SES desmente notícias falsas sobre surto de meningite no Maranhão

O Secretário de Saúde do Estado, Carlos Lula, chamou nesta quarta-feira (29), de FakeNews a informação de que havia surto de meningite no Maranhão. Algumas pessoas espalharam nas redes sociais o suposto surto da doença. Carlos Lula classificou de irresponsáveis aqueles que tentaram mais uma vez espalharem pânico através de fackenews. “Compartilhem com seus familiares e amigos: não há surto de meningite no estado. Esta possibilidade está descartada. É uma irresponsabilidade espalhar o pânico sob a forma de fakenews! Espalhe a verdade!”, disse Carlos Lula.

Em quatro dias, dois casos de meningite foram notificados em São Luís e causaram pânico na população. De acordo com o Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde (CIEVS) os dois casos notificados foram registrados nos municípios de São José de Ribamar e em Paço do Lumiar, na Região Metropolitana da capital.

O primeiro caso é de uma criança de quatro anos que vive no bairro Araçagy em São José de Ribamar, que deu entrada no último dia 23 de maio em um hospital particular de São Luís. Após testes laboratoriais, foi confirmado o diagnóstico de meningite viral. A SES informou que o estado da criança é estável e todos os sintomas estão sendo tratados, mas ainda não há previsão de alta.

A segunda notificação foi registrada na segunda-feira (27). A mulher de 24 anos, que não teve o nome revelado, deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Cidade Operária com fortes dores de cabeça, náuseas e rigidez na nuca. A jovem segue sob cuidados médicos e a SES aguarda o resultado dos exames laboratoriais. 

Em 2019, a Secretaria de Saúde do Maranhão (SES) já registrou 124 casos suspeitos de meningite, sendo 44 casos confirmados após exames laboratoriais. Segundo a secretaria, 13 pessoas morreram no estado por conta da doença, sendo cinco mortes somente em São Luís.

A SES alerta a população que por conta do período chuvoso que ocorre no Maranhão, aumentam as chances do aparecimento de doenças respiratórias como meningite e influenza. Por conta disso, a Superintendência de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, alerta professores de escolas, creches e funcionários de ambientes com muita aglomeração para adotar medidas de prevenção.

A meningite é um processo inflamatório das meninges, que são as membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. A doença pode ser causada por bactérias, vírus, fungos e parasitas ou por infecções. As meningites virais e bacterianas são consideradas as mais importantes, já que podem ocasionar surtos. A doença é transmitida pelo contato direto e prolongado por meio das secreções respiratórias entre pessoas infectadas, assintomáticas. Entre os sintomas, estão dores de cabeça, febre alta, vômitos, rigidez na nuca, pequenas manchas avermelhadas na pele. Em crianças menores de um ano, irritações e choro constante são sintomas da meningite.

Após a constatação de alguns sintomas, os pacientes devem procurar imediatamente atendimento médico para a realização de exames laboratoriais que confirmem a doença. Assim que confirmado, o caso deve ser notificado à Vigilância Epidemiológica Municipal para medidas de controle imediato.

Segundo a SES, a vacinação contra meningite para bloqueio está indicada em situações em que haja a caracterização de surto da doença.

SES define teto financeiro para prestação de serviços médicos em unidades de saúde

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) estabeleceu teto financeiro para prestação dos serviços assistenciais, por plantão de 24 horas, da rede estadual de saúde para as especialidades de ginecologia/obstetrícia, cirurgia geral, clínica médica, anestesiologia, pediatria e ortopedia, realizadas por empresas prestadoras dos serviços médicos em unidades de saúde da rede.

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, comentou que a Portaria SES nº 1.044, que estabelece os critérios para a redução do teto das despesas com a prestação dos serviços assistenciais da rede estadual de saúde e publicada no Diário Oficial do Maranhão no último 30 de outubro, não traz qualquer menção que possa ser entendida como corte no valor dos plantões médicos.

“A classe médica não será prejudicada, o que estamos fazendo é estabelecer uma igualdade de parâmetros às empresas prestadoras dos serviços médicos. Ou seja, adotamos o mesmo parâmetro para aplicação do teto de serviços iguais em unidades diferentes, repasse este isonômico e sem distorções”, garantiu Carlos Lula.

Ainda segundo o gestor estadual, a medida é uma exigência legal diante da expansão da rede de serviços de alta complexidade e prevista na emenda constitucional nº 95, que impactou fortemente o repasse de verbas federais para a saúde. Além da redução de verbas federais, o Maranhão tem um dos menores tetos financeiros per capita de média e alta complexidade do SUS transferidos pelo Ministério da Saúde para custeio das ações e serviços de saúde no valor de R$ 154,98/ano em comparação com a média nacional que é de R$ 203,54/ano.

O teto mensal estabelecido para empresas prestadoras dos serviços médicos em unidades de saúde da rede das áreas de ginecologia/obstetrícia, cirurgia geral, clínica médica, anestesiologia, pediatria e ortopedia será de R$ 77.500 para capital e 88.350 para o interior.

De acordo com a portaria, as especialidades médicas, decorrentes dos contratos de gestão da rede estadual de saúde, não previstas no artigo 1° deverão apresentar redução linear de, no mínimo, 10% (dez por cento) sobre os valores atualmente pactuados.

Para o diretor clínico do Hospital Regional Alarico Nunes Pacheco, em Timon, Candilberto Filho, a isonomia nos valores aplicados no teto dos serviços das empresas médicas é uma medida adotada de forma justa. “A Secretaria de Estado da Saúde assume um posicionamento de igualdade entre as empresas que fornecem serviços médicos às unidades de saúde, e diante do cenário nacional com possíveis reduções de repasse de verbas, a medida é apropriada, visto que a rede de saúde está ampliada com mais hospitais”.

Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão completa 99 anos

O Governo do Estado celebrou, nesta sexta-feira (25), os 99 anos do Laboratório Central de Saúde Pública do Maranhão (Lacen), com excelência na prestação de serviços e homenagens aos servidores.

Para secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, a população maranhense encontra no Lacen serviços de qualidade e com segurança. “O Lacen realiza exames de média e alta complexidade, atendendo à população com qualidade e resolutividade. O serviço é fundamental no diagnóstico de doenças transmissíveis, reforçando ações de controle de endemias”, disse o secretário Carlos Lula.

A superintendente de Epidemiologia e Controle de Doenças da SES, Graça Lírio, destacou o papel do Lacen. “Nós parabenizamos toda equipe do Lacen por uma luta quase centenária e que tem evoluído ano a ano para ampliar o leque de diagnósticos. Quando se tem o diagnóstico laboratorial, há como direcionar o tratamento dos pacientes das unidades de saúde”, afirmou.

Atualmente, o laboratório tem abrangência nos 217 municípios do estado e desenvolve suas atividades com base em dois eixos: Biologia Médica e Análise de Produtos e Meio Ambiente. Para tanto, conta com equipamentos de alta tecnologia, além de uma equipe altamente capacitada para realização de análises de média e alta complexidade.

“O Lacen tem como missão prestar um serviço de saúde pública no diagnóstico, nos agravos de saúde pública e na coordenação da rede laboratorial buscando qualidade e resolutividade para melhor atender a população do Maranhão. Então, a gente tem buscado proporcionar melhorias com novas tecnologias em nossos diagnósticos”, explicou a diretora do Lacen-MA, Conceição Pinto.

Durante a cerimônia, Elizaldo Costa, um dos servidores mais antigos do Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), foi homenageado em nome de todos os servidores. “Eu gosto muito do que faço, me identifico, tenho o respeito de todos e isso eu agradeço muito. Faço tudo para me manter nesse nível e espero que Deus me preserve sempre assim, fazendo o meu melhor sempre”, afirmou Elizaldo Costa, de 78 anos.

A chefe do setor de endemias do Laboratório Central (Lacen) da SES, Orzinete Rodrigues Soares, também destacou a importância do laboratório. “O nosso trabalho é feito com base nas atribuições centrais do Lacen. Nosso papel é de suma importância para a sociedade, uma vez que nele são realizadas análises que garantem as ações de vigilância epidemiológica, sanitária e de saúde”, completou.

Lacen 

No Laboratório Central de Saúde do Maranhão é possível realizar o teste de resistência às drogas utilizadas no tratamento da Tuberculose; genogrupagem da Neisseriameningitidis; microaglutinação para Leptospirose; PCR para identificação de Zika vírus, vírus da Chikungunya e da Dengue; para identificação de Influenza A H1N1, H3N2, Influenza B, Metapneumovírus humano, Parainfluenza de tipos 1, 2, e 3, Vírus Sincicial Respiratório e Adenovírus; PCR para o diagnóstico das meningites bacterianas, sorologia para Hantavírus, diagnóstico de Chagas Agudo, identificação de microbactérias não tuberculosas (MNT); identificação de protozoários do gênero Leishmania; dentre outros.

Instituto Gerir foi notificado 19 vezes antes de ter contrato suspenso, informa SES

O Instituto Gerir, que administrava três unidades hospitalares no Maranhão, vinha sendo notificado desde junho de 2017 sobre imprecisões em sua prestação de contas. Foram 19 notificações ao todo – 11 no ano passado e 8 este ano.

Mesmo assim, o instituto continuou a não cumprir suas obrigações, o que motivou a Secretaria de Estado da Saúde (SES) a suspender o contrato com a organização social.

Nas notificações, a SES pedia mais documentos que comprovassem a prestação de contas.

Em novembro de 2017, por exemplo, a SES comunicou que o instituto tinha até dezembro do mesmo ano para responder a dúvidas no relatório de prestação de contas referente a agosto. Faltavam comprovantes na prestação de contas.

O Gerir não atendeu o conteúdo das notificações, restando ao Estado a suspensão do contrato, para preservar o interesse público.

Para não prejudicar os pacientes e os funcionários, a administração das três unidades que estavam com o instituto foi trocada por outras instituições cadastradas.

SES suspende contrato com GERIR por violações contratuais por parte da empresa

A Secretária de Estado de Saúde do Maranhão SES informou, por meio de nota pública, que suspendeu o contrato com a empresa de administração hospitalar Instituto Gerir, por violações contratuais realizadas pela empresa. A Gerir administrava três unidades de saúde no estado, entre elas, e o Hospital Carlos Macieira, em São Luís.

Segundo a SES, membros do instituto “resolveram reagir com ameaças e chantagens, inclusive envolvendo indevidamente uma emissora de TV”.

De acordo com o Estado, o Gerir foi o único a apresentar “resistência” em se adequar às “melhorias do sistema de prestação de contas de recursos públicos”.

Confira a nota na íntegra:

 

Governo mobiliza população de 24 municípios para Mutirão do Glaucoma

O Governo do Maranhão iniciou a mobilização de moradores de 24 municípios das regiões de Barra do Corda, Pedreiras, Caxias e Presidente Dutra para atendimento no Mutirão do Glaucoma. Esta ação da Secretaria de Estado da Saúde (SES) consolida-se como forte ferramenta para redução dos casos da doença no estado. As equipes de oftalmologistas e técnicos iniciam os atendimentos, nesta quinta-feira (17), nas cidades de Buriti e Duque Bacelar.

A secretária adjunta de Assistência à Saúde, Carmen Belfort, afirma que as consultas oftalmológicas garantem o diagnóstico precoce e tratamento da doença. Além de promover o alerta aos pacientes com histórico familiar de catarata, por exemplo.

“Os pacientes saem da consulta com conhecimento sobre a patologia e medicamento. O governo oferta consultas e cirurgias por entender que a assistência deve ser completa para evitar os riscos de danos irreversíveis. O programa do Glaucoma tem foco no diagnóstico precoce. A distribuição do medicamento contínuo também é importante, pois permite que o paciente não interrompa o tratamento”, explica Carmen Belfort.

O gestor da Regional de Saúde de Caxias, Daniel Barros, considera a realização do mutirão uma forma de desafogar a demanda de atendimentos oftalmológicos e atender municípios vizinhos. “Sempre que ocorrem os mutirões em Caxias, a população da sede do município e das redondezas comparece em peso, isso demonstra o interesse pela assistência oftalmológica tanto pelo caráter preventivo como emergencial”, comenta.

Para a consulta, o paciente precisa levar cópia de documento de identidade, cartão do SUS e comprovante de endereço. Pessoas que têm parentes portadores de glaucoma, indivíduos com mais de 40 anos, pacientes com alto grau de miopia e diabéticos devem estar ainda mais atentos e procurar o mutirão para consulta. Mesmo sendo uma doença crônica e sem cura, o Glaucoma é tratado com o uso de colírios, que controlam a pressão intraocular e impedem o avanço da doença. O mutirão promove a busca ativa que detecta e trata também outras patologias da visão, como catarata. Os casos diagnosticados a cada edição são acompanhados.

BOX // Cronograma atendimento do Mutirão do Glaucoma

Quinta-feira (17)
Manhã
Buriti: CAP – Centro de Atenção Psicossocial- Avenida Candoca Machado, s/n, Centro

Tarde
Duque Bacelar: Centro de Saúde São José. Rua São José, Centro

Sexta-feira (18)
Manhã
Afonso Cunha: UBS Trizidela, Centro
Igarapé Grande: Colégio Chagas Costa. Rua Leopoldina Vale, s/n, Centro.
Jenipapo dos Vieiras: Centro de Saúde Joana Alves de Sousa (SESP). Rua do Sesp, s/n, Centro

Tarde
Coelho Neto: U.B.S São Judas, Centro
Trizidela do Vale: Auditório Municipal Dr. Kleber Carvalho Branco, bairro Aeroporto
Barra do Corda: Centro de Especialidades Médicas de Barra do Corda

Sábado (19)
Manhã
Itaipava do Grajaú: Hospital Municipal, Avenida Eugenio Guabiraba, s/n, Centro
Lago dos Rodrigues: Centro de Saúde Pedro Paulo Cortez, Rua Fr. José, S/N, Centro
Aldeias Altas: Hospital Municipal de Aldeias Altas

Tarde
Grajaú: Centro de Especialidades Ambulatoriais Dr. Itamar Guará, Rua das Verbenias
Pedreiras: Cesape, Rua Ciro Rego, s/n, Centro
Caxias: Escola João Lisboa, Rua Primeiro de Agosto, s/n, Centro

Domingo (20)
Manhã
São João do Sóter: Hospital Municipal
Bernardo do Mearim: Centro de Saúde São Bernardo, Sede – próximo mercado municipal
Arame: Centro de Saúde Dra. Maria Amália, Rua Rio Branco, s/n, Centro, próximo ao Colégio Bandeirantes

Tarde
Graça Aranha: Posto de Saúde de Graça Aranha. Rua São Francisco, s/n, Centro

Segunda (21)
Manhã
Governador Luiz Rocha: Centro de Ensino Médio Luiz Cheivan, Avenida Furtunato Pontes, s/n, Centro

Tarde
Santa Filomena: Prefeitura Municipal de Santa Filomena, Rua Ariston Costa, s/n, Centro

Terça (22)
Manhã
Joselândia: Posto de Saúde Elizoneth Ferreira Lima, Rua 4, s/n, Bairro Santo Antônio

Tarde
São José dos Basílios: Unidade de Saúde São José, Rua Piauí, s/n, Centro

Quarta (23)
Manhã
Presidente Dutra: Hospital Macrorregional de Presidente Dutra
Tarde
Santo Antônio dos Lopes: Posto de Saúde Elizoneth Ferreira Lima, Rua 4, s/n, Bairro Santo Antônio

No Maranhão, Campanha contra Gripe vacinou mais de 100 mil pessoas em duas semanas

Mais de 100 mil pessoas foram vacinadas contra gripe no Maranhão. As doses da vacina contra os vírus H1N1, H3N2 e Influenza B estão disponíveis nas Unidades Básicas de Saúde. A meta do Governo do Estado é vacinar pelo menos 90% dos maranhenses que integram o público-alvo, o que corresponde a 1.687.524 de pessoas – incluindo a população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional e pessoas com morbidades que, também, compõem o grupo prioritário estabelecido pelo Ministério da Saúde.

A chefe do Departamento de Doenças Imunopreveníveis da SES, Helena Almeida, pondera que a quantidade de pessoas vacinadas atualmente é significativamente maior do que a apresentada pelo balanço parcial. Também é aguardada a inclusão dos dados referente a cobertura vacinal de pessoas com doenças crônicas, funcionários do sistema prisional e pessoas privadas de liberdade.

“Temos registrados até o momento 100.490 pessoas dos grupos prioritários imunizadas. Está havendo imunização de todos os grupos, inclusive das pessoas privadas de liberdade e funcionários dos presídios e dos doentes crônicos”, afirmou Helena Almeida.

A Campanha de Vacinação contra a Influenza teve início no Maranhão no dia 23 de abril e prossegue até 1º de junho, com o cumprimento do cronograma para a imunização dos grupos prioritários. O Dia D da campanha, no qual podem ser imunizados os integrantes de todos os grupos prioritários, será em 12 de maio. O balanço parcial da vacinação inclui dados sobre crianças, idosos, gestantes, mulheres pós-partos, profissionais da saúde, professores e população indígena.

Com a realização da vacinação, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) visa reduzir as complicações e mortes decorrentes das infecções pelo vírus da influenza na população alvo para a vacinação. A vacina que está sendo aplicada na campanha é a trivalente, que protege contra os vírus da influenza A (H1N1), A (H3N2) e B.

Governo encerra atividades no Espaço Mais Saúde após mais de 7 mil atendimentos

O Governo do Maranhão encerrou, na segunda-feira (30), as atividades no Espaço Mais Saúde após 7.148 atendimentos. O serviço, instalado em uma loja no primeiro andar do Shopping da Ilha, proporcionou à população de São Luís acesso fácil e rápido a diversos serviços de saúde.

A atividade teve início em março, dentro da programação do Março Mulher, mas se estendeu até o fim de abril devido à aceitação popular. Dentre os serviços, destaque para aferição de pressão arterial, teste de glicemia capilar, avaliação nutricional, além de ações educativas em saúde e emissão de cartão do SUS.

“Nossa proposta foi agregar ainda mais serviços para a população.  Fortalecemos ações de prevenção e, assim, ampliamos o número de atendimentos no Espaço Mais Saúde”, frisou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

No total, nos dois meses, foram realizadas 977 avaliações nutricionais, 1.811 testes de glicemia, 1.820 aferições de pressão arterial, 2.298 ações de educação em saúde, 92 atendimentos em orientação/atendimento médico e aplicadas 150 doses de vacina.

O servidor público Francisco das Chagas Farias Silva, de 54 anos, usou e aprovou o Espaço Mais Saúde. “É excelente. Aproveitei para verificar minha pressão e avaliação nutricional de graça, o que é melhor ainda”, disse, ainda no início dos serviços.

Para a coordenadora de qualidade e projetos especiais da SES, Joedilma Santos, o grande diferencial de ações desse tipo é levar os cuidados com a saúde até as pessoas. “Nossa avaliação é muito boa, pois proporciona um espaço alternativo com serviços básicos de saúde. O público gostou de ter uma oportunidade a mais de se cuidar. O Espaço Mais Saúde acabou agregando ao momento de lazer o cuidado com a saúde”, frisou.

Mutirão do Glaucoma supera a marca de 100 mil atendimentos no Maranhão

O Mutirão do Glaucoma já percorreu mais de 180 cidades e atendeu 103 mil pessoas no Maranhão. Foram exames, consultas e medicação para prevenir e tratar essa doença que põe em risco a visão de até 3% da população brasileira acima de 40 anos.

O programa do Governo do Maranhão estimula o diagnóstico precoce, fundamental para reduzir os danos do glaucoma. No mutirão, os moradores passam por consultas e exames, recebem colírios e, se necessário, são encaminhados para o tratamento.

“Fazer o diagnóstico precoce é essencial para garantir maior qualidade de vida à população, em especial aquela acima de 40 anos. A população precisa ficar atenta aos dias do mutirão”, afirma o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

Geralmente, o glaucoma não apresenta sintomas aparentes antes de fazer estragos na visão. Por isso é importante fazer exames periódicos, principalmente para quem tem mais de 40 anos, pessoas com histórico familiar da doença e portadores de doenças como diabetes, hipertensão e hipertireoidismo.

Um dos mutirões passou pelo hospital Aquiles Lisboa, na capital. O aposentado Juarez Viegas, 77 anos, apareceu por lá e foi diagnosticado com glaucoma. Ele levou para casa o colírio: “Soube do mutirão e aproveitei para saber qual era meu problema nos olhos. Estou tranquilo, pois o médico me passou confiança e vou fazer o tratamento correto”.

Juvenal Ribeiro, de 58 anos, nunca tinha ido ao oftalmologista e também foi ao mutirão: “Tenho dor nos olhos sempre e à noite não sabia o que fazer. Soube do mutirão e aqui estou para o médico examinar minha vista. A consulta com oftalmologista é sempre muito cara, ainda é uma especialidade de difícil acesso para os pobres, mas agora o Governo permite que todos possam cuidar dos olhos”.

Exames

Os mutirões fazem todos os exames necessários para o diagnóstico preciso de glaucoma, dentre eles a campimetria, que avalia com alta precisão falhas no campo de visão central e periférico do paciente; a tonometria, processo de medição da pressão interna do globo ocular; e o fundoscopia, exame que utiliza luz e lentes de aumento para avaliar as estruturas do fundo do olho, como vasos, retina e nervo óptico em área central.

A doença

O glaucoma é uma doença que atinge o nervo óptico e envolve a perda de células da retina responsáveis por enviar os impulsos nervosos ao cérebro.

Se não for tratado, o glaucoma leva ao dano permanente do disco óptico da retina, causando uma atrofia progressiva do campo visual, que pode progredir para cegueira.

Secretário Carlos Lula toma posse como vice-presidente do Conass para a Região Nordeste

O secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula, foi empossado, na noite da última terça-feira (24), como vice-presidente do Conselho Nacional de Secretários da Saúde (Conass) para a Região Nordeste. O ato aconteceu em Brasília durante assinatura do termo de posse da nova diretoria da entidade. O secretário de Estado da Saúde de Goiás, Leonardo Vilela, assumiu a presidência do conselho para a gestão 2018/2019.

A eleição do chefe da pasta da Saúde do Maranhão para o cargo de vice-presidente aconteceu em março e foi realizada de forma unânime por todos os representantes do Nordeste. “A participação do Maranhão no colegiado do Conass demonstra que, juntos, temos buscado ampliar o debate sobre saúde pública, compartilhando desafios, experiências e resultados concretos com todos os nove estados da região. Experiências exitosas são a marca da gestão Flávio Dino. Por isso vamos continuar contribuindo de forma incisiva em cada plenária da entidade, fomentando o debate nacional, além de destacar os avanços reais na saúde pública do Maranhão”, destacou o secretário de Estado da Saúde, Carlos Lula.

O presidente recém-empossado, Leonardo Vilela, lembrou em seu discurso a importância de participar de um fórum como o Conass. “Esse é um dos fóruns mais importantes dentre os quais já participei. O de maior peso político e representatividade é o Conass, que pauta muitas das discussões mais importantes em torno da saúde no país. Temos muitos desafios e posso prometer muito trabalho”, afirmou.

Maranhão avança no debate 

Michele Caputo Neto, ex-presidente do Conass, que acumula grande experiência técnica e política na área, comentou que a atuação do gestor da saúde no Maranhão tem dado grande destaque para o estado. Secretário desde 2011, ele acompanhou a mudança da participação maranhense na entidade.

“O Maranhão tinha, talvez, os piores indicadores de saúde do país. Mas, nesse período que ele está à frente, tem mostrado o acerto na política conduzida na área da saúde. Ele é extremante presente e colaborador. Passaram dezenas de secretários aí no Maranhão. Não havia uma participação, não só em relação à frequência, mas no processo de debate. O Carlos Lula tem se mostrado de grande competência e há muito tempo tem o respeito de todos”, ressaltou.

Para o presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) Ronald Ferreira, é positiva a posse do secretário maranhense no Conass. “Temos visto um grande compromisso no Maranhão com aquilo que é a essência do CNS, que é a participação popular e a valorização da democracia. Temos as melhores expectativas com o Carlos Lula. Tem a capacidade de colocar como prioridade as demandas do povo. Por isso essa expectativa de ampliar a participação, protagonismo e escuta das demandas do Nordeste com base na experiência maranhense”, frisou.

A posse contou também com a presença do ministro da Saúde, Gilberto Occhi; do ex-governador de Goiás, Marconi Perillo, representando o governador José Eliton; da representante da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Mônica Padilha; do presidente do Conselho Nacional de Saúde, Ronald Ferreira; do presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira; do ex-ministro Desenvolvimento Social, Osmar Terra, dentre outras autoridades.

Diretoria para a gestão 2018/2019 do Conass

Presidente
Leonardo Moura Vilela – SES/GO

Vice-presidentes
Região Centro Oeste: Humberto Lucena Pereira Fonseca – SES/DF
Região Nordeste: Carlos Eduardo de Oliveira Lula – SES/MA
Região Norte: Vitor Manoel Jesus Mateus – SES/PA
Região Sudeste: Ricardo de Oliveira – SES/ES
Região Sul: Acélio Casagrande – SES/SC

Comissão Fiscal – Titulares
George Antunes de Oliveira – SES/RN
Henrique Jorge Javi de Sousa – SES/CE
Marcos Esner Musafir – SES/TO

Comissão Fiscal – Suplentes
Christian Reis Teixeira – SES/AL
Cláudia Luciana de Sousa Mascena Veras – SES/PB
José Iran Costa Júnior – SES/PE

Representante do CONASS na Agência Nacional de Saúde Suplementar
Francisco Deodato Guimarães (titular)
René Santos – CONASS (suplente)
Representantes do CONASS no Conselho Consultivo da ANVISA
Fábio Vilas Boas – SES/BA (titular)
Viviane Rocha de Luiz – CONASS (suplente)