ECONOMIA

Porto do Itaqui no debate das hidrovias do Maranhão

O Porto do Itaqui marcou presença no seminário Hidrovias do Maranhão: Potencialidades no Transporte de Cargas e Passageiros, realizado nesta… [ ]

3 de fevereiro de 2022

O Porto do Itaqui marcou presença no seminário Hidrovias do Maranhão: Potencialidades no Transporte de Cargas e Passageiros, realizado nesta terça (1º), no auditório da Federação das Indústrias do Maranhão (Fiema). Em sua fala, na abertura do evento, o presidente do Itaqui, Ted Lago, destacou a importância da integração de atores estratégicos em torno da fundamental importância da navegação fluvial para o desenvolvimento socioeconômico do estado.

“De 2015 para cá, muitas ações vêm sendo implementadas pelo Governo do Maranhão, visando a interiorização do desenvolvimento socioeconômico e, nessa direção, o fortalecimento da cadeia logística de transporte de pessoas e mercadorias, envolvendo o setor produtivo, comunidades locais e prefeituras das cidades inseridas nessas bacias hidrográficas, é mais um importante passo”, afirmou Lago.

O evento foi realizado com o objetivo de colocar em debate o potencial na utilização dos rios maranhenses, compartilhar informações e trabalhos recentemente produzidos e buscar proposições que respondam às demandas e desafios, contribuindo para o incremento do transporte de cargas e passageiros no estado. Tudo isso sem perder de vista a inserção das comunidades ribeirinhas no processo produtivo e a geração de emprego e renda por meio do estímulo dessa modalidade de transporte.

A preservação ambiental e usos da água, experiência fluvial amazônica e as potencialidades no transporte de cargas e passageiros na navegação interior do Maranhão também foram temas de debates. O ex-governador e atual diretor da EMAP, José Reinaldo Tavares, coordenou uma mesa redonda que contou com a participação do diretor da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ), Adalberto Tokarski.

De acordo com Tokarski, as potencialidades dos milhares de quilômetros de rios maranhenses podem ser melhor utilizadas a partir de uma navegação estruturada. “O que está sendo discutido aqui é como o Maranhão pode melhor aproveitar seu potencial e os desafios a serem superados para a interiorização da atividade econômica por meio da logística”, disse.

Ao final do encontro foi lida uma carta com quatro proposições elaboradas com base nas reflexões surgidas no evento. A primeira delas destaca a importância de dar continuidade e consequência aos esforços que vêm sendo implementados pelo Governo do Maranhão, desde 2015, para a promoção do desenvolvimento socioeconômico em todas as regiões do estado, em especial naquelas que concentram municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

Também foi apontada a necessidade de acrescentar aos estudos e ações existentes um projeto multidisciplinar que venha a contemplar desde a gestão do uso da água até obras de engenharia como derrocamentos, reflorestamento das margens, estudos sobre demandas de carga, origem e destino de mercadorias e redução de custos operacionais no transporte. O documento propõe ainda a consolidação e a ampliação de ações de interiorização das atividades econômicas por meio do adensamento de cadeias produtivas e pela estruturação dos fluxos de carga e transporte, entendendo a logística como meio para o desenvolvimento local.

E, finalmente, a ampliação do uso da navegação interior, fortalecendo toda a cadeia de transporte de pessoas e mercadorias, turismo, recursos hídricos, meio ambiente, competitividade, sempre envolvendo o setor produtivo, comunidade local e as prefeituras das cidades inseridas nessas bacias hidrográficas.

Promovido pela Agência de Desenvolvimento Sustentável do Corredor Centro-Norte (Adecon), o seminário contou com o apoio da EMAP e reuniu autoridades governamentais, lideranças empresariais, representantes da academia e sociedade civil.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!