Pesquisa aponta que cigarro leva cerca de 130 mil brasileiros a óbito todos os anos

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) aponta que a cada três fumantes, dois morrem por causa… [ ]

22 de maio de 2017

Uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) aponta que a cada três fumantes, dois morrem por causa de doenças relacionadas ao tabaco, e que todos os anos 130 mil brasileiros vão a óbito por conta conta do cigarro.

Este e outros dados alarmantes fazem do Dia Mundial Sem Tabaco (31/05) uma data importante para se intensificar a divulgação de informações e pesquisas científicas que comprovem os malefícios do fumígenos.

O Dia Mundial Sem Tabaco foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) há 30 anos, com o objetivo de reunir instituições de saúde, especialistas e sociedade civil para discutir políticas de redução do consumo de produtos derivados do tabaco.

O tema deste ano – “Tabagismo: uma ameaça ao desenvolvimento” – transcende aos assuntos sobre saúde e amplia o debate para os riscos sociais e econômicos decorrentes do fumo.

O Brasil é o 2º maior produtor mundial de tabaco e principal exportador da folha. “Estamos exportando um ‘veneno’, que após ser processado em cigarros, por exemplo, contém mais de 7 mil substâncias tóxicas. Em vez disso, poderíamos produzir mais alimentos para sanar a fome no país e no planeta”, argumenta o pneumologista Dr. Alberto José de Araújo, membro das Comissões de Tabagismo da Associação Médica Brasileira (AMB), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) e Sociedade de Pneumologia e Tisiologia do Rio de Janeiro (SOPTERJ).

Além da questão econômica, o pólo de produção do tabaco, concentrado no sul do país, também apresenta problemas sociais e ambientais. “A indústria do tabaco cria toda sorte de obstáculos para impedir os fumicultores de saírem da secular monocultura do tabaco para a diversificação para outros cultivos de alimentos, cuja produção seja menos nociva ao ambiente e à própria saúde deles”, explica o Dr. Araújo.

Enquanto os agricultores têm a saúde debilitada por causa dos agrotóxicos, na outra ponta, os consumidores de tabaco e seus derivados correm riscos ainda mais evidentes.

“O hábito de fumar encurta a expectativa de vida entre 8 e 15 anos, e pode causar cerca de 55 doenças. Estima-se que 130 mil brasileiros morram todos os anos por alguma enfermidade relacionada ao tabaco. As principais são: infarto do miocárdio, acidente vascular encefálico, doença pulmonar obstrutiva crônica, câncer de pulmão e em outros órgãos”, informa o pneumologista.

O especialista cita, ainda, os dados do Instituto Nacional de Câncer que constatam que, a cada 100 pacientes que desenvolvem câncer, 30 são fumantes. Além disso, 90% dos casos de câncer de pulmão são causados pelo tabagismo.

Principais medidas de controle vigentes no país

Diante de informações preocupantes, o Brasil tem avançado nas políticas de controle do tabagismo. Em relação à queda no consumo, o país passou de 34,8% de fumantes na população em 1989 para 14,7% em 2013, de acordo com dados da Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE.

As medidas mais eficazes adotadas por aqui foram a de prevenção do fumo passivo, por meio da lei 12546/11 (lei antifumo), em vigor desde 2014; a oferta de tratamento para a cessação do tabagismo, implantada desde 2004 na rede básica de saúde; o aumento da alíquota de impostos sobre os cigarros e estabelecimento de preço mínimo de produtos de tabaco, o que ajuda a inibir a iniciação de jovens ao tabagismo; além das advertências sobre os riscos à saúde nas embalagens, que tiveram grande evolução no país, passando de frases como “pode causar câncer” (anos 80 e 90), até a posição mais incisiva: “causa câncer”.

Até o dia 26 de maio, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) está realizando Consulta Pública para renovar os textos e imagens de alerta das embalagens. Contribuir com medidas como esta e ajudar a difundir mais informações sobre o hábito de fumar são algumas das formas de ajudar a reduzir a mortalidade por doenças relacionadas ao tabagismo.

Fonte: Sintonia Comunicação

0 Comentários

Deixe o seu comentário!