POLÍTICA

Covid-19: Rafael Leitoa destaca trabalho do governo para conter a pandemia no Maranhão

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Rafael Leitoa (PDT), destacou os avanços conquistados pelo Maranhão para conter a pandemia… [ ]

30 de junho de 2020

O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Rafael Leitoa (PDT), destacou os avanços conquistados pelo Maranhão para conter a pandemia do novo coronavírus. Na sessão desta terça-feira (30), o parlamentar rebateu críticas dos deputados César Pires (PV) e Wellington do Curso (PSDB) e frisou que “a população do Maranhão reconhece os investimentos realizados pelo governador Flávio Dino (PCdoB)”.

“Talvez seja o governador mais atuante no enfrentamento à Covid-19. Então, fico muito tranquilo de vir a esta tribuna fazer a sua defesa de forma clara, transparente e objetiva, porque o governo tem se esforçado, diuturnamente, para conter a evolução da doença no estado”, afirmou Leitoa, destacando ainda a inauguração de mais dez leitos de UTI em Timon e Caxias, entregues no último final de semana.

O deputado  afirmou também que, hoje, contam com 20 leitos de terapia intensiva. “Há décadas esperávamos por esses leitos, que chegaram em bom momento, não somente em Timon, mas em todas as regiões do estado”, reiterou ele, citando a inauguração de novas unidades e leitos em outras regiões do Maranhão.

Respiradores

Rafael Leitoa também rebateu críticas de Wellington do Curso (PSDB) e César Pires (PV) sobre os respiradores. “Todo mundo sabe que, infelizmente, o Consórcio Nordeste fez uma compra que foi frustrada por um fornecedor que não entregou os equipamentos e que teve as contas bloqueadas pela Justiça por conta disso”, explicou, acrescentando que o caso está em investigação na Bahia.

Sobre a segunda compra, Rafael Leitoa esclareceu que ela foi devolvida na mesma moeda. “Foi paga em dólar e devolvida em dólar. Você não pode comprar em uma moeda e devolver em outra diferente. O mesmo valor de dólares pagos pelo Governo do Estado foi a quantidade devolvida e ressarcida aos cofres públicos”, concluiu.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!