PM é preso suspeito do triplo homicídio no Maranhão

O policial militar Hamilton Caires Linhares foi preso na manhã desta segunda-feira (7) por suspeita de participação no triplo homicídio… [ ]

7 de janeiro de 2019

O policial militar Hamilton Caires Linhares foi preso na manhã desta segunda-feira (7) por suspeita de participação no triplo homicídio dos três jovens no bairro Coquilho, zona rural de São Luís. A informação foi confirmada ao G1 pelo secretário de Segurança Pública (SSP), Jefferson Portela.

De acordo com o secretário, testemunhas relataram à polícia que o PM era conhecido na região. Após os depoimentos, a polícia pediu ainda no domingo (6) uma representação pela prisão temporária por 30 dias, do policial Hamilton Caires Linhares. Ele foi preso e encaminhado para a sede do Comando-Geral da Polícia Militar em São Luís.

Ao chegar na manhã desta segunda a sede da Companhia de Operações Especiais (COI), onde trabalha, o policial Hamilton já estava acompanhado com seu advogado. A arma dele foi apreendida e será submetida a análises.

As primeiras investigações apontam que os três jovens teriam sido perseguidos no interior do condomínio ‘Minha Casa, Minha Vida’, pela equipe de vigilância do local. Segundo o delegado Lúcio Rogério Reis, da Superintendência de Homicídios e Proteção a Pessoa (SHPP), as vítimas teriam sido cercadas em uma área de matagal e um disparo teria sido ouvido.

Os depoimentos das testemunhas afirmaram que os jovens estavam indo para uma área de banho próximo ao condomínio, mas ainda não foi comprovado que eles teriam envolvimento com algum delito. A equipe de vigilância do local já vinha tendo uma série de conflitos com os moradores da região, que usavam as dependências do condomínio para ter acesso ao mangue.

Triplo assassinato
Os jovens Gildean Castro Silva, de 14 anos, Gustavo Feitosa Monroe,18, e Joanderson da Silva Diniz,17, foram assassinados em uma região de mato no bairro Coquilho, zona rural de São Luís. A princípio, segundo a polícia, todos foram mortos por arma de fogo com tiros na nuca. A primeira suspeita é de que vigilantes de uma área de construção da região teriam cometido o crime.

Os corpos de Gustavo Feitosa Monroe e Joanderson da Silva Diniz foram enterrados na manhã deste sábado (5) e Gildean Castro Silva foi enterrado a tarde no cemitério que fica localizado na própria comunidade do Coquilho. No sábado (5), o Secretário de Segurança Pública, Jefferson Portela, afirmou que pelo menos dois policias possuem ligação com os vigilantes da empresa.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!