ECONOMIA

Estado dribla estagnação nacional da economia e mantém alta na geração de empregos

Mesmo em um período onde o país ainda apresenta um cenário de crise econômica e política, o Maranhão mostra sinais… [ ]

24 de agosto de 2019

Mesmo em um período onde o país ainda apresenta um cenário de crise econômica e política, o Maranhão mostra sinais de que está ‘remando contra a correnteza’ e mantém a alta na geração de empregos formais no ano de 2019. Apresentando um bom equilíbrio entre o número de admissões e demissões, o estado registra um saldo positivo de mais de 6 mil novos postos de trabalho no ano.

Os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (23), mostram que, referente aos primeiros setes meses de 2019, foram registradas 6,1 mil contratações líquidas no Maranhão, saldo decorrente de 94.386 admissões e 88.277 demissões. Em relação à distribuição setorial, o setor de Serviços apresentou o maior saldo de contratações no acumulado do ano, com 6,4 mil novos postos de trabalho.

Além do setor de Serviços, mais três contrataram mais do que demitiram, de janeiro a julho de 2019. O saldo ficou positivo ainda nos setores de Indústria de Transformação, com 800 novas contratações, Agropecuária, com 501 novas vagas e Extrativa Mineral, com a abertura de 41 novos postos de trabalho. E negativo, nos setores da Construção Civil, Serviços Industriais de Utilidade Pública, Comércio e Administração Pública.

O secretário de Estado do Trabalho e da Economia Solidária, Jowberth Alves, destacou o enfrentamento ao cenário de crise, com a manutenção dos bons resultados relativos à geração de emprego no Maranhão.

“Esses números são reflexos do esforço e compromisso da gestão do governador Flávio Dino, em superar as dificuldades ocasionadas pela estagnação da economia no país, contrapor a crise e manter positiva, a empregabilidade no estado, mostrando que contra a crise, o Governo do Estado, apresenta muito empenho para continuar gerando emprego e renda e desenvolvendo a economia do Maranhão”, comentou.

Julho
Os dados do Caged apontam que pelo segundo mês consecutivo, o emprego formal cresceu no Maranhão. Os números revelam que, em julho, houve abertura de vagas em seis dos oito setores da economia. O maior número de empregos criados foi registrado na Construção Civil, com saldo de 656 contratações. Tiveram registro de novas vagas, também, os setores do Comércio, Extrativa Mineral, Agropecuária, Administração Pública e Serviços Industriais de Utilidade Pública. Serviços e Indústria de Transformação foram os únicos setores que demitiram no período.

Desemprego em queda
Mais uma mostra de que o Maranhão caminha na contramão do cenário de crise e estagnação econômica, é a queda no desemprego no estado, no 2º trimestre de 2019, apontada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em pesquisa divulgada esse mês. A taxa de desemprego média no estado recuou para 14,6% no 2º trimestre, ante 16,3% no 1º trimestre, representando uma queda de 1,7 pontos percentuais.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!