Associação de Junco do Maranhão é contemplada com chamada pública da cadeia produtiva do mel

“O nosso maior sonho é ter autonomia, para que a gente não precise mais de atravessador para comercializar nossa maior… [ ]

3 de agosto de 2017

“O nosso maior sonho é ter autonomia, para que a gente não precise mais de atravessador para comercializar nossa maior riqueza, que é o mel. Esse sonho já está se realizando, estou muito feliz pela Apimel ter sido contemplada com a chamada pública”, contou Rogério da Silva, presidente da Associação dos Apicultores de Junco do Maranhão – Apimel, contemplada da chamada pública da cadeia produtiva do mel.

O resultado foi divulgado nesta quinta-feira (3) pelo Governo do Estado, por meio do Sistema SAF. O chamamento público foi para selecionar projetos de revitalização de agroindústrias familiares para o fortalecimento da cadeia produtiva do mel.

A Apimel conta, atualmente, com cerca de 45 famílias associadas e a expectativa da safra de mel, que vai do período de julho a outubro, é produzir cerca de 200 toneladas do produto para comercialização. O presidente contou, ainda, que usam aproximadamente 90 hectares com 4 apiários e a reforma da agroindústria vai aumentar e melhorar as condições da produção. As abelhas são da espécie “Apis mellifera” mais conhecida como ‘africanizadas’.

O recurso de R$ 102.793,00, oriundo do Fundo Maranhense de Combate a Pobreza – FUMACOP, do Estado do Maranhão, será destinado a reformar, ampliar e/ou adaptar as agroindústrias familiares, do tipo entreposto de mel e cera, com adequação às normas ambientais e sanitárias vigentes além da obtenção de licenças ambientais e registros sanitários junto aos órgãos competentes, visando garantir a inocuidade e a qualidade dos seus derivados.

Para este ano o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF, está com editais de chamada público em aberto. As chamadas que beneficiarão as Escolas de Campo de Formação por Alternância e a cadeia produtiva do extrativismo relacionado ao babaçu e a juçara encerram as inscrições no próximo dia 10 de agosto. Juntas, as chamadas têm o valor de mais de R$ 1 milhão, sendo R$ 600 mil para as Escolas de Campo de Formação por Alternância e R$ 409.735,00 para a cadeia produtiva do extrativismo.

E, ainda, a chamada pública para formalização de parceria, com o Governo do Estado, para a execução de projetos preestabelecidos, com foco no fortalecimento da Cadeia Produtiva da Mandioca, visando a implementação de ações direcionadas a industrialização da mandioca, através da construção das instalações físicas e aquisição de equipamentos, garantindo a qualidade dos seus derivados.

Esta última, no valor de R$ 1.120.000,00, está aberta até o dia 1º de setembro. As inscrições devem ser feitas no Protocolo da SAF, no horário de 13h às 18h, de segunda a sexta-feira, mediante apresentação de documentação exigida no Edital. A Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF, está localizada na Avenida São Luís Rei de França, Lote E1 – C, Bairro Turu, São Luís/MA, CEP: 65.075-470. Os editais estão disponíveis no site da SAF.

Para o secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares, o Maranhão segue no rumo certo e produzindo mais. “As chamadas públicas são uma maneira democrática de beneficiamento dos agricultores familiares, além disso, propicia investimento pequeno e retorno rápido e apresenta, ainda, uma repercussão na geração de emprego e renda bastante expressiva e é isso que as chamadas públicas proporcionam: valorização das riquezas do Maranhão e beneficiamento da população”, disse.

De SAF.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!