Todos os postos de saúde de SL estão disponíveis para Multivacinação

As 63 unidades de saúde do município vão funcionar das 8h às 17h

Crianças e adolescentes menores de 15 anos são o público-alvo da Campanha Nacional de Multivacinação, iniciada nesta segunda-feira (11), em todo o país. A ação, do Ministério da Saúde, tem como objetivo atualizar a caderneta de vacinação e sensibilizar para a importância de manter em dia este calendário. A Prefeitura de São Luís disponibilizou doses em todas as 63 unidades de saúde do município, que vão funcionar das 8h às 17h. A campanha conta com um total de 14 vacinas e prossegue até dia 22 de setembro. O Dia ‘D’ será sábado (16).

“Esperamos, com este chamamento, sensibilizar e provocar a ida da população aos postos para atualizarem as carteiras, porque essa atitude é indispensável para combater as doenças imunopreveníveis. Seguindo orientação do prefeito Edivaldo, estamos disponibilizando vacinas em todas as unidades de saúde esperando ampliar a cobertura nesta campanha”, enfatizou o secretário municipal de Saúde (Semus), Lula Fylho.

Na lista de vacinas disponíveis consta: BCG, Hepatite B, VIP (Vacina Inativada da Poliomielite), VOPb (Vacina Oral da Poliomielite Bivalente), rotavírus humano, pneumocócica 10 valente, Meningocócica C conjugada, febre amarela, tríplice viral, tetra viral ou tríplice viral + varicela (atenuada), DTP (tríplice bacteriana), Hepatite A, e varicela (para crianças menores de sete anos); Hepatite B, febre amarela, tríplice viral, dT, dTpa, Meningocócica C conjugada, HPV e varicela.

No caso da HPV, devem vacinar meninas a partir dos nove anos e meninos, a partir dos 11 anos. Quem já tomou a primeira dose, deve estar com intervalo de seis meses para que possa tomar a segunda dose, explica a coordenadora de Enfermagem do Centro de Saúde Paulo Ramos, Rita de Cássia Carneiro.

No sábado (16), a campanha se intensifica com as ações do Dia ‘D’. Todos os 63 postos estarão abertos à comunidade disponibilizando os 14 tipos de vacina. “É um dia para que as pessoas possam participar e que terão mais tempo para ir aos postos. Tudo para que nenhuma criança ou adolescente fique sem a imunização”, reforça a superintendente de Vigilância Epidemiológica e Sanitária da Semus, Terezinha Lobo.

Deixe uma resposta