Nosso Centro

Casarões históricos serão reocupados para aquecer comércio na região central de São Luís

A beleza da arquitetura colonial herdada dos portugueses fez de São Luís cidade Patrimônio Mundial da Humanidade. Apesar da riqueza… [ ]

21 de julho de 2019

A beleza da arquitetura colonial herdada dos portugueses fez de São Luís cidade Patrimônio Mundial da Humanidade. Apesar da riqueza dos sobrados seculares, muitos casarões desse imponente conjunto arquitetônico seguem em desuso. Mas essa realidade está prestes a mudar.

Um conjunto formado por 17 imóveis que hoje estão à disposição da iniciativa privada serão utilizados para a abertura de novos negócios na região central de São Luís.

A medida faz parte do plano de ações do programa Nosso Centro e foi detalhada na sexta-feira (19) pelo secretário de Estado de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid), Rubens Júnior, durante apresentação das ações de curto prazo do programa e do Grupo Gestor do Nosso Centro à imprensa local.

Instituído pelo governador Flávio Dino, o Programa Nosso Centro tem o objetivo de tornar o Centro da Cidade de São Luís referência em inovação e desenvolvimento sustentável, bem como preservar o seu valor histórico e cultural. Com foco em cinco grandes polos de atuação que envolvem as áreas de Habitação, Tecnologia, Cultura, Turismo e Lazer, Comércio e Institucional.

A concessão de casarões para uso comercial faz parte de uma das ações estratégicas do Polo Comercial do Nosso Centro: o programa Adote um Casarão, que prevê a abertura de novos empreendimentos no centro da cidade.

“Dessa forma vamos levar mais pessoas ao Centro, será gerado mais postos de trabalho e com isso vamos dinamizar a economia”, afirmou Rubens Júnior.

Ações para impulsionar o comércio

O objetivo do Polo Comercial é fomentar o comércio local, fornecendo as melhores condições estruturais, de segurança e de mobilidade para empreendedores e consumidores na área central de São Luís.

Mas a revitalização de imóveis que compõem visualmente a Praça João Lisboa, com posterior concessão para uso comercial, não é a única ação estratégica pensada para impulsionar o comércio na região.

Também é foco do Polo Comercial a instalação de um Restaurante Universitário do Governo do Estado e a realização de cursos de empreendedorismo voltados aos empreendedores do Centro.

Além disso, o Polo Comercial do Programa Nosso Centro também prevê a busca por parcerias para soluções de estacionamento na região central da cidade.

Para o secretário estadual de Indústria, Comércio e Energia (Seinc), Simplício Araújo, a iniciativa gera um “círculo virtuoso” que deve aumentar a atividade comercial na área.

“O objetivo do governador Flávio Dino é muito claro. Ele tem um compromisso com a ocupação, povoamento e movimentação da área do Centro Histórico e não tem medido esforços, seja no sentido de recuperar prédios, revitalizar a área com limpeza, segurança e urbanização inteligente. Tudo isso tem dado uma nova perspectiva à área e gerado um círculo virtuoso que atrai turistas, que aumenta as vendas e por fim impulsiona mais visitas e interesses comerciais”, frisou.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!