INFRAESTRUTURA

Secretários vistoriam obras de construção do Complexo Rodoviário da MA-211

Os secretários da Casa Civil, Sebastião Madeira e da Infraestrutura (Sinfra), Aparício Bandeira visitaram as obras do Complexo Rodoviário da… [ ]

13 de abril de 2022

Os secretários da Casa Civil, Sebastião Madeira e da Infraestrutura (Sinfra), Aparício Bandeira visitaram as obras do Complexo Rodoviário da MA-211, nesta terça-feira (12). O Complexo teve sua primeira etapa entregue com a inauguração da ponte Antônio Jorge Dino, que liga os municípios de Bequimão e Central. A previsão é que, em 60 dias, os serviços desta segunda etapa estejam concluídos.

“Muito importante esta obra para a região, e, por determinação do governador Carlos Brandão, aqui estamos, realizando essa vistoria para avaliarmos o andamento dos serviços e o que falta para o término. Essa grande obra é fruto da coragem do governador Flávio Dino, e agora, é dada a continuidade com o governador Brandão”, afirmou o titular da Casa Civil, Sebastião Madeira. A ponte beneficia uma população aproximada de 170 mil habitantes.

O acesso de Central a Bequimão é cerca de 38 quilômetros, e neste trajeto, seguem em andamento os serviços para pavimentação. “A obra nunca parou e verificamos que segue seu curso normal. A ponte está totalmente concluída, e em julho, a etapa de pavimentação destes 38 quilômetros estará finalizada”, destacou o titular da Sinfra, Aparício Bandeira.

A ponte Central-Bequimão leva o nome do ex-governador Antônio Jorge Dino, que idealizou a estrada no final da década de 1960. A nova via, que possui 589 metros de comprimento, vai interligar 10 municípios da Baixada Maranhense e foi construída com investimentos de aproximadamente R$ 180 milhões.

Na lista de serviços realizados na execução da ponte estão: asfaltamento de toda a estrutura, construção de áreas de acesso, concretagem dos blocos em terra, para dar acesso à rodovia, entre outros. A obra significou um desafio, devido ao tipo de solo encontrado na região, o chamado ‘solo mole’, que é mais lamacento. Isso por conta do rio Pericumã, que tem características muito particulares, com oscilação de maré e solo mole.

A professora Josilene Costa frisou que a obra é um sonho antigo da comunidade. “É uma obra que esperávamos muito, com a qual já sonhávamos, e graças a Deus, agora estamos vendo ser concretizada. Da mesma forma, a recuperação da estrada, pois temos dificuldades de acesso para a sede, e durante o inverno fica mais difícil. A entrega dessa obra é muito positiva e vai facilitar muito para nós”, disse.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!