Sucesso do Carnaval de Todos impulsiona economia e pequenos negócios em São Luís

O Circuito Carnavalesco Joãosinho Trinta iniciou a programação no domingo, 11, seguiu até a terça-feira, 13 e, entre os vendedores, o clima é de otimismo.

Se na avenida a folia rola solta, às margens da Avenida Beira-Mar a concentração de centenas de barraquinhas e food trucks faz a alegria dos foliões e dos pequenos empresários, que veem no Carnaval de Todos uma maneira de aumentar os lucros. O Circuito Carnavalesco Joãosinho Trinta iniciou a programação no domingo, 11, seguiu até a terça-feira, 13 e, entre os vendedores, o clima é de otimismo.

Pizza, hambúrguer, cachorro-quente, batata frita, churrasquinho, destilados, cervejas e chopps artesanais. A lista de produtos à venda é variada e a maioria dos vendedores se preparou, reforçando o estoque para essa época do ano. Foi o caso, por exemplo, de Gustavo Costa, proprietário do food truck Tuba Pizza. Depois de um réveillon muito melhor do que o esperado, as expectativas para o Carnaval estão altíssimas.

“Levamos o trailer para o Réveillon de Todos e foi um dos melhores eventos de que já participamos. Fizemos tanto sucesso que não estávamos preparados e a comida acabou no meio da madrugada. Para o Carnaval, reforçamos o estoque ainda mais e estamos operando com a nossa capacidade máxima”, garantiu ele, que pretende usar os lucros para aprimorar ainda mais o negócio.

O otimismo de ambulantes e microempresários com os cinco dias de festa é a prova de que nem só de folia vive o Carnaval. Além de divertida, a festa impulsiona a economia e gera trabalho e renda para muita gente. No caso da Avenida Beira-Mar, a consolidação do circuito carnavalesco Joãosinho Trinta como um dos pontos mais animados do Carnaval de Todos foi o que impulsionou a participação não só de milhares de foliões, mas também de vendedores.

Aniversário

Comemorar o aniversário em pleno Carnaval é para poucos. Sorte de João Urubatan e Ricardo Nojosa, proprietários do Goró Beer Truck, de chopps artesanais feitos por cervejarias maranhenses. A ideia é proporcionar, à população ludovicense, o acesso a outro tipo de cerveja, diferente das convencionais.

Eles abriram o negócio em pleno Carnaval, justamente no dia de estreia do circuito da Avenida Beira-Mar no ano passado. “Rolou um nervoso, porque é um ramo que já tem uma certa concorrência. Mas foi muito melhor do que esperávamos. Este ano também está muito movimentado, vai dar para vender mais de cem chopps em uma noite, fácil”, comemorou.

O mercado de cervejas convencionais também tem expectativa de continuar a faturar alto nos dias que ainda restam de Carnaval. No meio da tarde de ontem, Rutilene da Silva Pereira terminava de arrumar as últimas bebidas no isopor que instalou na beira da Praça Maria Aragão para vender água e cerveja. As conversas que ouviu mais cedo eram promissoras. “Todo mundo disse que aqui na Beira-Mar é ótimo, animado e bem movimentado. Vai dar para vender bastante, vou secar esse isopor rapidinho”, animou-se.

Também otimista, Artur Pereira de Araújo, proprietário do food truck Churrasco do Chef, abriu mão de participar de outros eventos da temporada carnavalesca para instalar o trailer na avenida Beira-Mar.

“Participamos do Reveillon de Todos e foi excelente. Acreditamos que no Carnaval vai ser ainda melhor, porque tem ainda mais gente e são vários dias. A gente até poderia ter ido para outros lugares, mas aqui pareceu bem melhor”, explicou Artur, para quem os lucros do Carnaval já tem destino certo. “Vamos usar para quitar o investimento que fizemos no negócio, com carros e o trailer”, contou.

Quem já é do ramo há mais tempo aproveita o Carnaval para diversificar o negócio e estabelecer a marca junto a um novo público. Uma das proprietárias do primeiro food truckde São Luís, o Jone’s, Ísis Lucas Braga, mudou o cardápio para se adequar ao gosto dos brincantes. Em vez dos tradicionais hambúrgueres, no corredor da folia o trailer vendia churrasquinho. “A gente precisa se adequar à dinâmica do mercado e inovar sempre. Por isso escolhemos mudar o cardápio para esses dias. Estamos acompanhando os circuitos desde o pré-carnaval e tem sido muito bom.”, comentou ela.

Vivendo de carnaval

No bairro da Madre Deus, berço da cultura carnavalesca maranhense, a folia momesca é, de longe, o período mais movimentado da economia. Jose Viégas já perdeu as contas de há quantos anos monta durante o Carnaval uma barraca na porta do bar em que trabalha – uma estratégia para impulsionar as vendas. No último sábado, 10, ela comemorava a venda de dez grades de cerveja num dia só. “De longe é a melhor época para a gente. Não tem melhor que a temporada de Carnaval. Se a gente botar pra vender mesmo dá para tirar bastante”, afirmou.

Outro mercado que se movimenta nessa época é a venda de adereços e enfeites de fantasias – fator que motivou a ambulante Ivete das Chagas a vir de Caxias para São Luís, pela primeira vez após quatro anos, para vender tiaras e outros enfeites com luzes e brilho. “O dinheiro é bom e com certeza vale a viagem de Caxias para cá, por isso que resolvi vir de novo. Tenho muitos parentes aqui também, então aproveito para ver todo mundo”, contou.

 

Deixe uma resposta