Ex-superintendente do Ministério da Agricultura é presa

Da redação A Operação Lucas, deflagrada na manhã desta terça, analisa denúncias de que frigoríficos teriam sido favorecidos por fiscais… [ ]

16 de maio de 2017

Da redação

A Operação Lucas, deflagrada na manhã desta terça, analisa denúncias de que frigoríficos teriam sido favorecidos por fiscais do ministério. A ex-superintendente do órgão em Tocantins, Adriana Carla, e seu marido foram presos.

Além dos frigoríficos, empresas de laticínios também teriam sido favorecidas nos processos administrativos em forma de retardamento da tramitação e anulação de multas. O Ministério da Agricultura até agora não se pronunciou sobre o caso.

As descobertas pelas PF foram feiras por meio de quebras de sigilos fiscal e bancário onde a chefe de Fiscalização do Ministério à época, recebia de empresas fiscalizadas valores mensais para custear despesas próprias.

“Apenas em sua conta pessoal a investigação identificou a diferença de mais de 200% do declarado em seu imposto de renda. Também foi detectado que o esquema criminoso movimentou cerca de R$ 3 milhões, entre os anos de 2010 a 2016”, afirma em nota da Polícia Federal.

Cerca de 120 policiais federais cumprem 62 mandados judiciais, sendo 10 prisões temporárias, 16 de condução coercitiva e 36 de busca e apreensão. Os mandados estão nos estados de Tocantins, do Pará, Maranhão, de São Paulo e Pernambuco. A Justiça determinou também o bloqueio de contas bancárias e indisponibilidade de bens móveis e imóveis nos valores de R$ 2,2 milhões.

De acordo com a PF, o nome da operação é uma passagem bíblica do evangelho de Lucas, em que o evangelista diz que não se deve pedir mais do que é ordenado. “Não peçais mais do que o que vos está ordenado” e “A ninguém trateis mal nem defraudeis, e contentai-vos com o vosso soldo”.

 

0 Comentários

Deixe o seu comentário!