SAÚDE

Prefeitura de São Luís segue com ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti na capital

Mapeamento de casos e visitas domiciliares são algumas das ações da gestão do prefeito Edivaldo que avança com o trabalho… [ ]

30 de maio de 2020

Mapeamento de casos e visitas domiciliares são algumas das ações da gestão do prefeito Edivaldo que avança com o trabalho mesmo durante o período de pandemia pelo novo coronavírus

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), segue mobilizando sua equipe técnica no combate ao mosquito Aedes aegypti, com mapeamento de casos e visitas domiciliares, entre outras ações, que visam prevenir a proliferação de doenças como dengue, zika e chikungunya causadas pelo inseto. As ações integram a política de saúde da gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior que intensificou nos últimos meses os esforços no combate à Covid-19 e na ampliação da rede municipal de saúde em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

De acordo com a coordenação do programa de Controle das Arboviroses de São Luís, embora as ações sofram com algumas restrições no momento, devido às medidas sanitárias necessárias para o controle do novo coronavírus, as atividades estão em prática com o objetivo de manter a saúde e o bem-estar da população.

Entre as ações destacadas, lista-se a visita dos agentes de saúde de casa em casa, identificando e fazendo tratamento dos focos de Aedes aegypti. O trabalho de nebulização espacial (carro fumacê) também é contínuo, agindo em bloqueio de focos e corte de transmissão em todos os casos notificados de dengue, chikungunya e zika que são informados na vigilância epidemiológica do município.

CUIDADOS

Além das ações realizadas constantemente, a equipe de controle das arboviroses alerta para alguns cuidados que a população deve ter, como o descarte regular do lixo e evitar a colocação de plantas em recipientes que podem acumular água. A Secretaria Municipal de Saúde aplica periodicamente ações preventivas visando o controle vetorial das doenças na cidade, recolhendo pneus velhos e orientando a população para os devidos cuidados de prevenção.

Vale ressaltar que, de janeiro a março deste ano, por tanto, antes da pandemia, as equipes de trabalho da Vigilância Epidemiológica visitaram quase 70 mil imóveis em toda a capital e tiveram de aplicar larvicida em 14 mil residências, onde foram constatados focos de infestação do mosquito Aedes aegypti. Em abril, em vista do novo coronavírus, as operações das equipes de visitação de casa em casa foram suspensas temporariamente para readequação de procedimentos técnicos e de proteção sanitária, mas já foram retomadas. Os órgãos de saúde destacam que o período do verão é o mais propício à proliferação do mosquito, por causa das chuvas e, consequentemente, é a época de maior risco de doenças.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!