados, enquanto 31 petistas votaram contra. Sete delegados se abstiveram.

O pré-candidato a deputado estadual pelo PT, Luiz Henrique Lula da Silva, defendeu a participação do PT na coligação Todos pelo Maranhão, liderada pelo governador Flávio Dino. Ele afirmou que Dino representa uma nova fase mudanças para o Estado.

A legenda deverá disputar as eleições proporcionais para a Assembleia Legislativa e Câmara Federal com chapa própria.

A oficialização do apoio do PT a Flávio Dino foi comemorada pelo presidente estadual do PCdoB, Márcio Jerry. “Abraço especial aos companheiros e companheiras do PT pela aprovação da aliança para reeleição do governador Flávio Dino. “Vai avançar, vai avançar, a unidade popular”. Viva !”, afirmou em sua conta no Twitter.

Amanhã (sábado), às 8h30, a coligação Todos pelo Maranhão, que reúne 15 partidos, homologará a candidatura de Flávio Dino, no Multicenter Sebrae.

Executiva do PT/MA convoca delegados para Encontro Estadual nesta sexta-feira (27)

Blog Jorge Vieira

A executiva estadual do Partido dos Trabalhadores divulgou na noite desta sexta-feira (24) a convocatória em que convida delegados e suplentes ao Encontro Estadual que definirá a estratégia do PT para as eleições 2018 e definição de candidaturas, inclusive majoritárias, dia 27 de julho.

O Encontro vai homologar o apoio do partido à reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB).

Conforme o presidente estadual Augusto Lobato já havia adiantado ao blog o evento deveria será realizado  no auditório Fernando Falcão da Assembleia Legislativa, mas devidos a problemas de última hora outro local está sendo providenciado. Veja abaixo a convocação dos delegados e suplentes.

Partido dos Trabalhadores
Diretório Estadual do Maranhão

CONVOCATÓRIA

A Comissão Executiva Estadual do Partido dos Trabalhadores do Maranhão, em reunião realizada no dia 17 de julho de 2018, na sede do PT Estadual, deliberou pela realização do Encontro Estadual de definição de Tática Eleitoral e Definição de Candidatura para as eleições de 2018, seguindo a resolução aprovada pelo Diretório Nacional do PT.

Desta forma, convocamos todos (as) Delegados(as) e Suplentes eleitos (as) pelas chapas que participaram do PED 2017, e em dias com suas contribuições financeiras e estatutárias pelo SACE Nacional, para participarem do referido encontro, a ser realizado no dia 27 de julho de 2018, com início às 9h, no auditório Fernando Falcão, da Assembleia Legislativa do Maranhão, sito na Avenida Jerônimo de Albuquerque, 7200, bairro Alto do Calhau, São Luís-MA.

Pauta:
Definições de tática eleitoral e de candidaturas majoritárias e proporcionais, a serem adotadas pelo Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores do Maranhão, nas eleições de 2018.

São Luís, 17 de julho de 2018

Augusto César Bastos Lobato
Presidente do Diretório Estadual do PT – MA

OPINIÃO | Erro de avaliação?

A despeito de toda engenharia da elite política, jurídica e midiática, a desarmonia de parte das forças de esquerda contribuiu significativamente para a concretização do golpe parlamentar, que retirou a presidenta Dilma Rousseff do poder, em 2016.

Há vários os exemplos. A dispersão de partidos como o PSB, que apoiou o impeachment. É um destes. Mesmo no PT, houve quem avaliasse que o afastamento de Dilma em meio ao desgaste resultante da crise econômica abriria caminho para a volta triunfal do ex-presidente Lula. Erro de leitura monumental.

Afastada a presidenta legitimamente eleita, passo seguinte do consórcio golpista foi a condenação, sem provas, do ex-presidente e o conseqüente enquadramento na Lei da Ficha Limpa. A prisão política tem como pano de fundo impedir que Lula, líder em todas as pesquisas, dispute a eleição e conquiste nas urnas o terceiro mandato para a Presidência da República.

Pois bem. Enquanto a direita e o centrão selam aliança pró-Geraldo Alckmin (PSDB), os partidos de esquerda teimam em não construir o caminho da unidade. Contrariam a vontade popular, manifesta em todos os levantamentos estatísticos realizados, que reprova o modelo de gestão imposto pelos conservadores ora no Palácio do Planalto.

Apesar de reiterados apelos do PCdoB pela união, o fato concreto é que PT, PSB, PT e PSol caminham a passos largos para a pulverização de candidaturas presidenciais deixando o terreno livre para as candidaturas patrocinadas pelos artífices do golpe, que interrompeu o ciclo de governos populares e progressistas iniciado em 2003 e consequentemente levou o ex-presidente Lula para a prisão.

A coesão dos partidos de centro-direita garantiu tamanha tranquilidade ao pré-candidato Geraldo Alckmin, que este se dá ao luxo de prospectar adversários. Reportagem do Jornal Folha de S. Paulo, no último domingo, 22, afirma que o ex-governador de São Paulo prevê segundo turno em que enfrentará o candidato do PT, apoiado pelo ex-presidente Lula.

Tese reiterada nesta segunda por articulista do jornal paulista. Não é difícil entender a razão da predileção. Basta lembrar que antes mesmo do impeachment de Dilma e da prisão de Lula, o PT foi alvo de campanha sistemática da grande mídia numa tentativa torná-lo sinônimo de corrupção.

A repercussão foi de tal dimensão que o processo de afastamento da presidenta Dilma se deu mesmo sem provas, em grande medida pela repulsa de parte da população ao PT sob o discutível argumento de combate à corrupção seletivamente.

De todo este massacre jurídico midiático sobrou a figura do ex-presidente Lula, que a despeito de toda a campanha manteve-se com índices elevados de popularidade. De sorte, que, mesmo preso político, lidera todas as pesquisas de intenção de votos para a presidente.

Seria esta umas das razões pelas quais Alckmin do alto de sua experiência político eleitoral aposta (ou torce?) que enfrentará candidato do PT no segundo turno?

Toda esta conjuntura exige desprendimento das forças progressistas para evitar que a elite conservadora dê o golpe final e legitime nas urnas o processo arbitrário e antidemocrático em curso no país.

Radialista, jornalista, Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM.

PT confirma apoio a Flávio Dino e convenção conjunta com PCdoB no próximo dia 28

O deputado federal Zé Carlos (PT) e o secretário Francisco Gonçalves (Direitos Humanos e Participação Popular) afirmaram na noite desta sexta-feira (20) que o PT do Maranhão participará da convenção conjunta que vai oficializar a candidatura do governador Flávio Dino (PCdoB) à reeleição, no próximo dia 28 (sábado).

Após pedido do presidente regional do partido, Augusto Lobato, a direção nacional do PT confirmou o Encontro Estadual para o dia 27 (sexta-feira).

“Presidenta Nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, atende solicitação do presidente regional do PT, Augusto Lobato, e confirma encontro Estadual do PT para o dia 27 e convenção para o dia 28, na mesma data da convenção do PCdoB e aliados”, escreveu Gonçalves, na sua conta no Twitter.

Ao blog do jornalista Clodoaldo Corrêa, o deputado federal Zé Carlos reiterou a decisão referendada pela cúpula nacional do partido de apoio à reeleição do governador Flávio Dino. Fato que justifica a retirada do PT do Maranhão dos estados onde as convenções foram adiadas.

Pré-candidato ao Senado, o ex-secretário Márcio Jardim divulgou horas antes nas redes sociais a informação de que a direção nacional da legenda teria adiado o Encontro Estadual para o dia 2 de agosto no Maranhão e em mais seis estados.

Uma gigante chamada Manuela e o triste fim de uma emissora pública

Revista Fórum

O Partido dos Trabalhadores (PT) soltou nota no final da manhã desta terça-feira (26) onde repudia a forma “virulenta e misógina” com que a pré candidata do PCdoB, Manuela D’Ávila (PCdoB) foi tratada pelos entrevistadores no programa Roda Viva desta segunda-feira (25).

De acordo com a nota, Manuela “conseguiu, a despeito das dezenas de interrupções e do péssimo jornalismo, apresentar suas ideias sobre o Brasil, defender o ex-presidente Lula da injusta perseguição e se apresentar aos espectadores. Foi gigante”.

Leia a nota na integra abaixo:

A deputada estadual Manuela d’Ávilla (PCdoB-RS) foi ao programa Roda Viva, na TV Cultura, na noite desta segunda-feira (25) para ser entrevistada como pré-candidata de seu partido à presidência. A expectativa de importante parcela da audiência era de que uma bancada de jornalistas a confrontasse em relação as suas ideias e propostas para o Brasil.

Mas o que se viu foi um festival de horrores. A pré-candidata do PCdoB foi atacada de forma virulenta durante todo debate. Um desfile de machismo e misoginia da pior espécie, de causar repulsa em qualquer brasileira e brasileiro que esperava assistir a uma entrevista que discutisse os rumos do País.

Mesmo com tudo isso, Manuela d’Ávila foi certeira. Conseguiu, a despeito das dezenas de interrupções e do péssimo jornalismo, apresentar suas ideias sobre o Brasil, defender o ex-presidente Lula da injusta perseguição e se apresentar aos espectadores. Foi gigante.

PSDB, que administra o Estado de São Paulo há mais de 20 anos e é responsável pela gestão da TV Cultura, é o grande responsável por transformar o programa, respeitado em outros tempos como espaço de debate democrático, em um “puxadinho” dos tucanos e do reacionarismo mais retrógrado que existe na sociedade Brasileira.

Partido dos Trabalhadores

Lula tem “muita gratidão” pelo apoio de Flávio Dino, diz presidente do PT

A presidente do Partido dos Trabalhadores, a senadora Geisi Hoffmann, agradeceu as constantes declarações de apoio do governador Flávio Dino ao ex-presidente Lula. “Temos muita gratidão ao governador Flávio Dino”, disse Gleisi. “Ele teve declarações importantes. É um companheiro valoroso na defesa do presidente Lula”, afirmou.

Gleisi confirmou que a legenda do ex-presidente Lula vai apoiar a reeleição do governador Flávio Dino. Disse que o apoio já está fechado, independente da negociação por uma participação na chapa majoritária ou não.

As declarações foram dadas em entrevista ao programa Ponto Continuando da Rádio Mais FM.

A senadora é uma das poucas pessoas autorizadas a visitar Lula todas as semanas.

Lula diz que vai se entregar à Polícia Federal

Em seu discurso agora na sede do Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva diz que vai se entregar à Polícia Federal.

“Eles têm que saber que nós queremos mais casas, mais escolas, não queremos repetir a barbaridade que fizeram com a Marielle, não queremos repetir a barbaridade que fazem com meninos negros”, diz Lula.

Em seu discurso, Lula falou também sobre sua trajetória de metalúrgico à presidente do país. Lula: “Sonhei que era possível governar envolvendo milhares de pobres na economia, nas universidades, criando milhares de empregos, sonhei que era possível um metalúrgico, sem ter ido à universidade, cuidar mais da educação do que diplomados e concursados que governaram o país”

“Esse pescoço aqui não baixa. Vou de cabeça erguida e vou sair de lá de peito estufado, porque vou provar minha inocência”, completou o ex-presidente.

A presidente do Partido dos Trabalhadores, Gleise Hoffman, diz que acompanhará Lula à Curitiba.