Mansueto de Almeida será o novo secretário do Tesouro Nacional

O economista Mansueto Facundo de Almeida Júnior será o novo secretário do Tesouro Nacional, anunciou hoje (16) o Ministério da Fazenda.

Mansueto, que é atualmente secretário de Acompanhamento Fiscal, Energia e Loteria (Sefel) do ministério, ocupará o lugar de Ana Paula Vescovi, que será a nova secretária-executiva da pasta.

As alterações foram comunicadas em nota divulgada hoje (16) pela pasta.

O economista Alexandre Manoel Angelo da Silva, atual subsecretário de Governança Fiscal e Regulação de Loteria, assume o lugar de Mansueto, passando a comandar a Sefel. Ariosto Antunes Culau, que atualmente, ocupa a Chefia de Gabinete do Ministro da Fazenda ocupará o cargo de Secretario-Executivo Adjunto.

As mudanças têm sido anunciadas desde a semana passada, desde a posse de Eduardo Guardia como ministro da Fazenda. Após filiar-se ao MDB, o então ministro Henrique Meirelles deixou o cargo para concorrer às eleições deste ano. Ao assumir a Fazenda, Guardia disse que manteria a equipe no ministério. O ministro tem feito remajamentos, mas tem mantido os mesmos nomes na pasta.

Mansueto Facundo de Almeida Jr. é técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Foi coordenador-geral de Política Monetária e Financeira na Secretaria de Política Econômica no Ministério da Fazenda, entre 1995 e 1997; assessor da Comissão de Desenvolvimento Regional e de Turismo do Senado Federal, de 2005 a 2006. De 2014 a 2016 foi consultor privado.

Alexandre Manoel Angelo da Silva também é técnico de Planejamento e Pesquisa do Ipea. Foi subsecretário de governança fiscal e regulação de loteria, entre 2016 e 2018 na Sefel, coordenador-geral de política fiscal na Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda, em 2003 e 2004 e, posteriormente, em 2007 e 2008; e, e secretário municipal de projetos estratégicos na Prefeitura de Maceió, entre 2013 e 2016.

Ariosto Antunes Culau é Analista de Planejamento e Orçamento, tendo exercido vários cargos nessa área, tais como diretor de Programas Econômicos, secretário adjunto e secretário de Orçamento Federal, no Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão.

Na esfera estadual, foi superintendente do Tesouro do Estado de Goiás e secretário de Planejamento e Gestão do Governo do Estado do Rio Grande do Sul. No Ministério da Fazenda, foi coordenador-geral do Gabinete do Ministro, subsecretário para Assuntos Econômicos da Secretaria Executiva e, atualmente, ocupa a Chefia de Gabinete do Ministro da Fazenda.

Agência Brasil.

Prêmio da Mega acumula e pode chegar a R$ 6 milhões

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 1.976 da Mega-Sena, sorteado em Chapecó (SC). O prêmio acumulou e poderá chegar a R$ 6 milhões no próximo sorteio, no dia 14.

As dezenas sorteadas foram: 12 -14 – 19 – 25 – 52 – 59

De acordo com a Caixa, 62 apostas acertaram a quina e vão receber R$ 24.797,36; e 3.551 apostas acertaram a quadra e vão receber R$ 618,51.

As apostas podem ser feitas até as 19h (horário de Brasília) de hoje em qualquer lotérica do país.

Saiba como é calculado o prêmio

O valor arrecadado com o concurso da Mega-Sena não é totalmente revertido em prêmio para o ganhador. Parte do montante é repassada ao governo federal para investimentos nas áreas de saúde, educação, segurança, cultura e esporte.

Além disso, há despesas de custeio do concurso, imposto de renda e outros, que fazem com que o prêmio bruto corresponda a 46% da arrecadação. Dessa porcentagem:

35% são distribuídos entre os acertadores dos 6 números sorteados (sena);

19% entre os acertadores de 5 números (quina);

19% entre os acertadores de 4 números (quadra);

22% ficam acumulados e distribuídos aos acertadores dos 6 números nos concursos de final 0 ou 5.

5% ficam acumulado para a primeira faixa – sena – do último concurso do ano de final zero ou 5.

Não havendo acertador em qualquer faixa, o valor acumula para o concurso seguinte, na respectiva faixa de premiação.

Os prêmios prescrevem 90 dias após a data do sorteio. Após esse prazo, os valores são repassados ao Tesouro Nacional para aplicação no FIES – Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior.