Estudantes da rede municipal da Prefeitura de São Luís participam de projeto de estímulo à leitura

Criar o hábito de ler e formar novos leitores destacando que a leitura é um direito de todos e que desde pequenas as crianças devem ter contato com os livros. Com esta proposta a Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Maria Alice Coutinho, que integra a rede de ensino da Prefeitura de São Luís, realiza o projeto Saia Literária, que tem como foco estimular a leitura entre os estudantes das turmas do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. O projeto institucional é de autoria da coordenação pedagógica e elaborado por todo o corpo docente da escola.

Neste mês de outubro, o projeto Saia de Leitura incluiu mais um recurso voltado para trabalhar a indicação de livros entre os estudantes da U.E.B. Maria Alice Coutinho. Para tanto, foi montada uma programação que inclui contação de histórias, leitura em grupo e individual, além de produção textual. Os estudantes se reuniram no auditório, em torno de um tapete que simboliza uma saia e remete à roda de leitura e debates sobre os diversos livros que já leram e também que irão indicar aos colegas.

O secretário de Educação, Moacir Feitosa, ressalta que a iniciativa das escolas de elaborarem projetos para incentivar os estudantes à prática da leitura se faz necessária por ampliar a visão de mundo ao inserir um leitor competente na sociedade, possibilitando também a vivência de emoções, exercendo o mundo da fantasia e o da imaginação. “Ao incentivar e proporcionar momentos de leitura aos estudantes, maiores serão suas chances de estar integrado com o meio em que vive. A prática da leitura se faz necessária por ampliar a visão de mundo ao inserir um leitor mais preparado em nossa sociedade”, disse o titular da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A coordenadora pedagógica do turno matutino da U.E.B. Maria Alice Coutinho, Lúcia Verônica de Assunção, comenta que o projeto mostra à criança que a leitura é um hábito prazeroso. Além da Saia Literária, a escola já realizou o Café Literário, a Pipoca Literária, todos com o objetivo de desenvolver a competência leitora, promover um diálogo reflexivo e estimular a leitura compartilha entre os estudantes.

“As crianças ficavam fascinadas com as histórias contadas e logo em seguida querem folhear os livros. Criamos assim a formação de um usuário de biblioteca com persistência que se apropria do livro através de uma leitura compreensiva, que vão se expressar através da resenha escrita e depois com a indicação para o colega, fazendo assim um sentido social de leitura que permite a opinião dos estudantes sobre os livros. Com isso a formação do leitor vai se construindo ao longo do projeto”, explicou a coordenadora pedagógica, Lúcia Assunção.

A professora 4º ano da U.E.B. Maria Alice Coutinho, Surama Cristina Caldas, explicou que este tipo de trabalho contribui para que os estudantes melhorem a escrita, a leitura e a oralidade e que possam criar o hábito da leitura não só na escola, mas também em casa. “Eles escolhem os livros de acordo com o desejo deles. Eles leem e fazem a resenha escrita e oralmente na sala para todos os colegas. O projeto ajuda melhorando a leitura, escrita e ainda aguça a curiosidade. Eles saem mais motivados a buscarem mais conhecimentos através dos livros”, afirmou a professora.

O estudante Ivan Santos Silva, 7 anos, do 1º ano, adorou participar da ação. “Foi muito divertido, escolhi o livro ‘A serpente encantada’, indiquei a leitura para meu amigo porque eu acho que ele vai gostar muito de ler como eu gostei. A história é muito divertida”, disse o garoto.

Clayton Samuel Sousa Madeira, estudante 4º ano, disse que gosta muito de ler. “Gosto de ir na biblioteca e a ideia de compartilhar a leitura que nós gostamos com os colegas foi muito boa, porque através do colega eu sinto vontade de ler o livro que ele já leu e assim vou lendo mais livros”, comentou.

Comemorações do Dia das Crianças movimentam rede municipal de ensino da Prefeitura de São Luís

Durante todo este mês de outubro, em que se comemora o Dia das Crianças, 12 de outubro; professores, coordenadores e gestores das escolas da rede municipal de São Luís estão realizando uma programação especial para as crianças. O projeto Carro Biblioteca, da Superintendência da Área da Educação Infantil da Semed, está com suas contadoras de histórias levando brincadeiras, jogos, músicas e muita diversão para os estudantes da creche e pré-escola. Também há outras atividades paralelas organizadas pelas Unidades de Educação Básica (U.E.Bs.), em parceria com pais e a comunidade escolar, levando teatro, fantoches, pintura de rosto, gincana e também aplicação de flúor para as crianças. As ações seguem orientação do prefeito Edivaldo.

O secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, esclarece que o trabalho educativo e lúdico realizado pela gestão do prefeito Edivaldo nas escolas da rede sai ainda mais fortalecido depois de tantas atividades desenvolvidas no decorrer do mês das crianças. “Há um grande estímulo ao aprendizado com essas atividades. A ludicidade aguça o imaginário e assim a criança aprende brincando. Parabéns aos educadores que têm se empenhado firmemente nessa grande arte de educar. Nosso respeito e consideração pelo excelente trabalho desenvolvido”, assinala Moacir Feitosa.

BRINCADEIRA E CUIDADOS COM A SAÚDE

Na Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Cecília Meireles, na Cidade Olímpica, cerca de 150 crianças participaram das ações de pintura no rosto e contação de histórias. Houve também aplicação de flúor, fantoches e algumas encenações teatrais promovidas por uma companhia de teatro de uma igreja evangélica da comunidade. A gestora geral, Danielle Castro Silva, conta que durante toda a semana foram realizadas atividades em comemoração ao mês da criança. Destaca que as professoras, além de desenvolverem a questão lúdica com contação de histórias infantis e brincadeiras em sala de aula, estão levando consciência de seus direitos, ensinando o Estatuto da Criança e do Adolescente de forma lúdica.

Daniele também fala do banho de mangueira, já tradicional na escola, que todos os anos alegra as crianças. “Elas ficam eufóricas, perguntando quando vai ser o dia do banho de mangueira. Esta foi uma semana de festa, onde todas as crianças participaram, com o apoio dos pais e comunidade”, assegura. No encerramento das atividades da semana da criança na U.E.B. Cecília Meireles foi realizado um bailinho na quinta-feira (11), com a presença de alguns pais prestigiando os seus filhos. “Estou muito feliz com o resultado dos esforços de todos, pais, professores e instituições da comunidade que nos apoiaram. A todos o meu muito obrigada”, disse a gestora.

Na U.E.B. Cecília Meireles também houve distribuição de lembranças para as crianças, como máscaras de super-heróis para os meninos e tiaras decoradas para as meninas. Produtos confeccionados pelos professores com a ajuda de alguns responsáveis de alunos, como é o caso da artesã Raiane de Cássia Costa Pereira, de 25 anos, mãe de Paulo Henrique, 3 anos, e Pedro Sebastião, de 5 anos – ambos estudantes da escola.

“Gosto muito desta escola, do ambiente e de todos os funcionários. Aqui me sinto bem e sempre que eu posso eu coopero para o desenvolvimento de atividades que vão alegrar as crianças e também promover aprendizagem”, observa Raiane. Ela diz ainda que a escola Cecília Meireles é muito parceira da comunidade e afirma que as professoras fazem um excelente trabalho. “O meu filho mais velho, o Pedro, tem problemas fonoaudiológicos, e sou muito grata à escola por cuidar bem dele”, agradece a mãe artesã, que também fala da importância de ensinar as crianças de forma lúdica, despertando o imaginário delas.

A professora Ivaneide de Jesus Santos Neves, responsável pelos alunos de 3 anos da U.E.B. Cecília Meireles, afirma que todos os anos a escola faz festa para as crianças. Ela diz que os professores das classes de Educação Infantil da escola têm a preocupação de entreter as crianças com jogos e brincadeiras, que possam ensinar de forma lúdica. “Buscamos sempre realizar projetos e ações durante o ano para estimular o aprendizado de uma forma mais leve e que se traduza em riso e alegria, pois a maioria das nossas crianças são carentes até mesmo de afeto, dentro de uma comunidade onde é alto o índice de violência. Nos esforçamos não só para ensinar, mas também para dar atenção e carinho a cada uma delas”, assegura.

Cauã da Silva Nogueira, 6 anos, do Infantil II na U.E.B. Cecília Meireles, diz que gostou muito da programação da semana da criança na escola. “Está sendo tudo muito divertido. A professora pintou o meu rosto de Hulk. Ele é muito forte. É o meu super-herói favorito”, fala o estudante, que participou todos os dias da programação.

GINCANA DAS CORES

A U.E.B. Pedro Bertol, no Jaracaty, realizou a Gincana das Cores ao longo de toda a semana. A atividade envolveu estudantes do 1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental, que se dividiram em equipes das cores vermelho, verde, azul e amarelo (a campeã). A competição foi dividida em duas fases, uma trabalhada em sala de aula, com a produção textual de cartinhas com pedidos de presentes das crianças para a data. Na segunda fase, as crianças participaram de competições no pátio da escola, tais como: estourar balão, dança da laranja, corrida de uma perna só, entre outras.

De acordo com o gestor Alan Jorge Berredo, este tipo de atividade é muito importante para o desenvolvimento das crianças. “A Gincana das Cores traz todos os elementos para a formação da criança. Trabalhamos desde o texto, a oralidade em sala de aula, até a coordenação motora, expressão corporal e principalmente a confraternização com as brincadeiras no pátio”, informa.

Para o estudante do 4º Ano, Jonhnnatan Silva, 11 anos, a semana foi de diversão. “Está sendo uma semana da criança muito boa, com todos brincando juntos”, disse. O estudante do 2º Ano, Diego Wesley, 8 anos, também estava animado. “Gostei muito de tudo, das brincadeiras, do lanche, dos brinquedos e da dança da laranja”, frisou.

Para a realização das atividades, a escola contou com a colaboração de amigos da escola e a parceria de instituições privadas como o supermercado Mateus, que doou os brinquedos, lanches e cestas básicas, e do Tribunal Regional Eleitoral, por meio do projeto TRE na Escola, do qual receberam kits escolares, além de muitas caixas de chocolate.

CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS

Em uma tarde de Contação de Histórias na U.E.B. Saraiva Filho, no Cajupe, na terça-feira (9), as crianças foram transportadas através da imaginação para o mundo de várias historinhas infantis, como Dona Baratinha; Os Três Porquinhos; Chapeuzinho Vermelho e tantas outras narrativas lendárias. A coordenadora pedagógica da escola, Isabel Fernandes, falou sobre a importância de explorar a imaginação das crianças.

“Em uma contação de histórias há muito aprendizado; desde a interação com os colegas até o fato de saberem ouvir as contadoras, esperar a sua vez para falar, respeitar a vez dos colegas, e compreender o começo, meio e final de cada história, mesmo sendo tão pequenos”, relata Isabel. A pequena Nátila Juliana, de 5 anos, disse ter adorado a história dos três porquinhos. “A tia fez a gente rir muito. Ela contou de forma bem engraçada”, falou Nátila. “Eu gostei da história da Dona Aranha, por que ela subia muito rápido na parede”, disse sorridente o estudante Pedro Lucas, também de 5 anos.

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

Na segunda-feira (8), a U.E.B. Miguel Lins realizou as primeiras atividades educativas em alusão ao mês das crianças. Por meio de uma oficina culinária, buscou ensinar as crianças a importância da alimentação saudável, de forma interativa, prática e, principalmente, divertida. O segundo momento do dia foi voltado ao lazer de todos, com a instalação de um pula-pula, com o objetivo de promover diversão e recreação. Ocorreram outras atividades durante a semana, como: banho de ducha, pintura lúdica na parede e entrega de brinquedos por motoqueiros da comunidade, parceiros da escola.

Silvia Teresa, coordenadora pedagógica da Miguel Lins, diz que todas as atividades lúdicas e pedagógicas realizadas esta semana foram escolhidas pelas crianças por meio de uma enquete. “A criança é o foco das nossas atividades e, portanto, deve ser a protagonista”, fala Silvia, observando que, para ela, o mais gratificante é o retorno das crianças, o carinho delas. A estudante Ana Clara, do Infantil II, disse que aprendeu muitas coisas com as atividades. “Estou gostando demais. Aprendi a fazer meu próprio lanche e me diverti muito”, conta.

Prefeitura leva mais de 500 alunos da rede municipal para visitar exposição de peças africanas

Mais de 500 estudantes de 10 escolas da rede pública municipal de ensino de São Luís já visitaram a exposição ‘O Diálogo das Formas’, que reúne peças da cultura africana, retratada por meio de esculturas, máscaras e objetos cerimoniais ou de uso cotidiano. Esta semana foi a vez dos alunos do 5º e 6º anos do Ensino Fundamental da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Rivanda Berenice Braga conhecerem a mostra. As visitas das escolas integram uma parceria entre a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Centro Cultural Vale Maranhão (CCVM), local que abriga a exposição.

“O contato dos estudantes com os objetos da cultura africana reforça o conteúdo curricular e amplia os seus conhecimentos, na medida em que oportuniza novos meios e formas de aprendizado e a parceria da Prefeitura de São Luís com o Centro Cultural Vale Maranhão só reforça o compromisso da gestão com a educação, que é prioridade para o prefeito Edivaldo”, destacou o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa.

Entre os estudantes da U.E.B. Rivanda Berenice Braga, estava Helouisy Fabiana Costa da Silva, 11 anos, do 5º ano, residente no Barreto. Ela disse ter amado a visita ao Centro Cultural, que fica no Centro Histórico da cidade. “É legal ver de perto coisas que na maioria das vezes vemos só por livros ou pela televisão. As esculturas e máscaras de animais retratam muito bem a cultura africana”, observou a estudante.

O aluno da rede municipal Vinicius Rafael Lopes Oliveira, 12 anos, conta que o vídeo da cultura africana, exibido antes da visitação à exposição, foi muito interesse, pois mostrou a música, a dança, e outras questões da cultura africana de forma simples e bonita. “As máscaras das mais diferentes formas e o vídeo foram as coisas que mais me chamaram a atenção. Gostei demais de ter vindo”, disse o estudante.

A cuidadora Louise Raphaelly de Azevedo Ramos, que trabalha na escola Berenice Braga, declarou ser “de grande importância a visitação dos estudantes ao espaço, para a ampliação do aprendizado e maior conhecimento da cultura africana, que tanto influenciou e continua influenciando a cultura brasileira”.

Para o coordenador educativo do Centro Cultural Vale Maranhão, Ubiratã Trindade, a parceria com a Prefeitura de São Luís dá, de fato, sentido à política de incentivo à cultura. Ubiratã Trindade diz ainda que a exposição faz acontecer a experiência da arte-educação fora dos muros da escola. “É de extrema importância o incentivo dos pais e professores para que os estudantes visitem exposições e outros locais de artes com o objetivo de ampliar o aprendizado. É bom poder discutir, refletir e até mesmo repensar as questões da cultura e religião de um povo”, assinalou.

MAIS SOBRE A EXPOSIÇÃO

Máscaras, esculturas e objetos cerimoniais ou de uso cotidiano, como bancos e apoios de nuca, compõem a exposição ‘O Diálogo das Formas’. São obras representativas da arte de 62 povos que habitam 14 países africanos. São ao todo 196 peças da coleção do médico pernambucano Eduardo Couto. Entre elas estão obras produzidas pelos povos Iorubá, da Nigéria; Luba, do Congo; Dan, da Libéria; Fang, do Gabão; Bobo e Gurunsi, de Burkina Faso; e Dogon, do Mali.

Escolas da rede municipal promovem atividades em comemoração às festas juninas

Quando se fala em tradição folclórica no Maranhão, os primeiros exemplos que vem à cabeça são as brincadeiras juninas, tais como o bumba meu boi, a quadrilha e o cacuriá. Como forma de manter viva as tradições culturais, durante a semana, escolas da rede municipal da Prefeitura de São Luís realizaram diversas atividades culturais alusivas aos festejos juninos.

Para o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, a festa junina representa uma importante marca cultural da cidade. “O São João é uma das maiores festas populares. Para nós é de suma importância fortalecer a cultura maranhense no dia a dia das crianças, para a formação completa do estudante, ajudando a compreender as manifestações e respeitar as suas raízes culturais”, disse o titular da Semed.

A Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Justo Jansen, bairro Centro, realizou a sua festividade. De acordo com a gestora, Soraya de Fátima Nunes Pinheiro, o trabalho na escola foi feito pelos professores com os estudantes e apoio dos familiares das crianças e demais funcionários que enfeitaram a Rua Cândido Ribeiro, local onde ocorreram as apresentações.

Na programação da escola, as crianças apresentaram o espetáculo ‘A farra do Boi Bumbá’; dança de fita; quadrilha; forró e o Boi “Encanto Justo Jansen”. Ainda, ocorreu a premiação para rainhas e princesas caipiras da escola e o sorteio de uma rifa com kits da Copa do Mundo.

Layan William Mendes Penha, 10 anos, participou de duas danças, uma como vaqueiro e a outra experiência como miolo do boi. “Eu amo São João, é uma das minhas festas preferidas. Ter sido o miolo do boi foi muito legal, me diverti muito”, contou.

A professora do 3º ano, Fabiane de Jesus Reis Ribeiro, explicou o planejamento em sala de aula, destacando a importância das festas folclóricas para a cultura de um povo. “Cada turma realizou um trabalho de excelência durante o mês de junho com atividades voltadas para a festividade, buscando sempre inovar nas aulas e transmitir o conteúdo de forma prazerosa e cativante para os estudantes. Proporcionando dessa forma aulas enriquecedoras em prol de uma educação de qualidade”, disse a professora.

Sheila Farias Silva, mãe do pequeno João de Deus Silva Neto, 10 anos, parabenizou a escola por permanecer com as festas tradicionais e de fomento à cultura do nosso estado. “Meu filho adora participar e eu incentivo ele sempre nas atividades extras da escola. Acho muito importante este processo porque desenvolve a aprendizagem, o conhecimento, são novas descobertas o que enriquece e ensina a valorizarem a nossa cultura. A direção está de parabéns, João é o meu terceiro filho que estuda na escola, eu só tenho de agradecer por toda dedicação e carinho”, ressaltou a mãe.

APRESENTAÇÕES

Na Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Rosário Nina, bairro de Fátima, as apresentações culturais dos estudantes seguiram o planejamento letivo da escola elaborado pelos professores para desenvolver o projeto “Brincadeiras de São João: Construindo o Saber”, no período das festividades juninas. Durante o planejamento, cada turma ficou responsável por apresentar um projeto junino com aspectos histórico, econômico e cultural da manifestação escolhida.

As atividades foram danças, jogos e história que ajudaram os alunos a aprender de forma lúdica sobre a cultura maranhense. “A programação da escola está sendo realizada desde o início do mês de junho, com atividades sendo desenvolvidas em sala de aula e a culminância com as apresentações. Os estudantes do 1º e 2º ano confeccionaram os jogos. Já as turmas do 3º a 5º ano produziram sobre brincadeiras e danças, entre as mais desejadas pelas crianças, a quadrilha, cacuriá e o auto do bumba meu boi”, explicou a gestora Gilmara Mesquita Carneiro.

João Gabriel de Brito Reis, 10 anos, estudante do 5º ano, aprendeu sobre os sotaques do bumba meu boi, cinco ritmos que caracterizam uma das principais manifestações folclóricas maranhenses. “O que mais gostei foi o de matraca porque o som é bem legal”, disse o garoto. Para Ícaro Gustavo Silva Matos, 10 anos, também estudante do 5º ano, as brincadeiras típicas dos arraiais são fantásticas. “Gosto muito de São João, sempre visito os arraiais com minha família. De todas as danças o que eu mais gosto de assistir é a parte em que o boi é ressuscitado, o auto do bumba meu boi”, contou.

A professora Kátia Cilene Amorim Gomes, ressaltou que as atividades têm como principal objetivo o resgate de valores culturais com foco na aprendizagem dos estudantes em leitura e escrita. “Os meninos adoram o tema. São João é maravilhoso de trabalhar, fizemos diversas produções de textos voltados para aperfeiçoar a habilidade da escrita nos estudantes. A leitura da história e dos contos desperta muita curiosidade e eles aprendem se divertindo”, explicou.

Os estudantes fizeram a apresentação dos temas em sala de aula para os demais colegas e também a apresentação das danças no salão da escola. Marcos Vinícius Moraes Penha, 8 anos, estudante do 3º ano, apresentou na turma o surgimento da dança quadrilha. “Fiquei na parte da apresentação para os colegas da sala e eu falei para eles que a quadrilha surgiu na Europa e se transformou no Brasil. Os passos da quadrilha também são muito legais e divertidos. São repetidos algumas vezes, por exemplo, ‘Anariê’, que é usado como grito de incentivo para sair do lugar. É muito legal”, contou o garoto.

PROJETO

Na U.E.B. Emir Justino a festa junina aconteceu com encerramento do 1º semestre com a culminância do projeto ‘Preservar também é atitude de criança, danças e dramatização’. Na U.E.B. Mário Andreazza, no bairro Liberdade, a festança foi realizada com muitas comidas típicas, danças e bastante alegria.

A comemoração para São João foi alusiva ao aniversário de 100 anos do bairro. Atividades sustentáveis, maquiagem relacionadas a copa do mundo, apresentação de um jornal sobre atividades folclóricas, músicas de tradição juninas e uma apresentação inovadora de fit dance caipira, fizeram parte da programação que apontou para os três grandes momentos: a Copa do Mundo, as festas de São João e o centenário do bairro. Tudo organizado pelos alunos, com ajuda dos coordenadores e professores da escola.

A gestora, Ana Rute, falou da participação dos alunos para a realização desta programação, e pontuou sobre a importância dos professores neste processo. “Os alunos se envolveram bastante. Uns contribuindo com sugestão de figurinos para serem utilizados nas danças, outros trouxeram alguns ingredientes para fazermos comidas típicas, outros ajudaram a montar as barracas, enfim, todos participaram de alguma forma. O que me deixa mais feliz é saber que os alunos têm interesse em perpetuar a cultura maranhense. E isso se dá também pelo apoio maravilhoso dos professores que tornam isso mais fácil, que ensaiaram com eles, e até mesmo dentro da sala de aula, ensinando a relevância da cultura maranhense”, pontuou.

A professora Ana Grei, da disciplina de Filosofia, falou como agregou a matéria nesse momento de comemorativo. “Tentamos associar de alguma forma todas as matérias dentro da programação, foi um desafio, mas, no final deu tudo certo. Inicialmente, discutimos com os alunos a importância da filosofia para este momento, então, passamos por alguns tipos de conhecimentos, e após isso eles mesmos optaram pelo conhecimento do senso comum, bem apropriado para a temática. Escolhido o tipo de conhecimento que iriamos trabalhar, todos começaram a verificar alguns ditos populares, simpatias e expressões cotidianas que todos nós usamos. Para fortalecer o nosso trabalho, pedimos que eles pesquisassem, principalmente, com os avós e com os seus pais, pois eles eram os que mais usavam essas expressões. Com os dados apurados em mãos, montamos um mural com todos esses dizeres e algumas explicações da origem desses ditos. O mural ficou lindo”, pontuou a professora.

COMIDAS TÍPICAS

Mingau e bolo de milho, torta de camarão, arroz de cuxá, cocada e pé de moleque foram algumas das guloseimas que os estudante do 9º ano estavam vendendo na barraca de comidas típicas. Com o dinheiro arrecadado, eles organizarão a festa de formatura no fim do ano, é o que explica o estudante Carlos Henrique. “Decidimos organizar essa barraca para a nossa formatura. Até porque no ano passado os alunos que estudavam o 9º ano fizeram um trabalho semelhante a esse, e deu muito certo, então estamos fazendo o mesmo, para angariarmos recursos e aplicar na nossa festa de formatura. Cada um trouxe algum prato típico, toda a turma se empenhou para esse momento. O legal de tudo isso, foi o fato de aprendermos mais sobre a nossa cultura. Não podemos de forma alguma parar com essa manifestação, por que além de ser muito bonita, também nos faz relembrar dos nossos ancestrais. Está tudo perfeito”, falou.

Yasmim Akíra, do 7º ano, que foi a noiva da quadrilha junina nos falou da emoção de participar dessa que é uma das mais conhecidas danças nesta época. “Estou muito feliz por ter sido escolhida a noiva da quadrilha, porém, é muita responsabilidade, porque eu fico na frente e tenho que desempenhar um papel de orientação para os demais. Mas, também estou apreensiva pois nunca dancei antes”.

Raissa Bianca, do 9º ano, foi uma das participantes do Baile de Caixa, que dançou o cacuriá e a dança do coco. “Estou bastante feliz. Gosto de apresentar em momentos como esse, porque é um momento onde a nossa cultura é mostrada para todos. Esse ano danço mais feliz, por que estamos homenageando o nosso bairro, que é tão grande é tão lindo”, disse.

DANÇAS

Bandeiras coloridas, danças da época, baião, quadrilha, carimbó e forró pé de serra foram algumas das atrações que as criança da U.E.B. José Cupertino, do bairro João Paulo, apresentaram na festa junina da escola, que esse ano teve um diferencial: homenagem a João do Vale, um dos mais fortes nomes da cultura maranhense.

A gestora Elma Pereira, relatou como estava feliz com mais uma festa que a escola estava realizando. “Amo realizar essas festa para as nossas crianças, é muitíssimo gratificante, ainda mais essa festa que fala bem da nossa cultura e cultura é história e história é vida. Ainda mais este ano, que nós escolhemos para fazer uma homenagem ao saudoso João do Vale, um grande representante da cultura do nosso estado. O São João em são Luís, é um berço efervescente da cultura, então não trabalhamos só as danças ou as comidas típicas, mais a leitura, a escrita, a diversidades e a parceria entre eles, isso tudo nos fortalece enquanto sociedade”, disse.

Estudante da rede municipal selecionada em projeto vai à Copa do Mundo na Rússia

Nesta segunda-feira (25), quatro estudantes embarcaram rumo à Copa do Mundo de Futebol, na Rússia. Entre eles está Vitória Souza Moraes, 15 anos, que foi selecionada em 2017 para participar do Festival Fundação Fifa, evento oficial do torneio. Na época da seleção, ela era estudante da rede municipal de ensino da Prefeitura de São Luís, na Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Amaral Raposo, em Pedrinhas.

A seleção aconteceu ano passado nas Olimpíadas do Brincar ao Jogar, no projeto Bolação, realizado nas escolas da rede por meio de uma parceria entre a Secretaria Municipal de Educação (Semed) e o Instituto Formação. O projeto tem o objetivo de contribuir com o desenvolvimento pessoal, social e cognitivo dos estudantes, disseminando o espírito esportivo desde cedo e fomentando práticas saudáveis e de desenvolvimento social e humano pelo esporte.

“As ações que a Semed realiza com entidades parcerias são muito importantes no desenvolvimento das crianças e adolescentes. A exemplo da parceria com o Formação que por meio do esporte contribui ricamente para a vida dos estudantes”, pontuou o titular da Semed, Moacir Feitosa.

Para o representante do Formação, Fábio Cabral, instituto que está promovendo a viagem dos adolescentes para a Rússia, a organização fomenta práticas saudáveis e de desenvolvimento social e humano pelo esporte. “A importância do festival é justamente poder proporcionar aos jovens a troca de experiência, pra eles que de alguma forma desenvolvem atividades de esporte em suas comunidades de forma inclusiva é uma troca de experiência com outros jovens que fazem um trabalho parecido em todo o mundo. É um momento de dar visibilidade ao trabalho das organizações que trabalham de forma diferente com o esporte como ferramenta de inclusão, além de proporcionar a esses jovens a possibilidade de conhecer outras pessoas”, pontuou.

Além de Vitória Moraes, de São Luís participarão das competições em Moscou Luana Rodrigues, 17 anos e Rian Costa, de anos; e ainda Lucas Mendes, 17 anos, da cidade de Palmeirândia. Além deles também viajam a jovem Karolyne Santos e o representante do Formação, Fábio Cabral.

SONHO

Com a bagagem cheia de expectativas, a viagem internacional é um sonho para Vitória Souza Moraes, 15 anos. “A emoção é imensa por viajar para fora do país e voar pela primeira vez. Estou muito feliz pela conquista, é um sonho sendo realizado”, contou a garota. “O projeto vai oportunizar, além da competição, o aprendizado, descobertas, interação e convivência com novas pessoas. Com certeza a experiência será nossa maior vitória”, completou Vitória.

Rosimar de Sousa Moraes, mãe de Vitória, conta que é difícil deixá-la viajar para longe, mas entende que a viagem será importante para o crescimento da filha. “Deus está no controle. Temos que preparar nossos filhos para o mundo, ela está feliz e nós, a família dela, também estamos”.

FESTIVAL

O Festival Fundação Fifa é realizado desde 2006, na Copa do Mundo na Alemanha. Nas três edições anteriores levou o nome de Festival Footbal for Hope e também contou com jovens maranhenses selecionados pelo Instituto Formação.

Este ano o evento irá reunir mais de 300 participantes, entre os dias 26 de junho a 5 de julho. Durante esse período, os jovens selecionados para o programa irão participar de um torneio de futebol conhecido pelo fair play (ética no meio esportivo) e apresentações culturais que incentivarão o intercâmbio e a troca de conhecimento ao longo do evento. A partida dos estudantes será disputada no estádio Luzhniki, em Moscou, no dia 1º de julho.Todos os participantes também terão direito a assistir a um jogo das oitavas de final da Copa do Mundo de um dos estádios que sediarão os jogos na Rússia.

Estudantes da rede municipal de São Luís visitam pontos turísticos da capital

Crianças da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Olinda Desterro, bairro Vicente Fialho, visitaram nesta terça-feira (12), pontos turísticos no Centro Histórico de São Luís. No roteiro, as crianças, acompanhadas dos professores, coordenação, direção e pais, visitaram a Fonte do Ribeirão, monumento cercado de mistérios e lendas, e a exposição de artesanatos típicos regionais no Centro de Artesanato do Maranhão (Ceprama). A aula de cultura e artes em meio a uma manhã de lazer e aprendizado faz parte do projeto “Maranhão de Encantos: sabores, danças, artes e lendas” realizado pela escola.

O secretário de Educação de São Luís, Moacir Feitosa, reconhece a dedicação dos professores da rede, que não têm medido esforços para ensinar e educar de forma diferenciada, por meio de atividades lúdicas, que estimulem o aprendizado. “É importante para o desenvolvimento das crianças participarem também de atividades fora da sala de aula. A criatividade do professor na hora de propor essas ações que estimulam a curiosidade deles por nossa cidade e pela cultura é essencial, porque a criança aprende brincando, passeando, vendo de perto as nossas riquezas”, assegurou.

O projeto “Maranhão de Encantos: sabores, danças, artes e lendas” é realizado na escola pela coordenadora pedagógica Rosely Lima. O projeto trabalha a temática da cultura maranhense com o objetivo de garantir aprendizagem para as crianças por meio de vivências possibilitando que elas construam e reconstruam os conhecimentos acerca da cultura local.

“As professoras em sala de aula estão desenvolvendo trabalhos a partir de vários subtemas, através de contos, lendas, comidas típicas. Na visitação, os estudantes conheceram de perto a cultura. As visitas pedagógicas visam aprimorar o desenvolvimento do projeto. As crianças estão encantadas”, comentou a coordenadora Rosely.

Os olhares encantados e curiosos das crianças da Creche ao Infantil II da U.E.B Olinda Desterro demonstram o prazer pela cultura. Abimael Gomes da Silva, 5 anos, gostou de conhecer a Fonte do Ribeirão. “Muito legal e muito bonito. Tirei várias fotos para mostrar para minha mãe”, disse o garoto.

Incorporar os saberes da cultura popular aos conteúdos é um dos desafios da escola e esse trabalho deve começar já na Educação Infantil. A professora da Creche, Simone de Fátima Passos, destacou o tema sabores da terra e frutas regionais trabalhado em sala de aula com as crianças. “É uma valorização da cultura regional. Na escola apresentamos um vídeo para as crianças sobre as comidas típicas, fizemos colagem com os caroços da juçara e a degustação de alimentos, como o doce de cupuaçu, oportunizando a eles uma vivência de todo o processo do projeto cultural”, comentou a professora.

PARTICIPAÇÃO DOS PAIS

Visando o diálogo constante entre pais e escola e a importância da relação família-escola no processo ensino-aprendizagem, o projeto “Maranhão de Encantos: sabores, danças, artes e lendas”, insere a família na metodologia de aprendizagem da cultura maranhense participando ativamente das visitações, conhecendo os valores e as tradições culturais nativas juntos dos seus filhos.

Ana Flávia Fernandes Viegas, mãe das gêmeas Manuela e Dandara Fernandes Oliveira, 3 anos, ressaltou a importância da participação dos pais nas atividades propostas pela escola. “Com a nossa participação nossos filhos vão aprender mais porque precisamos ajudar a escola nesse processo de educação. É o nosso dever também, pois juntos estamos aprendendo e conhecendo um pouco mais da nossa cultura. A educação partilhada é que constrói o caráter do cidadão consciente que buscamos ter hoje em nossa sociedade, pois a educação passa pela família e depois pela escola mostrando seus reflexos na sociedade. Estou gostando de participar”, disse a mãe das gêmeas.

Lourdes Bahia dos Santos, mãe do pequeno Arthur dos Santos Paurá, 5 anos, disse que essa é a primeira atividade fora da escola que participa com o filho. “Nem sempre tenho tempo para acompanhar o Arthur nas atividades e hoje consegui vir e gostei de conhecer esses lugares que, até então, não tinha visto com ele. Está sendo proveitosos para os dois, pois foi possível aprender e ter um lazer com ele através do projeto da escola. As professoras estão de parabéns. É o conhecimento e a diversão juntos”, comentou.

Prefeitura realiza Jornada de Educação Alimentar e Nutricional nas escolas da rede municipal

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretária Municipal de Educação (Semed), realizou nesta quarta-feira (30), na Creche Escola Maria de Jesus Carvalho, no bairro Camboa, a oficina de culinária “Chefinho Saudável”, com 19 crianças do Infantil II do turno matutino. Na segunda (28) e terça-feira (29), foi ma vez da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Alberto Pinheiro, com o 5º Ano Fundamental, receber Teatro de Fantoches também com o tema alimentação saudável. As ações fazem parte da segunda edição da Jornada de Educação Alimentar e Nutricional (EAN) do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

O objetivo é incentivar as práticas das ações de Educação Alimentar e Nutricional no ambiente escolar, para promover a alimentação saudável e a prevenção da obesidade infantil no ambiente escolar. Para o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, estas ações são essenciais no sentido de orientar as crianças para a importância de seguir uma alimentação saudável. “Os hábitos alimentares vão refletir na idade adulta, por isso é importante que eles aprendam desde pequenos a forma correta de se alimentarem. Adquirindo boas práticas, eles terão mais qualidade de vida, hoje e no futuro”, pontuou o titular da Semed.

A Jornada foi realizada pela equipe de nutricionistas da Semed – Amanda Gomes, Dayane Madeira, Karla Andrea, Elinete Costa, Maria Bernarda Magalhães e a estagiária em Nutrição Suzany Cardoso. Na creche Maria de Jesus Carvalho, a oficina culinária “Chefinhos em Ação” além de ter a intenção de despertar hábitos alimentares saudáveis nas crianças, quer incentivar nelas autonomia em preparar seu próprio lanche, e lembrando também a importância da higiene das mãos antes das refeições.

A oficina envolveu as crianças na preparação de lanches saudáveis, tais como sanduíches naturais, sucos e espetinho de frutas. Durante toda a atividade com os alimentos, as crianças aprenderam sobre nutrientes e benefícios das frutas e legumes que eles comeram e no final ainda assistiram a vídeos musicais do Canal Nutriamigos, ganharam brindes como desenhos para colorir e jogo da memória, ambos trazendo a mesma temática de alimentação saudável.

O gestor da creche, Aquiles de Jesus, ressaltou que existe uma interação entre os pais e os professores referente à alimentação das crianças. “Sempre trabalhamos com a questão da alimentação saudável, uma vez por semana nós enviamos para todos os pais o cardápio da escola, assim tentamos conscientizá-los para que as crianças não tragam de casa lanches como refrigerante, pois a escola oferece um lanche saudável”, frisou. “Nós convidamos os pais para lancharem na escola uma vez ou outra, para eles verem a qualidade do que é oferecido a nossas crianças”, completou.

A coordenadora da creche, Juliana Trinta, disse que é importante trabalhar a criança como um todo. “Nós procuramos, dentro da proposta da rede, trabalhar essa criança de forma integral, desenvolvendo todas as dimensões dela, a social, cognitiva, afetiva. Uma experiência como essa de alimentação saudável contempla todos esses campos de desenvolvimento. Procuramos fazer com que as crianças vivenciem essas situações e que isso seja significativo para elas”, pontuou.

Na U.E.B. Alberto Pinheiro, a ação aconteceu por meio de teatro de fantoches e palestra “Minhas Escolhas”. Lá, foram apresentados alguns alimentos que serviram para a produção de sucos para degustação e também a pirâmide alimentar. De acordo com a nutricionista da Semed, Elinete Costa, esse tema faz uma reflexão sobre as escolhas alimentares e o futuro que a criança vai ter dependendo da escolha que fizer. “É importante ajudar a criança na decisão pela alimentação saudável, pois é isso que vai determinar o futuro delas”, alertou.

Escolas da rede municipal de São Luís têm gestão otimizada com novos equipamentos de informática

Mais recursos tecnológicos e pedagógicos, maior dinamismo ao processo ensino-aprendizagem, aulas mais qualificadas e agilidade às demandas administrativas são alguns dos aspectos positivos destacados por educadores e servidores beneficiados pelos novos equipamentos de informática entregues pelo prefeito Edivaldo, na semana passada, às escolas da rede municipal de ensino de São Luís. São 300 notebooks e 200 impressoras disponibilizados às unidades educacionais que já integram o cotidiano administrativo e pedagógico de dezenas de escolas, como parte do trabalho de reestruturação e modernização da educação municipal que vem sendo implementado pela Prefeitura de São Luís desde o início da gestão do prefeito Edivaldo.

Durante a entrega dos equipamentos, realizada no dia 7 deste mês, o prefeito destacou a ação como parte de um conjunto de investimentos para a modernização da gestão escolar e reestruturação da Educação. “Essa ação integra outros importantes investimentos, como a reforma de escolas, climatização das salas de aula, realização de concurso público e pagamento de piso salarial acima do nacional aos professores, ampliação da oferta de formação continuada aos educadores, entre outros. Oferecer educação de qualidade é, sem dúvida, uma das prioridades da nossa gestão” afirmou Edivaldo.

Os novos equipamentos contribuem como ferramenta pedagógica para a melhoria do ensino nas escolas municipais, além de também serem utilizados para gerar e processar informações do Sistema Municipal de Administração e Controle Escolar, nova plataforma on-line de gestão que moderniza, simplifica e facilita o trabalho administrativo.

O secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa, reforça a ferramenta como um item facilitador do processo burocrático de gestão escolar, mas com a finalidade principal de que toda a modernização do sistema reflita positivamente no processo ensino-aprendizagem dos alunos. Ainda conforme o titular da Semed, os novos equipamentos e o sistema de gestão e controle escolar implantado contribuem para a melhoria do trabalho pedagógico como um todo. Afirma também que o sistema integra um dos cinco pilares do programa Educar Mais, o da Modernização da Gestão.

Para as mudanças na gestão escolar, todas as unidades da rede municipal estão recebendo cabeamento de fibra ótica e os equipamentos de informática. Nesta primeira etapa, 100 escolas receberam os equipamentos. Para o monitoramento do sistema, a Semed capacitou 471 pessoas, sendo 217 gestores e 254 servidores dos setores administrativos.

MODERNIZAÇÃO

A nova plataforma garante o acompanhamento dos processos de matrícula, boletim e frequência de forma on-line. Será possível, ainda, ter todas as informações dos estudantes da rede, realizar emissão de relatórios da vida escolar dos estudantes, planejar a gestão de vagas, para se obter a previsão de matrículas anuais na rede; garantir a matrícula online em todas as escolas; obter resultados de avaliações, ter dados de frequência escolar dos alunos.

O sistema possibilita ainda ter acesso a registros e alocação de professores e servidores de uma unidade para outra; fazer migração de dados para o sistema educativo; ter controle de serviços especiais executados na rede de ensino; promover a modernização do sistema de lotação no Recursos Humanos; entre outros processos.

Uma das escolas beneficiadas pelos equipamentos é a Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Bernardina Spíndola, no Centro da capital. A gestora da unidade, Sylvia Ferreira, destaca as melhorias que a ferramenta está proporcionando à gestão escolar, atuando também como instrumento em favor da melhoria do ensino.

“Os equipamentos estão promovendo uma verdadeira revolução no trabalho de nossa escola. Vieram para facilitar nossa vida, exatamente no sentido de desburocratizar os processos administrativos e facilitar a produção de conteúdos a serem ministrados pelos educadores em sala de aula. Atualmente, tudo é realizado de forma virtual e quando não dispúnhamos dos equipamentos muitos documentos tínhamos que imprimir e levar em mãos. Hoje, não precisamos mais nos deslocar e nem executar nada manualmente, porque atendemos às demandas administrativas de forma on-line, com muito mais agilidade e fluidez à movimentação dos processos administrativos na escola. Além disso, nossos professores também dispõem dessa ferramenta para elaboração de seus planejamentos e realização de pesquisas para enriquecer os conteúdos ministrados em sala de aula”, observou a diretora Sylvia Ferreira.

A professora Mary Lúcia Bogéa, gestora da U.E.B. Menino Jesus de Praga, no bairro Vinhais, outra escola beneficiada pelos equipamentos, tem pensamento similar. “É uma ferramenta tecnológica de trabalho que veio para nos auxiliar amplamente na gestão de nossa escola. O processamento de dados importantes à gestão escolar ficou muito mais rápido, tornando a base de informações muito mais precisa. Hoje, por exemplo, já fiz a inserção de dezenas de dados de alunos para ter acesso à carteira de estudante. Antes, esse processo era muito moroso porque não disponibilizávamos de uma ferramenta on-line para concluir o processo, como temos agora. Além do mais, a ferramenta dinamiza ainda mais a parte pedagógica, pois nossos professores hoje têm como elaborar aulas com mais criatividade, produzir slides e enriquecer conteúdos ministrados em sala de aula”, observou a gestora.

Mary Lúcia Bogéa, gestora da U.E.B. Menino Jesus de Praga e a professora Núbia Regina Santos

Os novos notebooks e impressoras entregues pelo prefeito Edivaldo integram o programa Educar Mais, lançado há cerca de um ano pelo gestor, visando a qualidade do ensino e a melhoria dos indicadores educacionais na capital. O programa municipal tem foco na aprendizagem, no monitoramento, na formação continuada, na gestão e infraestrutura das unidades. Por meio do programa está sendo realizado o diagnóstico da qualidade do ensino oferecido na rede pública municipal de São Luís com o objetivo de acompanhamento, monitoramento e tomada de decisões na área da Educação.

O Educar Mais inclui em seu método de aplicação a criação de programas para atendimento mais adequado às melhorias da infraestrutura física. Além da informatização e modernização da rede, a iniciativa visa, ainda, a reforma, ampliação e construção de unidades; e a manutenção preventiva e corretiva. Por meio do programa, a Prefeitura já reformou mais de 120 escolas, melhorando totalmente sua infraestrutura, com colocação, inclusive, de aparelhos de ar-condicionado em todas elas.

Prefeitura de São Luís leva projeto sobre tambor de crioula para escolas da rede municipal

Reconhecido como Patrimônio Imaterial do Brasil, o tambor de crioula é uma expressão cultural com descendência africana considerada um referencial de identidade e resistência cultural dos negros, que envolve dança circular, canto e percussão de tambores. Como forma de valorizar este que é um dos maiores bens culturais do Maranhão, a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) e Secretaria Municipal de Educação (Semed), em parceria com o Comitê Gestor de Salvaguarda do Tambor de Crioula e apoio do Conselho Municipal de Cultura (Comcult), abriram nesta quarta-feira (9) o projeto Punga de Saberes.

A primeira escola a receber as oficinas foi a U.E.B Ministro Mário Andreazza, no bairro da Liberdade, com atividades ministradas pelo Mestre Marcelo Silva, com a carga horária de 8h. Os estudantes puderam aprender sobre o que é a manifestação, o nome de cada instrumento usado, o papel de cada um na roda e fizeram a experiência de tocar a parelha e algumas toadas, além de esquentar o couro dos tambores. A tarde também teve oficina de dança com coreiras, que mostraram sobre o bailado e a punga ou umbigada – gesto característico, entendido como saudação e convite. A parelha vai ser doada para a escola para fazer parte de seu acervo.

O projeto, aprovado no Edital Nacional para Bens Registrados do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), visa apoiar e fomentar o tambor de crioula, através de ações educativas, de formação e de transmissão de saberes tradicionais, disseminando essa manifestação cultural. Ao todo, serão atendidas 10 escolas da rede municipal de ensino, além de 60 professores e coordenadores pedagógicos e ainda três comunidades (Fé em Deus, Bairro de Fátima e Taim), com o Circuito Saber Fazer Cultural.

“A iniciativa ressalta a cultura popular tendo como protagonista uma das principais manifestações culturais maranhenses. Para nós é de suma importância fomentar o tambor de crioula nas escolas e comunidades de São Luís, por isso, buscamos locais onde a manifestação estava mais presente, na área urbana e rural, para que seja valorizada desde as crianças e para que elas possam se identificar com nossa cultura, se apropriando de algo que é nosso, fugindo de todo preconceito que possa existir”, destacou o secretário municipal de cultura, Marlon Botão.

Para o secretário municipal de educação, Moacir Feitosa, as ações são voltadas para o fortalecimento da prática cultural em sala de aula nas suas mais variadas formas de expressão. “A transmissão dos conhecimentos para os estudantes, por meio das oficinas de tambor de crioula, promove o fortalecimento da nossa cultura, pois a partir desta ação, vão ser transmitidos saberes que garantirão o enriquecimento dos nossos estudantes”, falou.

FORTALECIMENTO

Selma Sá, professora de educação física, frisou que o projeto vai ajudar a quebrar preconceitos. “A escola possui muitos projetos envolvendo diversas manifestações culturais maranhenses e os alunos sempre participam e mostram interesse. A maioria deles já tem uma vivência e conhecimento sobre o tambor de crioula, pois muitas famílias participam. Eu sou da comunidade, sou da Liberdade e também tenho vivência no tambor de crioula. Com o projeto iremos trabalhar o olhar livre de preconceitos por parte dos alunos, de seus pais e também dos professores, pois muitas vezes o preconceito vem por não conhecerem a manifestação”.

A oficina foi ministrada pelo mestre de tambor de crioula Marcelo Silva. Segundo ele, projetos como este são extremamente importantes para não deixar morrer algo que é tão essencial para a cultura maranhense. “É também importante para desmistificar visões equivocadas que muitas pessoas podem ter sobre o tambor de crioula, achando que é algo negativo. É arte, é dança, é música, é nossa cultura de matriz africana que está sendo perpetuada para as próximas gerações”.

A aluna Raissa Gonçalves, do 9º ano, a oficina ajuda a reforçar suas origens. “Eu já havia participado de tambor de crioula há alguns anos, mas havia parado, mas estou gostando muito de participar dessa oficina porque é importante conhecermos nossa cultura, conhecer de onde viemos”.

Prefeitura de São Luís firma parceria com Abrinq para formação de professores da rede municipal

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed), firmou parceria com a Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente para ofertar treinamento aos profissionais da educação da rede municipal por meio do programa Protegendo Sonhos. A assinatura do convênio ocorreu esta semana, bem como a primeira das oito formações voltadas para professores e coordenadores pedagógicos, sendo quatro presenciais e quatro à distância, as quais serão realizadas em 2018 e 2019.

“Estamos garantindo, com mais essa formação, em parceria com a Abrinq, mais qualidade a educação, como requer a política educacional instituída pelo prefeito Edivaldo, a partir de uma maior qualificação dos educadores da rede”, assinalou o titular da Semed, Moacir Feitosa, que recebeu os representantes da Fundação Abrinq, em seu gabinete, para a assinatura do convênio do programa Protegendo Sonhos.

O objetivo do programa Protegendo Sonhos é melhorar o desempenho de alunos dos anos finais do Ensino Fundamental em leitura, escrita e matemática, por meio da formação de professores, doação de kits pedagógicos e realização de eventos simultâneos entre professores e alunos. Em princípio, foram selecionados para participar da formação, docentes de sete Unidades de Educação Básica (U.E.B.) do município de São Luís, sendo uma escola de cada núcleo: Primavera (Anil), Rubem Almeida (Coroadinho), Alberto Pinheiro (Centro), Menino Jesus de Praga (Turu-Bequimão), Rosália Freire (Itaqui-Bacanga), Santa Clara (Cidade Operária), e Haydee Chaves (zona rural).

A primeira formação ocorreu nesta semana e reuniu, aproximadamente, 30 professores e coordenadores pedagógicos da rede municipal de educação e orientadores sociais da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), no auditório da Unidade de Educação Básica (U.E.B.) Luís Viana, na Alemanha.

Na ocasião, a consultora da Fundação Abrinq, Andrea Marinho e a assistente técnica de Projetos em Educação da referida instituição, Carla Borba Lerner, traçaram as linhas gerais do programa Protegendo Sonhos, com seus objetivos, ações e resultados esperados, e falaram de várias temáticas transversais, como adolescência, protagonismo, contextos de vida, relações étnico-raciais e questões de gênero dentro das escolas, que são de suma importância hoje para o desenvolvimento e aprendizagens dos estudantes.

AÇÕES PRÁTICAS

De acordo com a assistente técnica de Projetos em Educação da Fundação Abrinq, Carla Virgínia Borba Lerner, uma das respostas à formação do programa Protegendo Sonhos é desenvolver ações práticas, com foco na oralidade, escrita e matemática, voltadas para a realidade em que as escolas estão inseridas. Ela conta que além de São Luís, a Fundação firmou parcerias com outras três capitais: Salvador, São Paulo e Vitória. “Nossa visão é contribuir para a melhoria do desempenho escolar de estudantes”, explica Carla Lerner.

As professoras Maria de Jesus Gaspar Leite, secretária Adjunta de Ensino (SAE/Semed), e Arsênia Formiga, Superintendente da Área de Ensino Fundamental (SAEF/Semed), agradeceram a participação dos professores e coordenadores e a parceria da Fundação Abrinq.

O professor de Matemática Roberto Wagner Santos Silva, da U.E.B. Haydee Chaves (Vila Esperança), parabenizou a iniciativa, destacando a forma atrativa como foi repassado o conteúdo da oficina. “As formadoras estão conseguindo humanizar o conteúdo, o que para nós, professores de matemática, é muito importante. Isto nos estimula a participar das demais formações”, afirmou.

PROTEGENDO SONHOS

Criada em 1990, a Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança e do Adolescente (da Associação Brasileira dos Fabricantes de Brinquedos – Abrinq) é uma organização sem fins lucrativos que tem como missão promover a defesa dos direitos e o exercício da cidadania de crianças e adolescentes. O programa contribuirá com a qualificação e inovação de práticas leitoras, escrita e matemática em 20 escolas municipais de Ensino Fundamental (6º ao 9º ano).