SÃO LUÍS

São Luís 407 anos: Programa Nosso Centro valoriza tradição e projeta capital para o futuro

Um centro de tecnologia num antigo edifício preservado e restaurado. Ou uma empresa descolada num casarão histórico. Esse é o… [ ]

1 de setembro de 2019

Um centro de tecnologia num antigo edifício preservado e restaurado. Ou uma empresa descolada num casarão histórico. Esse é o cenário que se projeta para a região central de São Luís com o programa Nosso Centro.

Prestes a completar 407 anos, São Luís já pode pensar nos próximos anos, abrindo uma janela de oportunidades para o Centro Histórico.

Lançado há cerca de dois meses pelo Governo do Maranhão, o plano busca preservar e restaurar boa parte da história da cidade, ao mesmo tempo em que olha para o futuro e o empreendedorismo.

“Ao instituir o Programa Nosso Centro, o governador Flávio Dino leva ao Centro Histórico de São Luís um conjunto de ações estruturantes para reforçar ainda mais suas vocações, além de movimentar a economia e valorizar a área, ocupando os vazios urbanos”, diz o secretário Rubens Júnior, de Cidades e Desenvolvimento Urbano (Secid).

Uma das ideias, por exemplo, é criar um polo tecnológico no Centro Histórico, incluindo o prédio da antiga RFFSA.

O Nosso Centro quer estabelecer definitivamente a região central como destino de turistas, moradores e negócios.

Uma das facilidades é que o Centro Histórico já vem bombando nos últimos anos, principalmente agora em 2019. O Carnaval, o São João e as férias foram provas disso. Mesmo após esses eventos, o centro continua cheio de gente e movimento.

“O resultado tem sido a retomada de um caminho para a ampla revitalização, renascimento e fortalecimento desta área. Vamos prosseguir neste caminho elevando a nossa capital. Apesar da crise brasileira, vivemos um bom momento e o programa vem reforçar esse cenário”, diz Rubens Júnior.

O Nosso Centro se baseia em cinco polos:

Tecnologia 

Serão criados espaços públicos dedicados à aceleração e incubação de startups, fortalecendo as ações do Casarão Tech. O Parque Tecnológico incluirá um centro de pesquisa, desenvolvimento e inovação, além de viabilizar a atração e o surgimento de empresas de base tecnológica.

Será estimulada a instalação de programas de pós-graduação, cursos de graduação e cursos técnicos de várias instituições públicas e privadas, prioritariamente nas áreas de Tecnologia da Informação, Engenharias e Biotecnologia.

Moradia

Serão oferecidas opções de imóveis para moradia social e a servidores públicos. Isso inclui a reforma e a revitalização de casarões, além de ações para segurança e infraestrutura na região. Uma das primeiras iniciativas é o incentivo a moradias na região de todo o Centro.

Serão recuperados e adaptados imóveis para a habitação social. Entre eles, estão casas na Rua da Palma e na Avenida Magalhães de Almeida. Com outro programa, o Cheque Minha Casa, estão sendo destinados recursos da ordem de R$ 1,5 milhão para reforma de habitações de quem já mora na região.

Para servidores públicos com interesse em ter a casa própria, serão recuperados imóveis nas Ruas do Sol, Rio Branco e Palma. Já nos casarões em que já há moradias, como os das Ruas da Estrela, da Palma, do Giz, João Alberto Goulart e Beco da Pacotilha, haverá obras de revitalização e melhorias.

Cultura e turismo 

O programa prevê levar mais atividades e atrações culturais para a região. E torná-la permanentemente uma opção de lazer para moradores e turistas.

Serão feitos roteiros históricos autoguiados; apoio a empreendimentos culturais, comerciais e gastronômicos; formalização e apoio a grupos culturais tradicionais, além do programa Cores na Cidade, a criação do Centro Cultural do Desterro, Estruturação do Parque do Bacanga, requalificação do Complexo da RFFSA e outras intervenções.

Comércio e gastronomia

A concessão de casarões para uso comercial faz parte do programa Adote um Casarão, que prevê a abertura de novos empreendimentos no centro da cidade. São 17 casarões em várias ruas que serão disputados por meio de editais. Haverá incentivos para quem instalar negócios nessas unidades.

Também será feito um Restaurante Universitário do Governo do Estado, além da realização de cursos de empreendedorismo.

Institucional

A ideia é viabilizar maior trânsito de pessoas em horário comercial, com a instalação de secretarias e órgãos públicos no Centro. Isso é bom para o comércio, uma vez que gera potenciais consumidores.

Uma dessas ações vai colher resultados em breve. É o Complexo Administrativo João Goulart, que vai começar a abrigar secretarias do governo nas próximas semanas. O prédio fica na avenida Dom Pedro II.

Também será readequada a sede do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Maranhão (Iprev/MA), no Edifício Bequimão, localizado na Rua do Egito.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!